Menu
2019-02-28T14:18:27+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
ON versus PN

Dividendo extra dá impulso adicional a ação preferencial da Petrobras na bolsa

No total, a estatal vai pagar R$ 7,1 bilhões em dividendos, mas quem possui ações preferenciais vai receber R$ 0,67 a mais por ação do que os detentores de ações ordinárias

28 de fevereiro de 2019
11:48 - atualizado às 14:18
Petrobras
Petrobras - Imagem: Shutterstock

Depois de fazer as pazes com o lucro depois de quatro anos no vermelho, a Petrobras pode voltar a distribuir dividendos mais polpudos aos acionistas sem perder de vista o controle da situação financeira. Só que os detentores de ações preferenciais (PETR4) têm mais motivos para comemorar do que de papéis ordinários (PETR3).

Junto com o balanço, a Petrobras anunciou uma distribuição extra de R$ 106,7 milhões em dividendos às ações PN, o equivalente a R$ 0,019236 atualizados pela taxa básica de juros (Selic).

O valor foi pago para atender as regras do estatuto da empresa, que prevê uma distribuição mínima de dividendos para ações preferenciais, que não possuem direito a voto.

"Uma empresa endividada como a Petrobras deveria pagar menos dividendo e criar valor. Mas somos obrigados a pagar dividendo mínimo e continuaremos assim", disse hoje o presidente da companhia, Roberto Castello Branco, em teleconferência com analistas.

No total, a estatal vai pagar R$ 7,1 bilhões em dividendos referentes ao lucro deste ano, que somou R$ 25,8 bilhões. Mas quem possui papéis PN vai receber R$ 0,67 a mais por ação do que os que possuem ações ON, que têm direito de voto nas assembleias. Cada ação PN terá direito a R$ 0,9225 e a ON, R$ 0,2535.

Dê preferência à preferencial

"Na nossa visão, o mercado esperava dividendos adicionais para ações ordinárias e esperamos que as ações preferenciais tenham um desempenho melhor que as ordinárias no próximo pregão", escrevem os analistas do Credit Suisse, em relatório a clientes.

Dito e feito. Depois de começarem o dia em alta, as ações da Petrobras acompanharam a piora do mercado e passaram a negociar em queda. Mas as PN tem um desempenho bem melhor, com baixa de 1,48%, cotadas a R$ 26,36, por volta das 14h, enquanto as ON recuavam 4,27%, a R$ 29,68.

Para os analistas do J.P. Morgan, as ações preferenciais da estatal são uma pedida melhor que as ordinárias hoje na bolsa.

Entre as razões da escolha das PN está a recente edição do Decreto nº 9.714, que permitiu ao BNDES vender os papéis ON da empresa diretamente no mercado. Antes da medida, era necessária uma autorização presidencial para a venda das ações com direito a voto. "Esse pode ser um gatilho para o spread [diferença] entre as duas diminuir", escrevem os analistas.

E você, o que acha? Prefere votar nas assembleias da Petrobras mas ter um dividendo menor ou receber uma parcela maior do lucro da estatal? Deixe sua opinião nos comentários abaixo ou lá no meu twitter.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Corrida contra o tempo

Câmara e Senado devem votar hoje MP que permite capital estrangeiro em áreas; Gol e Azul sobem na bolsa

MP do setor aéreo foi editada no fim do ano passado por Michel Temer e permite que estrangeiros possam deter até 100% do capital das aéreas brasileiras

Mais perto do que se imagina

Sem reformas, País deve violar “regra de ouro” em 2020 e ter recessão, diz OCDE

Organização acredita que não aprovação das reformas resultaria em custos de financiamento mais altos e consequentemente um crescimento mais baixo

A volta da esquerda?

Quatro a cada 10 norte-americanos apoiam o socialismo, diz pesquisa

Levantamento da Gallup mostra que 43% das pessoas acreditam que o socialismo é algo bom para o País, enquanto para 51% ainda é algo ruim; números contrastam com pesquisa de 70 anos atrás

Fraudes em fundos de pensão

Justiça ratifica denúncia de Operação Rizoma contra desvios no Postalis e Serpros

Entre os acusados estão o empresário Milton Lyra, o “operador do MDB”, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e o empresário Arthur Mario Pinheiro Machado

Blog da Angela

Grandes fundos emprestaram uma bolada de dinheiro para o governo. Por que isso é ruim?

Patrimônio de fundos sob gestão dos maiores administradores do país está comprometido em 80% com títulos públicos; ações respondem por 3,5% e aplicações no exterior por 0,5% do total

Bateu o pé

Presidente da Comissão Especial reafirma calendário da reforma da Previdência e diz que relatório sai até dia 15

Prazo para apresentação de emendas, que encerraria nesta quinta-feira, 23, deve ser adiado para o dia 30

De olho no gráfico

É hora de comprar Ambev, BB, Petrobras e outras blue chips da Bolsa?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Aliança ambiciosa

EDP e Engie assinam memorando para criação de joint venture no setor eólico

Em nota, a EDP informa que as duas empresas combinarão seus ativos eólicos offshore e os projetos em desenvolvimento na recém-criada joint venture, que deve estar em operação até o fim de 2019

Câmbio

BC rola mais US$ 1,25 bilhão em leilão linha com compromisso de recompra

Operações foram anunciadas na sexta-feira. Ontem, rolagem também foi de US$ 1,25 bilhão e ainda teremos mais uma operação amanhã

Nada muda (ufa!)

Fitch reafirma rating do Brasil em “BB-“, com perspectiva estável

Nota do País segue limitada pelas fraquezas nas finanças, perspectivas de crescimento fracas, corrupção e um ambiente político turbulento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements