Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
ON versus PN

Dividendo extra dá impulso adicional a ação preferencial da Petrobras na bolsa

No total, a estatal vai pagar R$ 7,1 bilhões em dividendos, mas quem possui ações preferenciais vai receber R$ 0,67 a mais por ação do que os detentores de ações ordinárias

28 de fevereiro de 2019
11:48 - atualizado às 14:18
Petrobras - Imagem: Shutterstock

Depois de fazer as pazes com o lucro depois de quatro anos no vermelho, a Petrobras pode voltar a distribuir dividendos mais polpudos aos acionistas sem perder de vista o controle da situação financeira. Só que os detentores de ações preferenciais (PETR4) têm mais motivos para comemorar do que de papéis ordinários (PETR3).

Junto com o balanço, a Petrobras anunciou uma distribuição extra de R$ 106,7 milhões em dividendos às ações PN, o equivalente a R$ 0,019236 atualizados pela taxa básica de juros (Selic).

O valor foi pago para atender as regras do estatuto da empresa, que prevê uma distribuição mínima de dividendos para ações preferenciais, que não possuem direito a voto.

"Uma empresa endividada como a Petrobras deveria pagar menos dividendo e criar valor. Mas somos obrigados a pagar dividendo mínimo e continuaremos assim", disse hoje o presidente da companhia, Roberto Castello Branco, em teleconferência com analistas.

No total, a estatal vai pagar R$ 7,1 bilhões em dividendos referentes ao lucro deste ano, que somou R$ 25,8 bilhões. Mas quem possui papéis PN vai receber R$ 0,67 a mais por ação do que os que possuem ações ON, que têm direito de voto nas assembleias. Cada ação PN terá direito a R$ 0,9225 e a ON, R$ 0,2535.

Dê preferência à preferencial

"Na nossa visão, o mercado esperava dividendos adicionais para ações ordinárias e esperamos que as ações preferenciais tenham um desempenho melhor que as ordinárias no próximo pregão", escrevem os analistas do Credit Suisse, em relatório a clientes.

Dito e feito. Depois de começarem o dia em alta, as ações da Petrobras acompanharam a piora do mercado e passaram a negociar em queda. Mas as PN tem um desempenho bem melhor, com baixa de 1,48%, cotadas a R$ 26,36, por volta das 14h, enquanto as ON recuavam 4,27%, a R$ 29,68.

Para os analistas do J.P. Morgan, as ações preferenciais da estatal são uma pedida melhor que as ordinárias hoje na bolsa.

Entre as razões da escolha das PN está a recente edição do Decreto nº 9.714, que permitiu ao BNDES vender os papéis ON da empresa diretamente no mercado. Antes da medida, era necessária uma autorização presidencial para a venda das ações com direito a voto. "Esse pode ser um gatilho para o spread [diferença] entre as duas diminuir", escrevem os analistas.

E você, o que acha? Prefere votar nas assembleias da Petrobras mas ter um dividendo menor ou receber uma parcela maior do lucro da estatal? Deixe sua opinião nos comentários abaixo ou lá no meu twitter.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Bitcoin é furada? O que “eles” viram que você ainda não viu?

Enquanto cresce o número de pessoas com medo das criptomoedas, cresce também o número de pessoas e empresas que aprenderam “um novo jeito” de ficar rico com elas.

Tudo sob controle

Líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann minimiza crise com Rodrigo Maia

Deputada afirmou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, está dedicado a “sanar os ruídos”

Seu Dinheiro na sua noite

Está na hora do banho, não de lavar as mãos

Ibovespa terminou a semana em forte queda no dia em que Brasília pegou fogo com a briga entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o governo

Nova pérola do ministro

Guedes, a jornalistas: “não posso falar hoje, parece que o pau está comendo”

Ministro da Economia participou da cerimônia de posse da nova líder da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Paiva Vieira

Empurrando as datas

CCJ da Câmara só anunciará relator da Previdência depois de audiência com Guedes

Audiência do ministro da Economia na comissão está marcada para a terça-feira, 26, às 14h

dia 81

Me dê motivo, para ir embora…

Do Chile, presidente vê Rodrigo Maia deixar articulação pela reforma

Traz o extintor!

Aliados de Bolsonaro tentam apaziguar a guerra entre Rodrigo Maia e o governo

Mourão, Flávio Bolsonaro e Joice Hasselmann fizeram afagos ao presidente da Câmara depois que ele ameaçou sair da articulação pela Previdência

Mais uma compra?

Natura confirma: está em conversas com a Avon

Uma nova gigante do setor de cosméticos pode estar a caminho: a Natura e a Avon estão em negociações

Conta digital

Os bancões que se cuidem! NuConta do Nubank atinge marca de 4 milhões de clientes

Número do Nubank representa mais de 10% do total de correntistas ativos no Itaú, o maior banco privado do país

Rede dividida

Reforma da Previdência cria “guerra” de hashtags no twitter

Em São Paulo, paralisação de cobradores e motoristas atingiu mais de um milhão de pessoas na manhã desta sexta-feira. Um protesto está marcado para acontecer às 17 horas

Tretas do governo

Bola da vez: Maia diz que a responsabilidade de conquistar votos agora será de Jair Bolsonaro

“O papel de articulação do executivo com o parlamento nunca foi e nunca será do presidente da Câmara”, destacou o presidente da Câmara. As informações são do jornal “Folha de S.Paulo”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu