Menu
2019-11-25T17:44:48-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Realizando os lucros

Ibovespa destoa do exterior e cai, mas consegue sustentar os 108 mil pontos

Otimismo no front da guerra comercial dá forças às bolsas globais. O Ibovespa, no entanto, tem dificuldade para acompanhar o exterior após os ganhos firmes dos últimos dias

25 de novembro de 2019
10:24 - atualizado às 17:44
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A segunda-feira (25) é marcada por um clima de otimismo nas bolsas globais: os mercados acionários dos Estados Unidos e da Europa operam em alta e, na Ásia, os principais índices terminaram no azul. Só que, por aqui, o Ibovespa encontra dificuldades para se juntar à festa.

Após chegar a subir 0,20% na abertura e tocar os 108.914,73 pontos, o Ibovespa perdeu força e, por volta de 15h10, recuava 0,24%, aos 108.427,60 pontos. Uma baixa não tão expressiva, é verdade — mas também é fato que estamos na contramão do resto do mundo, que sobe em bloco.

Veja as bolsas americanas, por exemplo: o Dow Jones avança 0,58%, o S&P 500 tem ganho de 0,64% e o Nasdaq opera em alta de 1,09%. Na Europa e na Ásia, o tom foi igualmente positivo, com as principais praças acionárias aparecendo no azul.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Todo esse otimismo no exterior se deve às esperanças renovadas no front da guerra comercial entre EUA e China. Autoridades chinesas disseram esperar que o acordo entre as potências tenha como base o "respeito mútuo", afirmando que o país segue disposto a fechar um acerto preliminar.

Por mais que a assinatura dessa primeira fase do acordo ainda neste mês pareça improvável, há a perspectiva de que, ao menos, a nova rodada de tarifas impostas pelo governo americano às importações chinesas – prevista para começar no meio de dezembro – seja adiada.

A expectativa foi reforçada pela notícia de que a China pretende elevar as punições sobre violações de propriedade intelectual, uma das principais demandas dos EUA nas negociações. Essa informação, assim, dá forças aos ativos globais nesta manhã, provocando um alívio generalizado nas bolsas.

Mas, então, por que o Ibovespa não consegue pegar carona no otimismo global? Bem, é importante ressaltar que o índice brasileiro vem de uma sequência bastante positiva, com altas de mais de 1% em dois dias consecutivos — ao fim da semana passada, o índice acumulou ganhos de 2%.

Assim, por mais que o tom no exterior seja de tranquilidade e otimismo, o recente rali na bolsa brasileira faz com que os ativos domésticos exibam pouco fôlego nesta segunda-feira. No entanto, por mais que o índice não acompanhe os ganhos vistos lá fora, ele também não cede a um movimento mais amplo de realização de lucros.

O dólar à vista fechou em alta de 0,52%, a R$ 4,2145, e atingiu um novo recorde de encerramento. Você pode ler mais sobre a dinâmica do mercado de câmbio e juros nesta segunda-feira clicando aqui.

Altas e baixas

Ações de frigoríficos, mineradoras e siderúrgicas aparecem entre as principais altas do Ibovespa nesta segunda-feira, impulsionadas pelo noticiário referente à China e à perspectiva de aumento nas importações pelo gigante asiático. Por outro lado, os papéis dos bancos e da Petrobras caem e trazem pressão ao índice.

Você pode ver um resumo das principais altas e baixas do Ibovespa nesta matéria. Veja abaixo quais os destaques positivos do índice:

  • JBS ON (JBSS3): +8,66%
  • Marfrig ON (MRFG3): +6,08%
  • BRF ON (BRFS3): +5,63%
  • Qualicorp ON (QUAL3): +3,74%
  • Cielo ON (CIEL3): +3,59%

E os destaques negativos desta sessão:

  • B3 ON (B3SA3): -3,27%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -2,69%
  • Magazine Luiza ON (MGLU3): -2,22%
  • Itaúsa PN (ITSA4): -1,90%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): -1,45%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DE OLHO NO CHURRASCO

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV

Em meio ao aumento das exportações para a China por causa do impacto da peste suína africana (PSA) naquele país, a inflação das carnes foi destaque na aceleração, tanto no atacado quanto no varejo

Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

a conta do benefício

Gigantes do Vale Silício deixam de pagar US$ 100 bilhões em impostos em uma década

Seis das principais empresas do Vale do Silício têm se beneficiado de estruturas governamentais ainda não preparadas para lidar com os serviços oferecidos por elas. Amazon, Facebook, Google, Netflix, Apple e Microsoft — cujo valor de mercado somado é de R$ 4,5 trilhões — deixaram de pagar ao menos de US$ 100,2 bilhões em impostos […]

OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W, após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

Vitreo zera taxa de performance de fundos para investir no IPO da XP

Com a decisão, a Vitreo se tornou, na minha opinião, a melhor forma de você investir nas ações da XP. Resta agora saber se a gestora conseguirá participar da oferta, que acontece na bolsa norte-americana Nasdaq

banco central americano

Ex-presidente do Fed, Paul Volcker morre aos 92 anos

Volcker foi presidente do Fed entre 1979 e 1987 e, antes disso, havia comandado o a distrital do Fed de Nova York

Credit Suisse recomenda compra de ação do BMG após queda de 28% desde IPO

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO – iniciaram a cobertura das ações do BMG com preço-alvo de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50%

de olho no dólar

Fundo Verde vê medo do câmbio como infundado, mas zera posição vendida em dólar

Em novembro o fundo teve um retorno zerado e abaixo do CDI, que teve um desempenho de 0,38%. No acumulado do ano o Verde ainda tem um desempenho de 11,19%, acima dos 5,57% do índice de referência

Mercados hoje

Ibovespa tem leve alta e dá continuidade ao rali dos últimos dias; dólar fica estável

O Ibovespa abriu o pregão desta segunda-feira em alta, dando continuidade aos ganhos da semana passada. O dólar à vista oscila perto do zero a zero, com um leve viés negativo.

hora do planejamento

Após reforma da Previdência, brasileiro revê hábitos de poupança

Pesquisa encomendada pelo C6 Bank ao Ibope Inteligência mostra que 33% das pessoas com acesso à internet afirmam ter mudado seus hábitos de poupança

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements