Menu
2019-10-28T13:41:49+00:00
vai mudar

Congresso e governo querem ‘forçar’ Estados a aderir à nova Previdência

Proposta que está sendo costurada pela equipe econômica e pelo presidente da Frente Parlamentar Mista do Pacto Federativo prevê estímulos para governadores e prefeitos que aderirem às novas regras

28 de outubro de 2019
13:41
Paulo Guedes
Imagem: Washington Costa/Ministério da Economia

Passada a batalha da reforma da Previdência, que mudou a aposentadoria para os servidores públicos federais, governo e Congresso começam a traçar estratégias para forçar Estados e municípios a também apertarem as regras para os seus funcionários. A proposta que está sendo costurada pela equipe econômica e pelo deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), presidente da Frente Parlamentar Mista do Pacto Federativo, chamada de Lei da Responsabilidade Previdenciária, prevê estímulos para governadores e prefeitos que aderirem às novas regras da Previdência aprovadas na semana passada.

A ideia inicial defendida pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, sempre foi de que as mudanças propostas para a Previdência valessem também para Estados e municípios. Mas, para que isso acontecesse, os parlamentares cobravam que governadores e prefeitos encampassem e defendessem em público as reformas. Como essa defesa nunca foi uma unanimidade, deputados e senadores acabaram aprovando as mudanças apenas para os servidores federais.

Uma nova proposta de emenda à Constituição levando as modificações também para Estados e municípios começa a tramitar no Senado. Mas há muitas dúvidas se será realmente viável sua aprovação. Por isso, governo e Congresso tentam achar uma forma para que governadores e prefeitos façam as mudanças por conta própria.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A Lei de Responsabilidade Previdenciária, prevista para ser apresentada em novembro, deve estabelecer, por exemplo, um prazo para que Estados e municípios formulem um plano de equacionamento do déficit atuarial de seus sistemas de aposentadoria. Quem não aderir à reforma aprovada no Congresso, terá apenas um ano para apresentar essa estratégia. Quem aderir, ganha mais tempo.

Quando há déficit atuarial, significa que todas as arrecadações futuras da Previdência serão insuficientes para bancar os benefícios previstos (já concedidos ou que serão pagos a quem ainda está na ativa). Estudo do Tribunal de Contas da União (TCU) mostra que faltariam R$ 4,7 trilhões aos Estados e municípios caso eles tivessem de desembolsar hoje todas as aposentadorias e pensões devidas. Em 2018, governos estaduais tiveram um rombo de R$ 101 bilhões em suas Previdências.

Um plano de equacionamento pode incluir um cardápio de medidas que vão desde o aporte de ativos (como imóveis, terrenos) até a elevação de alíquotas de contribuição (dos servidores ou patronal). Algumas prefeituras chegam a pagar mais de 20% de alíquota extraordinária para cobrir desde já o rombo futuro. "Quem aderir (à reforma) terá tratamento diferenciado", diz Costa Filho.

A implementação dos planos será acompanhada pelo Conselho Nacional Previdenciário, órgão a ser criado pelo projeto. Nele haverá representantes das administrações públicas federal, estaduais e municipais e de seus servidores, além dos Tribunais de Contas. O Conselho Nacional de Secretários de Fazenda também poderá ganhar um assento no órgão deliberativo.

Prêmio

A intenção, segundo o autor do projeto, é premiar quem ajustar sua Previdência. Pela proposta, a situação de equilíbrio será recompensada com possibilidade de vender os direitos sobre créditos tributários (na chamada "securitização") ou até flexibilizar seu endividamento. Também haverá uma "nota" de classificação da situação previdenciária, que pode servir de vitrine para investidores.

"É como ir ao banco e receber um cartão com limite maior que o mau pagador. Vai gerar concorrência. Vai estimulando aquele que quer de fato trabalhar", diz o deputado.

Eventuais punições para quem deixar de fazer o plano de equilíbrio serão discutidas mais à frente, afirma Costa Filho. "Não quero fazer uma perseguição a Estados e municípios. Queremos que o bom gestor tenha benefícios da União. Os entes que não aderirem de certa forma vão perdendo, como uma nota de crédito, e começa a acender a luz amarela e vermelha. Isso prejudica o Estado em vários aspectos", diz.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

dia de baixa

Ações da Tesla caem forte após companhia apresentar picape elétrica

Modelo futurista Cybertruck deve custar pelo menos US$ 39,9 mil; nesta sexta-feira, os ativos da montadora caíam quase 6%, mas já subiram 39% desde o balanço

Análise

Qual impacto do churrasco na Selic?

Alta no preço da carne ainda não teria força para barrar queda da Selic, mas reforça discurso de cautela do Banco Central

fala ministro

Guedes defende acabar com imposto sobre folha de pagamentos

Em evento, ministro da Economia destacou que a aprovação da reforma da Previdência derrubou a primeira torre de descontrole de gastos no País

clima de otimismo

Um dos maiores terminais de contêineres da América Latina, Santos Brasil inicia investimento de R$ 1 bilhão

Mesmo com uma reação tímida da economia, terminal prevê crescimento; expectativa é que chegue a 1,8 milhão de contêineres ao fim de 2019

Fundo sustentável

Este robô de investimentos investe em Tesla, Beyond Meat e outras empresas “verdes” para você

Gestora Warren, que monta carteiras de investimento para pessoas físicas com base em inteligência artificial, acaba de lançar fundo de investimento em ações de empresas sustentáveis no Brasil e no exterior

Hora do acordo?

Acordo com a China está muito perto, diz Trump

Situação na região autônoma de Hong Kong é o mais recente tema de tensão entre Washington e Pequim, depois que o Congresso americano aprovou um projeto de lei em apoio às manifestações

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

de olho no gráfico

Bitcoin e outras sete criptomoedas para ficar de olho

Neste vídeo, abordo a tendência de ativos como Augur, Stellar e Vechain; além disso, dou minha opinião sobre o potencial do bitcoin como moeda mundial

IPCA-15

Prévia da inflação fica em 0,14% em novembro, segundo o IBGE

Resultado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados na pesquisa do Projeções Broadcast, cujo intervalo ia de 0,09% a 0,31%, porém veio abaixo da mediana positiva de 0,16%.

Recuperação

Ibovespa opera em alta e ronda os 108 mil pontos; dólar cai a R$ 4,18

Declarações mais amenas do presidente dos EUA, Donald Trump, em relação às negociações com a China dão ânimo aos mercados globais e fortalecem o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements