Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Cenário atual favorece manutenção da Selic em 6,5% agora em outubro

Queda acentuada do dólar e dos juros futuros podem dar mais tempo para o Banco Central avaliar comportamento da inflação e expectativas

8 de outubro de 2018
11:35 - atualizado às 12:15
Edifício-sede do Banco Central, em Brasília - Imagem: Rodrigo Oliveira/Caixa Econômica Federal - Flickr/BCB

A queda acentuada do dólar no pregão desta segunda-feira se reflete também nos contratos futuros de juros e aumenta a chance de termos Selic em 6,5% ao ano por mais algum tempo. Quadro também favorece investidor de NTN-Bs.

A resposta do mercado às urnas é bastante positiva, já que a avaliação prevalente é de que Jair Bolsonaro, tido como mais comprometido com ajustes e reformas, será o vencedor do segundo turno que acontece em 28 de outubro.

A recente comunicação do BC tinha endurecido o tom, indicando que o futuro da taxa básica de juros dependeria do comportamento do dólar, que chegou a testar os R$ 4,20, em função da incerteza com relação às eleições, e da continuidade de reformas, notadamente no lado fiscal.

O próximo encontro do BC é no dia 31 de outubro, com presidente já definido e reposta do mercado às urnas também. Mas olhando o quadro atual, com o dólar voltando abaixo de R$ 3,80, certamente as projeções para inflação têm uma descompressão, dando mais tempo para o BC avaliar o cenário antes de reduzir a quantidade de estímulo monetário na economia. A última reunião do ano acontece em 11 e 12 de dezembro.

Falo em mais tempo para o BC avaliar, pois outros fatores, como recuperação da atividade doméstica e cena externa, não permitem descartar por completo um cenário de Selic mais elevada à frente. O que se ganha, por ora, é uma postergação do movimento de alta.

Olhando as últimas projeções apresentadas, com dólar a R$ 4,15 e Selic a 6,5%, o IPCA estava marcando 4,5% em 2019, escapando da meta de 4,25% ao ano.

O boletim Focus desta semana mostrou uma breve piora nas expectativas para 2018 e 2019, provavelmente captando o IPCA de setembro de 0,48%, teto das expectativas. A boa notícia veio para prazos mais longos, com 29 instituições prevendo IPCA de 3,75% para 2021, algo que não tinha acontecido desde que a meta do ano tinha sido fixada. Tal movimentação pode ser vista como ganho de credibilidade do BC. O mercado segue com Selic de 6,5% neste ano e 8% em 2019.

Tesouro Direto

Quando o BC tinha acenado a chance de alta de juros, falamos aqui das oportunidades no mercado de títulos do Tesouro. Entre as recomendações estava a compra de Tesouro IPCA, as Notas do Tesouro Nacional Serie – B (NTN-B) de prazo mais longo. A avaliação era de que o prêmio pedido, que rondava a linha dos 6%, estava atraente, visto que qualquer aceno com relação à continuidade de ajustes e reformas poderia fazer essa taxa cair, promovendo firme valorização nos títulos. A ideia era o investido não carregar até o vencimento.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também

Quem é a Pi

Somos uma plataforma aberta de investimentos formada por um time com pessoas de diferentes perfis, unidos por um único propósito: ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente. #Simples, porque temos uma loja de investimentos 100% digital a sua disposição mesmo antes de você abrir a conta; #Seguro […]

Tem que mudar isso aí!

Líderes de 13 partidos divulgam documento de apoio à Previdência, mas sem BPC e aposentadoria rural

Partidos que, juntos, somam 291 deputados também querem barrar proposta que retira da Constituição algumas regras para concessão e cálculo de benefícios

Olha a bomba!

Líderes de partidos na Câmara concordam em votar PEC que aumenta o poder do Congresso sobre o Orçamento

Projeto de 2015 foi ressuscitado pelos deputados em meio à crise política com o governo e pode ir a plenário já nesta terça-feira

Turma preocupada

Governadores alertam Guedes sobre a condução da reforma da Previdência

Líderes estaduais afirmam que a reforma da Previdência é uma condição de sobrevivência para União, Estados e municípios

Foi por pouco!

Ausente da CCJ, Guedes apanha, mas não será convocado

Ministro da Economia cancelou participação em audiência pública e virou alvo da oposição, mas deputados fecharam acordo para que Guedes compareça à comissão na quarta-feira da próxima semana como convidado

Agora vai?

Empresário deve assumir a comunicação do governo Bolsonaro

Mudança ocorre em meio ás críticas de que a comunicação do Planalto não “desenrolou” e que “já é abril e nada avançou”

DE OLHO NO GRÁFICO

Bull trap no ibovespa e S&P – Proteja-se

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Negócio de gigante

Uber compra Careem, sua rival no Oriente Médio, por US$ 3,1 bilhões

Negócio vai permitir que a Uber amplie sua influência na grande região que vai do Marrocos ao Paquistão

Tá feia a coisa

Avianca faz audiência para devolver aeronaves após eliminar rotas e fechar bases operacionais

Empresa justifica que as mudanças fazem parte de um processo de readequação das operações e redução da frota

De bem com o governo?

Maia volta ao time defensor da Previdência e se diz “preocupado com o Brasil sem reforma”

Presidente da Câmara defendeu o ministro Paulo Guedes após ele ter cancelado a participação na Comissão de Constituição e Justiça

Debate da reforma da Previdência

Oposição começa a recolher assinaturas para obrigar Paulo Guedes a comparecer à CCJ da Câmara

Iniciativa para convocar o ministro da Economia acontece após ele ter dar um “bolo” na comissão nesta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu