Menu
2019-05-12T13:31:34+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Alô, alô dinheiro

Brasil possui 49 bilionários que acumulam uma fortuna de US$ 154 bilhões

Na lista dos 15 países no mundo com maior número de pessoas que possuem mais de R$ 1 bilhão, país está na 12º posição, a frente da Itália, Singapura e Canadá

12 de maio de 2019
13:31
Pessoa conta notas de dinheiro de 100 reais
Dinheiro - Imagem: Shutterstock

Das 15 nações que dominam a população de bilionários no mundo, o Brasil está na 12º posição, com os seus 49 bilionários que detém a modesta quantia de US$ 154 bilhões. Os dados fazem parte do estudo Wealth-X's 2019 Billionaire Census Report, divulgado na última semana.

Apesar de estarmos à frente de nações como Singapura, Canadá e Itália, nosso país sofreu uma queda de quase 4% no número de pessoas que possuem mais de US$ 1 bilhão. E não foi só isso. Tivemos uma baixa também em termos de fortuna. Por aqui, a baixa na fortuna dos bilionários foi de mais de 10%.

 

Mesmo com a queda, uma megalópole brasileira foi uma das únicas a subir no ranking das cidades em que há mais bilionários. Segundo o último relatório, apenas São Paulo e Los Angeles aumentaram o número de pessoas que possuem acima de US$ 1 bilhão de 2017 para 2018.

A capital paulista ficou na 12º colocação com seus 13 bilionários. A alta no número está ligada a queda da cidade de Istambul, que sofreu com a depreciação de sua moeda no ano passado contra o dólar americano e com a queda nos preços de ativos em 2018.

Bilionários no mundo

Mas a baixa no número de bilionários não ocorreu apenas aqui. Segundo o estudo, a população total de bilionários no mundo diminuiu em 5% e passou a ser de 2,604. É a segunda vez que em que há uma baixa anual desde a crise de 2008.

Outra coisa que diminuiu foi a fortuna dos bilionários no mundo. Do ano passado para cá, a queda foi de 7% e a fortuna deles fechou em US$ 8,6 trilhões. As razões para a baixa estão relacionadas ao acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, o que pesou sobre a demanda por toda a Ásia.

Além disso, o fato de que a maior parte dos bancos centrais ao redor do mundo continuou com uma política de queda gradual dos juros prejudicou as condições de liquidez global.

Houve também um fortalecimento do dólar. Isso ocorreu porque houve uma intensificação dos fluxos de capital dos mercados emergentes para economias mais desenvolvidas. Os motivos foram a alta volatilidade das moedas e um movimento de aversão ao risco, já que as taxas de juros norte-americanas estavam muito baixas.

Outro fator que pesou foi a instabilidade política, com o avanço do sentimento anti-imigração, um processo tortuoso e complexo de Brexit e uma mudança de governo voltada mais para o lado populista na América do Sul, além da intensificação das tensões entre Arábia Saudita e Irã.

Os poderosos

Na contramão do resto do mundo, os Estados Unidos foram o único país a registrar um aumento em sua população de bilionários. Por conta do crescimento econômico na região, houve um aumento de mais de 3%. O número de bilionários no país passou para 705 e a fortuna deles chegou a marca de US$ 3,013 trilhões.

De acordo com o estudo, os norte-americanos possuem cerca de 27% da população global de bilionários e detém 35% da fortuna de todas as pessoas com mais de US$ 1 milhão no mundo.

Em sua justificativa, a organização responsável pela pesquisa disse que os Estados Unidos não ficaram imunes ao desempenho pior dos mercados, mas que os ativos de renda variável norte-americanos performaram além da média do mercado ao compararmos com o desempenho desses ativos em outros países desenvolvidos.

A pesquisa destaca ainda que o crescimento robusta nas receitas das empresas foi outro fator que contribuiu para o bom ano. Aliado a isso, Trump fez o corte de impostos e a demanda doméstica se manteve sólida durante 2018. Mesmo assim, por lá, a fortuna dos bilionários sofreu uma queda de 5%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Vem que vem!

Banco N26, o “Nubank alemão”, levanta mais US$ 170 mi e diz que o seu próximo destino pode ser o Brasil

Com isso, ele elevou o seu valor de mercado para US$ 3,5 milhões e passou a figurar entre as startups europeias mais valiosas e entre as dez principais fintechs do mundo

De volta para o dono

Lava Jato recupera mais R$ 67 mi no exterior

Os valores foram transferidos para contas judiciais vinculadas ao processo e integram os mais de R$ 13 bilhões que são alvo de recuperação pela Lava Jato ao longo de cinco anos de operação, destaca a Procuradoria

Seu Dinheiro na sua noite

O herói improvável

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

A hora é agora

Como consultar o seu saldo do FGTS

Medida que injeta até R$ 30 bilhões na economia deve ser anunciada na próxima semana. Saiba como consultar o seu saldo do FGTS

Novidades na prateleira

RCI Brasil, das montadoras Renault e Nissan, passa a oferecer CDB com liquidez diária e rentabilidade de 102% do CDI

A desvantagem é que o valor inicial de aplicação do investimento é um pouco alto. No caso do Banco Sofisa, por exemplo, o valor inicial de aplicação é de R$ 1. Já no Inter e no C6 Bank, a aplicação inicial é de R$ 100

Aos números

Economia com reforma da Previdência após 1º turno fica em R$ 914,3 bilhões

Impacto fiscal ao longo de 10 anos sobe a R$ 933,5 bilhões, considerando aumento CSLL sobre os bancos. MP de fraudes pode render outros R$ 200 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements