Menu
2019-05-29T09:47:19+00:00
Novidades no radar

Brasil e China concordaram em reforçar intercâmbios, diz Mourão

Durante a sua viagem à China, Mourão falou com investidores chineses e também retomou as reuniões da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban)

29 de maio de 2019
9:47
Hamilton Mourão e Xi Jinping
Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, durante Audiência com o Presidente da República popular da China, Senhor Xi Jinping. - Imagem: Adnilton Farias/VPR/ Agência Brasil

O vice-presidente Hamilton Mourão disse que o país conseguiu passar sua mensagem à China sobre a importância do aprofundamento dos laços comerciais entre os dois países. De acordo com Mourão, os dois países concordaram em reforçar intercâmbios e cooperação em vários campos, promover a facilitação do comércio, otimizar a estrutura comercial e promover o crescimento da alta qualidade do comércio bilateral.

Durante a sua viagem à China, Mourão falou com investidores chineses e também retomou as reuniões da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), ao lado do vice-presidente chinês, Wang Qishan, em Pequim. A comissão, instituída em 2004 e parada desde 2015, é o principal mecanismo de coordenação da relação bilateral entre o Brasil e a China e é comandada pelos vice-presidentes dos dois países.

“A viagem tinha dois objetivos primordiais: o primeiro era passar a mensagem do governo brasileiro ao governo chinês da nossa firme vontade de aprofundar o relacionamento entre os dois países e isso foi obtido de forma muito contundente”, disse Mourão em entrevista aos veículos de comunicação da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). “A outra seria fazer uma nova leitura da Cosban que estava parada e, ao realizar essa reunião com menos de seis meses de governo, nós mostramos ao governo chinês a disposição do governo brasileiro de manter a comissão como um mecanismo de mais alto nível de ligação entre os dois países”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Novo Banco de Desenvolvimento

Mourão disse que, entre outros assuntos, foram discutidos temas como a aprovação de frigoríficos brasileiros para exportação, a fabricação e venda de aviões da Embraer e o mercado de sementes geneticamente modificadas. Também foi debatida a necessidade de se aprofundar os debates na área de infraestrutura, com uma possível criação de uma subcomissão de infraestrutura na comissão.

Sobre este último ponto, Mourão voltou a defender a necessidade de o Brasil utilizar mais os recursos do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), criado pelo Brics (grupo de países formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) em 2015, para financiar projetos de infraestrutura no país. O tema já foi debatido com as pastas da Infraestrutura e Desenvolvimento Regional.

Uma das ideias é utilizar a Empresa de Projetos de Logística (EPL) para intensificar a formatação dos projetos incluídos no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) para buscar financiamento junto ao banco. Segundo Mourão, o Brasil dispõe de uma linha de crédito de US$ 2 bilhões, mas até o momento só utilizou cerca de US$ 600 milhões.

“Temos uma linha de crédito boa no banco e não estamos utilizando porque estamos sem projetos consistentes para isso. É importante tomar conhecimento disso e poder conversar com as nossas áreas de projetos aqui, dos ministérios da Infraestrutura e do MDR [Desenvolvimento Regional], que são as áreas que o banco pode financiar”, disse.

Ainda de acordo com o vice-presidente, os países que formaram o banco estão buscando novos integrantes para compor a carteira do NDB. “Temos a ideia de convidar outros países da América Latina, como o Chile..., a Argentina está vivendo uma situação difícil, mas o Peru, a Colômbia poderiam participar e alguns países da América Central também”, disse.

Guerra comercial

Questionado como estava vendo o desdobramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, Mourão disse que o Brasil tem que adotar uma postura pragmática. "O Brasil tem que ter uma posição flexível em relação a isso, nem se agarrar demais em um, nem em outro, tem que adotar uma posição pragmática", disse.

O vice-presidente chegou à China no último domingo (19) e permaneceu até sexta-feira (24). Em sua agenda, além da reunião da Cosban, Mourão teve compromissos em Pequim e Xangai, com destaque para uma audiência com o presidente Xi Jinping. A viagem também serviu como preparativo para a visita do presidente Jair Bolsonaro ao país asiático. O encontro tem previsão de ocorrer em agosto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

tendência

Marfrig vai exportar carne vegetal para ao menos quatro países

Companhia brasileira anunciou no início de agosto a produção e comercialização de produtos à base de proteína vegetal, numa parceria com a americana ADM

preço da violência

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

unicórnio vai à bolsa

Startup de escritórios compartilhados WeWork reduz poderes do CEO

Prestes a estrear na bolsa, a WeWork enfrenta a preocupações de investidores por conta de seu modelo de negócio.

olha a dupla aí

Com IPO da C&A e avanço da Amazon, mercado espera aceleração de investimentos no varejo

Especialistas avaliam a oferta pública inicial de ações da rede de lojas de vestuário e a escalada da varejista fundada por Jeff Bezos

novela com o bilionário

Executivo das criptomoedas pagou US$ 4,6 milhões por almoço com Warren Buffett – mas encontro pode não acontecer

CEO da Tron, Justin Sun, venceu leilão beneficente que promove um encontro com o lendário investidor, mas história teve desdobramentos inesperados

olhos lá na frente

Mineradora tem projeto de R$ 9,1 bi com megabarragem no Norte de MG

Projeto prevê uma das maiores barragens de rejeitos do País, mas é condenado por entidades como o Movimento dos Atingidos por Barragens; empresa afirma que o modelo é seguro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements