Menu
2019-08-24T09:45:14+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
acusação de jornal

Amazon vende milhares de produtos irregulares nos EUA

Wall Street Journal diz que identificou na loja online brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças

24 de agosto de 2019
9:28 - atualizado às 9:45
amazon
Em postagem em seu blog, a Amazon afirmou exigir dos vendedores que os produtos oferecidos em sua plataforma estejam de acordo com "regulações e leis relevantes". Imagem: Shutterstock

A varejista americana Amazon está vendendo em sua plataforma milhares de produtos sem certificação de segurança ou aprovação das autoridades regulatórias dos Estados Unidos, disse o Wall Street Journal.

Ontem, as ações da companhia de Jeff Bezos (AMZN) negociadas na Nasdaq fecharam cotadas a US$ 1749,62, numa baixa de 3,10%. Veja como foi o dia dos mercados.

A publicação diz que identificou, dentro da loja online, mais de 4 mil produtos irregulares, incluindo brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Também foram encontrados produtos declarados como inseguros por agências federais, itens sem rótulos e até mercadorias banidas por reguladores - entre eles, há o caso dos hoverboards (skates elétricos), febre há alguns anos nos EUA e no Brasil, segundo o jornal.

Em postagem em seu blog, a Amazon afirmou exigir dos vendedores que os produtos oferecidos em sua plataforma estejam de acordo com "regulações e leis relevantes". A empresa também disse que usa ferramentas automatizadas para identificar itens irregulares.

A vasta maioria dos produtos não era vendida diretamente pela Amazon, mas sim por lojas terceiras que usam a plataforma da Amazon - legalmente, a empresa não é responsável pelos itens de lojistas vendidos no marketplace, nome dado ao serviço da plataforma que permite que terceiros comercializem produtos.

Exemplo

Um caso em junho de 2018 tornou-se um marco em relação ao tema: um hoverboard comprado no site da Amazon explodiu e incendiou a casa de uma família. A empresa não sofreu nenhum tipo de punição. "O papel da Amazon na transação era fornecer um mecanismo para facilitar a troca entre a parte interessada em vender o produto e o indivíduo que procurava comprá-lo", escreveu o juiz responsável pelo caso.

A investigação do jornal americano, porém, mostra a dificuldade da Amazon em fiscalizar milhões de fornecedores que expõe produtos em seu site. De acordo com o Wall Street Journal, após a reportagem, a Amazon removeu ou mudou a descrição de pelo menos metade dos produtos ilegais ou problemáticos.

A empresa disse ainda que usa sistemas de tecnologia para bloquear anúncios ilegais ou que não estejam em conformidade com suas regras. "Em 2018, nossos times bloquearam mais de 3 bilhões de anúncios suspeitos, antes mesmo que eles tenham chegado à loja", publicou a empresa em seu blog oficial, em resposta à reportagem do Wall Street Journal.

Não é a primeira vez, porém, que a Amazon tem problemas com seu serviço de parcerias: investigações anteriores levantaram que também havia produtos malfeitos, tóxicos ou com potencial de dano aos consumidores na plataforma.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

tensão

Preços do petróleo disparam após ataques na Arábia Saudita

Duas grandes refinarias da empresa petrolífera Aramco foram atacadas no último sábado, 14; oferta de petróleo no mundo pode sofrer uma queda de até 5%; neste domingo, contratos futuros chegaram a saltar 19%

após ataques

Petroleira saudita diz que pretende retomar um terço da produção até esta segunda

As atividades da Aramco, a estatal saudita, foram interrompidas devido a um ataque contra suas unidades no último sábado 14

guerra comercial

‘O objetivo de Washington é usar bullying e pressão’, diz embaixador da China no Brasil

Para Yang Wanming, comércio entre Brasil e China tende a sofrer no médio e longo prazos; ele diz que a guerra comercial arruinou a confiança do mercado internacional

a hora e a vez da americana

O que a Amazon, de Jeff Bezos, quer no Brasil?

Gigante varejista dos Estados Unidos avança no Brasil com lançamento do serviço Prime, mas o que isso significa para o setor do varejo e a concorrência?

tendência

Marfrig vai exportar carne vegetal para ao menos quatro países

Companhia brasileira anunciou no início de agosto a produção e comercialização de produtos à base de proteína vegetal, numa parceria com a americana ADM

tensão

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements