Menu
2019-06-04T12:26:16+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Eita, situação complicou!

Acionistas do Facebook querem trocar Zuckerberg por ‘figura independente’ como presidente do conselho – mas ele não vai deixar

Na ocasião, mais de 68% dos sócios com direito a voto e que não possuem participação no quadro de gestão da empresa votaram por retirar o atual presidente do quadro de presidente do conselho da empresa, que ele também faz parte

4 de junho de 2019
11:07 - atualizado às 12:26
mark-zuckerberg
Mark Zuckerberg - Imagem: Shutterstock

Depois de muita polêmica e escândalos envolvendo o Facebook no ano passado sobre o vazamento de dados para criação de perfis de eleitores, um dos maiores de sua história, a assembléia geral dos acionistas da empresa na última quinta-feira (30) quis dar um novo recado para Mark Zuckerberg, atual CEO da empresa.

Na ocasião, mais de 68% dos sócios com direito a voto e que não possuem participação no quadro de gestão da empresa votaram por retirar o atual presidente do quadro de presidente do conselho, - que ele também faz parte -, e por colocar uma "figura independente" no lugar.

Ainda que a medida não tenha sido aprovada, a votação mostra que a "batata de Zuckerberg está assando". Na última reunião, o percentual de investidores que haviam votado por medida parecida havia sido de 51%, o que mostra um aumento das insatisfações com o atual CEO.

O "quase dono de tudo"

O problema é Zuckerberg possui a maioria do controle sobre a companhia porque é dono de ações de classe B, que garantem 10 votos por papel. Na prática, ele detém mais de 75% das ações de classe B, o que significa que ele tem 60% do poder de voto dentro da empresa.

Outro ponto desfavorável aos acionistas é que por lá apenas diretores e gerentes possuem ações de classe B. Ou seja, se eles forem contra as propostas dos demais acionistas, a palavra final acaba sendo do quadro de diretores, que é formado por mais três pessoas, Dave Wehner, Mike Schroepfer e Sheryl Sandberg.

Hoje, a empresa oferece apenas ações de classe A para quem está fora do quadro de presidente, diretores e de gerentes da companhia. O ponto é que as ações desse tipo garantem apenas um voto por ação. Por isso, outra medida que entrou em votação na última assembleia envolve justamente mudanças nesse quadro.

A ideia dos acionistas era fazer com que as ações de classe B fossem eliminadas, o que poderia reduzir o poder de Zuckerberg e dos demais diretores sobre a companhia. Apesar de 83.2% dos acionistas terem votado a favor, a medida não foi aprovada porque o conselho não foi favorável.

Problemas de governança

E isso pode ter consequências mais sérias no futuro. Afinal, o fato de os acionistas não estarem sendo ouvidos representa um grave problema de governança corporativa, já que ele desempenha função de presidente do conselho e de diretor executivo.

Na visão de alguns analistas ouvidos pelo site Business Insider, os investidores mandaram um recado claro para os responsáveis pela gestão do Facebook.

Segundos os especialistas, os acionistas estão descontentes e querem mudanças porque um nível de votação alto como esse para decidir sobre mudanças na estrutura de ações é bastante incomum.

No acumulado do ano, as ações do Facebook (FB) apresentam alta de mais de 23%. Por volta das 11h10, os papéis da companhia estavam cotados em US$ 161,69, uma queda de 1,50%.

Vazamento de dados

O descontentamento com as atitudes do CEO e com a forma com que a empresa tem sido governada está bastante relacionado a forma com que o presidente da companhia lidou com a série de escândalos envolvendo a interferência nas redes sociais e a polêmica com a empresa Cambridge Analytica.

Na época, as alegações de uso indevido de dados de usuários do Facebook pela Cambridge Analytica, que foi contratada pela campanha do atual presidente Donald Trump em 2016, levaram a várias investigações nos Estados Unidos e na Europa. Os problemas começaram a ser divulgados no começo do ano passado e depois a consultoria britânica encerrou as atividades.

E, na última sexta-feira (31), a empresa foi obrigada a prestar novos esclarecimentos. Na ocasião, um juiz dos Estados Unidos ordenou que o Facebook entregue e-mails de acionistas e outros registros para mostrar como a empresa tratou com a privacidade de dados, depois que informações de 87 milhões de usuários foram acessadas pela consultoria britânica Cambridge Analytica.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De volta à velha política

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

Presidente foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas seria a única forma de aprovar reformas

Grandes planos

“Vamos lançar nosso banco digital em mil lojas antes da Black Friday”, diz CEO da Via Varejo

Roberto Fulcherberguer tem trabalhado para que o sistema de vendas pela web esteja tinindo para a próxima Black Friday

Passou!

Centauro aprova plano de outorga para opção de compra de ações neste ano

Plano prevê que a quantidade máxima de ações vinculadas será de 7.943.848

Seu Dinheiro no domingo

Quanto rendeu o Seu Dinheiro em um ano?

Você sabe quanto o Seu Dinheiro rendeu em um ano? Não estou falando aqui do montante que você tem aplicado no banco. Mas do Seu Dinheiro mesmo, esse projeto independente de jornalismo e educação financeira que eu coordeno junto com a Olivia Alonso e que tem um time de feras como o Vinícius Pinheiro, o […]

Olhe e copie

5 coisas inteligentes que pessoas com consultores financeiros fazem com o próprio dinheiro que lhes dão uma vantagem

Nem todos querem ou podem pagar um planejador financeiro próprio. Mas que tal dar uma espiada no que eles andam aconselhando?

Enquanto isso, na Assembleia da ONU...

Promessa de ‘afagos’ teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

No pacote de gestos, a expectativa de auxiliares do Planalto é que Bolsonaro sente-se próximo de Trump

Poucos amigos

Major Olímpio diz que há estratégia no Congresso para desgastar Bolsonaro

Senador afirmou que parlamentares “votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos”

Série: os mais ricos do Brasil

Abilio Diniz: um bilionário bom de briga

Ele transformou a pequena doceria do pai na maior rede varejista do país e aos 82 anos continua na ativa

Papo de poder

Maia conversa com Bolsonaro sobre pauta de votações da Câmara para próxima semana

Entre os itens da pauta está o projeto de lei que trata do registro, posse e comercialização de armas

Após operação da PF

Governo Bolsonaro já avalia substituto para líder no Senado

Dois nomes cogitados para ocupar o cargo de Fernando Bezerra Coelho devem ser discutidos por aliados com o presidente quando ele retornar dos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements