🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Dá o play!

Os fundos de renda fixa com ‘dupla isenção de IR’: uma conversa sobre FI-Infras com Aymar Almeida, gestor da Kinea

O podcast Touros e Ursos recebe o gestor do KDIF11, maior e mais antigo fundo de debêntures incentivadas com cotas negociadas na bolsa brasileira, para falar sobre a perspectiva para os FI-Infras

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
30 de junho de 2024
11:00 - atualizado às 14:43
Aymar Almeida, gestor do KDIF11, FI-Infra da Kinea
Aymar Almeida, gestor do KDIF11, FI-Infra da Kinea. - Imagem: Divulgação

Os investimentos isentos de imposto de renda, principalmente os de renda fixa, têm um lugar especial no coração do investidor pessoa física brasileiro. E, nessa seara, os FI-Infras, fundos com cotas negociadas em bolsa que investem em debêntures incentivadas, aquelas emitidas por empresas e projetos para financiar empreendimentos de infraestrutura, contam com uma espécie de "dupla isenção" de IR.

Para o investidor pessoa física, esses ativos de renda fixa privada não são tributados nem quando distribuem rendimentos – o que pode ser feito periodicamente, como nos fundos imobiliários –, nem quando as cotas são vendidas com lucro.

O risco das debêntures incentivadas tende a ser maior que o dos títulos públicos de prazo e perfil de remuneração equivalentes, mas elas também tendem a ser mais rentáveis, até pela isenção de IR, uma vez que o Tesouro Direto, por exemplo, é tributado. Além disso, essas debêntures normalmente têm sua rentabilidade indexada à inflação, oferecendo, ao investidor, uma proteção ao seu poder de compra.

https://open.spotify.com/episode/4iIXhYLsXHPwYGqgreUS33?si=-4pJnMudSwCCh54j6S2o0g

Mas num cenário em que os títulos de renda fixa indexados à inflação estão sofrendo com a volatilidade dos juros futuros e em que o prêmio de retorno das debêntures incentivadas frente aos títulos públicos caiu devido à forte demanda por títulos isentos de IR, os FI-Infras ainda encontram lugar na carteira do investidor?

Para responder a essa pergunta e falar das perspectivas para esses fundos de infraestrutura daqui para frente, eu e a repórter Larissa Vitória convidamos, nesta semana, um especialista em FI-Infras: Aymar Almeida, sócio da Kinea e responsável pela gestão do KDIF11, o fundo listado de debêntures incentivadas da gestora, que tem R$ 137 bilhões sob gestão e o banco Itaú entre seus sócios.

Fundado em 2017 e com R$ 2,7 bilhões sob gestão, o KDIF11 é o maior e mais antigo FI-Infra da bolsa brasileira, que hoje conta com 17 fundos dessa natureza (você pode saber mais sobre o funcionamento desses fundos nesta matéria).

Além da isenção de IR, os FI-Infras têm algumas vantagens por serem fundos fechados (que não permitem resgates), o que exige a venda das cotas em bolsa quando o investidor deseja sair do investimento. Aymar Almeida também fala sobre isso nesta edição do podcast Touros e Ursos, além, é claro, de escolher os seus destaques positivo e negativo da semana.

Confira a conversa na íntegra aqui ou então no tocador a seguir:

Compartilhe

Balanço do mercado de capitais

Sem IPOs e com restrições a CRIs, CRAs, LCIs e LCAs, renda fixa domina emissões no 1º semestre; debêntures batem recorde de captação

17 de julho de 2024 - 19:30

Ofertas no mercado de capitais totalizaram R$ 337,9 bilhões no período, sendo que R$ 206,7 bilhões corresponderam a debêntures; ofertas de ações totalizaram apenas R$ 4,9 bilhões

Sem fortes emoções

Mapfre Investimentos lança fundo de renda fixa de baixo risco para investir em CDBs e outros títulos bancários; foco é superar o CDI

16 de julho de 2024 - 7:27

Primeiro fundo lançado pela gestora em dez anos atende demanda de clientes por produtos conservadores em momento de mercado adverso

Tesouro Direto do mês

Dobradinha no Tesouro Direto: Itaú BBA recomenda combinação de Tesouro Selic e título público prefixado para julho

12 de julho de 2024 - 14:27

Veja as recomendações de títulos públicos do banco para este mês

Atrelado à inflação

Tesouro Direto na bolsa: BTG Pactual e TEVA Índices lançam o fundo PACB11, ETF de títulos públicos de longuíssimo prazo

12 de julho de 2024 - 11:24

Fundo com cotas negociadas em bolsa acompanha índice composto por títulos Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais de prazos superiores a 14 anos

DIVERSIFICANDO A CARTEIRA

Renda fixa do mês: os melhores títulos públicos e privados para investir em julho, segundo o Santander, BTG e XP

5 de julho de 2024 - 18:10

Bancos apostam nos prefixados e atrelados à inflação para o mês, mas atrelados à Selic e ao CDI ainda seguem atrativos pela falta de perspectiva de queda de juros até o final do ano

ONDE INVESTIR NO 2⁰ SEMESTRE

Renda fixa conservadora se manterá atrativa no 2⁰ semestre, mas Tesouro Direto abriu oportunidades de retorno alto

3 de julho de 2024 - 6:00

Sem perspectiva de queda nos juros até o fim do ano, títulos atrelados à Selic seguem atrativos, mas investidor pode “travar” retornos elevados em prefixados e indexados à inflação; veja onde investir na renda fixa até o fim do ano

DEMANDA POR RENDA FIXA

A farra das LCI e LCA continua? Investimentos em títulos isentos sobe 9,1% em 2024 — mesmo após mudança nas regras

28 de junho de 2024 - 18:00

Alocação das pessoas físicas em títulos isentos de Imposto de Renda chegaram a R$ 1,12 trilhão entre janeiro e abril deste ano

REPORTAGEM ESPECIAL

Exclusivo: Gestoras de fundos imobiliários assumem empreendimentos da Seed e evitam calote de CRIs lastreados em imóveis de luxo

25 de junho de 2024 - 15:31

Seed usou CRIs para financiar parte de seus projetos, mas atrasos em obras levaram gestoras a buscar meios de mitigar problemas

QUANTO VOCÊ VAI RECEBER

Poupança, Tesouro Direto e CDB: a renda fixa tem chance de reagir com a Selic mantida em 10,50%? Fizemos os cálculos para você

19 de junho de 2024 - 19:05

Banco Central manteve a taxa básica de juros inalterada nesta quarta-feira (19); saiba quanto rendem os investimentos conservadores a partir de agora

RENDA FIXA

Gestora especializada em FIDCs lança seu primeiro fundo de direitos creditórios para o varejo; saiba como incluir esse tipo de ativo na carteira

6 de junho de 2024 - 18:00

O Solis Pioneiro, da gestora Solis Investimentos, chega para o público em geral após a publicação da Resolução CVM 175 e em momento de alta dos fundos em direitos creditórios

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar