🔴 QUER SAIR DO ALUGUEL? NÃO USE O FGTS PARA FINANCIAR O IMÓVEL – CONHEÇA ESTA ESTRATÉGIA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
O VALOR DA BANDEIRA BRANCA

Putin não aguenta mais? Rússia diz qual é o preço para acabar com a guerra na Ucrânia — e Ocidente manda a própria fatura

Pelo menos 90 países e organizações se reuniram na Suíça — sem a participação de Moscou — para tentar encontrar o caminho para a paz

Carolina Gama
16 de junho de 2024
15:34 - atualizado às 15:00
Presidente russo, Vladimir Putin, sentado em uma mesa com fone ouvido
O presidente da Rússia, Vladimir Putin. Ao fundo, o ministro Sergei Lavrov. - Imagem: Departamento de Estado norte-americano

Dizem que tudo na vida tem um preço — se é verdade ou não, é difícil saber, mas o presidente da Rússia, Vladimir Putin, colocou as condições para acabar com a guerra contra a Ucrânia

Essa, no entanto, não é a primeira vez que o chefe do Kremlin “coloca um preço” para a paz. No início do conflito, Putin disse que acabaria com as hostilidades se suas exigências fossem observadas, entre elas, do domínio do território ucraniano. A proposta nunca foi adiante e a guerra já dura dois anos. 

Dessa vez, os termos do presidente russo incluem a retirada completa das tropas ucranianas dos territórios de Donetsk, Luhansk, Zaporizhzhia e Kherson — que a Rússia anexou ilegalmente meses após o início das hostilidades, em setembro de 2022.

Durante uma reunião com a liderança do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Putin declarou que quando a Ucrânia iniciar uma “retirada real das tropas dessas regiões, e também notificar oficialmente o abandono dos planos de adesão à Otan, imediatamente, no mesmo minuto, haverá uma ordem de cessar fogo para iniciar negociações [de paz]”.

O chefe do Kremlin alertou, no entanto, que se a proposta de paz for recusada, as exigências futuras de Moscou serão diferentes.

A Ucrânia tem seu próprio plano para a paz

Os planos de Putin, no entanto, contrastam fortemente com a proposta de paz do presidente ucraniano. 

Volodymyr Zelensky apresentou em novembro de 2022 uma proposta de dez anos que exige a restauração da “integridade territorial” do país ao abrigo da Carta das Nações Unidas

Zelensky também insistiu que a Ucrânia recuperasse a península da Crimeia, que a Rússia anexou ilegalmente antes da guerra atual, em fevereiro de 2014.

Rússia e Ucrânia fracassam na paz

As tentativas de paz entre a Rússia e a Ucrânia fracassaram até agora — nem mesmo um plano de 12 pontos divulgado pela China no aniversário de um ano da guerra ganhou impulso. 

Mas, mais uma vez, a China está promovendo a própria estratégia diplomática e a  proposta de Putin ameaça roubar a atenção das negociações na Suíça, onde pelo menos 90 países e organizações se reuniram neste sábado (15) e no domingo (16) no resort de Bürgenstock para a Cúpula sobre a Paz na Ucrânia.

Moscou não foi convidada — e no passado criticou a futilidade de terceiros em tentar negociar uma resolução para o conflito sem a participação da Rússia. As cúpulas anteriores não conseguiram implementar uma solução diplomática para o conflito ou reduzir as hostilidades no campo de batalha.

ONDE INVESTIR EM JUNHO: MELHORES INVESTIMENTOS NA BOLSA - AÇÕES, FIIs, DIVIDENDOS, BDRS + ALOCAÇÃO

A fatura do Ocidente para a Rússia

Se Putin colocou um preço para a paz na Ucrânia, o Ocidente preparou a própria fatura para acabar com a guerra. 

Cerca de 80 países apelaram conjuntamente neste domingo (16) para que a “integridade territorial” da Ucrânia seja a base para qualquer acordo de paz que ponha fim ao conflito, embora algumas das principais nações em desenvolvimento não tenham aderido.

Índia, Arábia Saudita, África do Sul e Emirados Árabes Unidos — que foram representados por ministros das Relações Exteriores ou enviados de nível inferior — estavam entre aqueles que não assinaram o documento final, que se centrava em questões de segurança nuclear, segurança alimentar e a troca de prisioneiros.

  • Como proteger os seus investimentos: dólar e ouro são ativos “clássicos” para quem quer blindar o patrimônio da volatilidade do mercado. Mas, afinal, qual é a melhor forma de investir em cada um deles? Descubra aqui.

O Brasil, um país “observador”, não assinou, mas a Turquia — que procurou um intermediário entre a Rússia e a Ucrânia — colocou seu nome no comunicado final. 

O documento afirma que a Carta da ONU e “o respeito pela integridade territorial e pela soberania… podem e servirão de base para alcançar uma paz abrangente, justa e duradoura na Ucrânia”.

Viola Amherd, a presidente suíça que organizou o evento, disse na coletiva final que o fato de a “grande maioria” dos participantes ter concordado com o documento final “mostra o que a diplomacia pode alcançar”.

Analistas dizem que a conferência de dois dias deve ter pouco impacto concreto no fim da guerra porque a Rússia não foi convidada. O principal aliado da Rússia, a China, que não compareceu, e o Brasil procuraram em conjunto traçar rotas alternativas para a paz.

De qualquer forma, a reunião teve outro papel importante: devolver a atenção à guerra em um momento no qual o conflito em Gaza, eleições nacionais e outras preocupações estão atraindo a atenção mundial.

*Com informações da CNBC e da AP

Compartilhe

ELEIÇÕES NOS EUA

Kamala Harris usa passado como promotora para se contrapor a Trump e seus problemas com a justiça — e já aparece em vantagem em pesquisa

24 de julho de 2024 - 10:31

Pesquisa Reuters/Ipsos mostra Kamala Harris com 2 pontos de vantagem sobre Donald Trump no voto popular, mas não é ele que decide a eleição

TROPA NA RUA

Acabou para Maduro? Venezuela vive dias “quentes” antes de eleição que será teste de fogo para o chavista

23 de julho de 2024 - 19:58

Faltando poucos para a eleição de domingo (28), o presidente venezuelano trabalha mais arduamente do que nunca para reforçar a lealdade das Forças Armadas

KAMALAMANIA?

Kamala Harris já dispõe de apoio suficiente entre os democratas, mas ainda tem um caminho a percorrer até ser a candidata oficial do partido

23 de julho de 2024 - 10:42

Candidatura de Kamala Harris precisa ser ratificada pelos delegados do Partido Democrata, o que só deve acontecer em agosto

"EU TE AMO"

Discurso inesperado: Biden fala pela primeira vez após desistência; Harris também se pronuncia

22 de julho de 2024 - 19:57

Biden convocou uma reunião de campanha para agradecer à sua equipe pelo trabalho árduo e para reforçar o apoio à campanha presidencial de Harris

WOMAN POWER

É histórico: Kamala Harris arrecada mais de US$ 100 milhões para o partido menos de 24 horas após Biden desistir da reeleição

22 de julho de 2024 - 19:02

A possibilidade de a vice presidente dos EUA se tornar a candidata democrata canaliza uma enorme quantidade de recursos para os democratas enfrentarem Trump em novembro

ELEIÇÕES NOS EUA

A euforia com Trump vai durar? Os 5 fatores que podem fazer a onda vermelha se tornar um tsunami sobre os mercados

22 de julho de 2024 - 18:46

O estrategista-chefe do UBS Investment Bank listou os pontos de atenção para os investidores em caso de vitória do republicano em novembro

ELEIÇÕES NOS EUA

Como Kamala Harris pode complicar a vida de Donald Trump na disputa pela Casa Branca

22 de julho de 2024 - 10:06

Ao desistir da reeleição, Joe Biden endossou candidatura de sua vice, Kamala Harris, à presidência dos Estados Unidos

ELEIÇÕES NOS EUA

Não deu para Biden: presidente dos EUA cede à pressão e desiste da reeleição — saiba o que acontece daqui para frente 

21 de julho de 2024 - 15:44

No que depender de Biden, sua vice Kamala Harris deve ser o nome do partido para enfrentar Donald Trump nas urnas em 5 de novembro; Trump se manifesta sobre a desistência

ATUALIZANDO O PORTFÓLIO

Por que Warren Buffett decidiu vender US$ 1,48 bilhão em ações de um bancão norte-americano

20 de julho de 2024 - 17:48

A Berkshire Hathaway vendeu cerca de 33,9 milhões de ações desta instituição financeira em diversas transações nesta semana

MELHORES MOMENTOS GIRO DO MERCADO

Trump mais vivo do que nunca: os impactos no dólar, cripto e juros — e os principais riscos da provável vitória do republicano 

19 de julho de 2024 - 18:14

Donald Trump saiu do atentado do último sábado mais vivo do que nunca. Agora, se já não era antes, o republicano é o nome mais forte na corrida e provavelmente voltará a ocupar a Casa Branca — e os mercados já estão tentando prever os impactos disso.  A percepção de que o ex-presidente saiu ganhando […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar