🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

Camille Lima
Camille Lima
20 de maio de 2024
19:22 - atualizado às 18:57
guerra comercial eua china taiwan
Imagem: Shutterstock

O xadrez geopolítico entre a China e os Estados Unidos acaba de ganhar um novo contorno. O Ministério do Comércio chinês anunciou sanções contra a Boeing e outras duas empresas norte-americanas pela venda de armas a Taiwan.

O Ministério colocou a unidade de Defesa, Espaço e Segurança da Boeing, a General Atomics Aeronautical Systems e a General Dynamics Land Systems, na lista de “entidades não confiáveis”.

"Tais medidas estão sendo tomadas para salvaguardar os interesses de soberania, segurança e desenvolvimento nacionais da China", disse a pasta, em comunicado.

Com a decisão, as companhias serão impedidas de se envolver em atividades de importação ou exportação relacionadas à China e estarão proibidas de fazer novos investimentos na China futuramente — e a alta administração dessas empresas também estará banida de viagens para o país.

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias de defesa pela venda de armamento a Taiwan — uma ilha autogovernada que a China considera como parte do seu próprio território.

Já Lai Ching-te, o novo presidente de Taiwan, que assumiu a posição nesta segunda-feira (20), prometeu fortalecer a segurança da ilha através da importação de caças avançados e outras tecnologias e do fortalecimento da sua indústria de defesa interna.

É importante lembrar que a eleição de um novo líder em Taiwan, em meados de janeiro deste ano, carregava consequências geopolíticas relevantes para a dinâmica no Estreito de Taiwan e as relações entre as duas maiores potências econômicas do planeta.

  • [Relatório cortesia da Empiricus Research] Estrategista-chefe da casa libera conteúdo com recomendações de investimento e comentários sobre o cenário macro. Veja o que Felipe Miranda tem a dizer sobre Israel-Irã, dólar, juros nos EUA e meta fiscal, clicando AQUI.

China vs. EUA: o papel de Taiwan

Vale ressaltar que Taiwan desempenha um papel estratégico crucial, sendo um centro vital na produção de semicondutores de ponta. Além disso, sua localização no Pacífico, próxima à costa chinesa, é fundamental nas dinâmicas militares entre os dois países.

“Não importa como a situação política na ilha de Taiwan mude, nada mudará os fatos históricos e legítimos de que ambos os lados através do Estreito de Taiwan pertencem a uma China, nem a tendência histórica que a China será finalmente reunificada”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China nesta segunda-feira (20).

A China tem realizado exercícios militares regulares em torno da ilha — sobrevoando com caças e navegando em navios de guerra perto da região — nos últimos anos para pressionar Taiwan a aceitar a reivindicação de soberania de Pequim.

Além disso, Taiwan é exatamente a peça que falta para que a China complete seu quebra-cabeça de reunificação, em busca do conceito de “Uma Só China”. 

O rompimento aconteceu em 1949. Desde então, o dragão asiático reivindica Taipé como parte integrante de seu território, alegando que a ilha é uma província separatista e será reincorporada.

Atualmente, Taiwan é plenamente reconhecido por pouco mais de uma dúzia de países. Nem mesmo os EUA mantêm relações diplomáticas plenas com Taipé nem reconhece formalmente o governo.

As sanções da China 

Em abril, a China congelou ativos da General Atomics Aeronautical Systems, que fabrica sistemas aéreos não tripulados, e da General Dynamics Land Systems, fabricante de veículos militares, mantidos no país.

De acordo com números operacionais da empresa, a General Dynamics opera meia dúzia de operações da subsidiária de jatos executivos Gulfstream e outros serviços de aviação na China — que continua fortemente dependente de tecnologia aeroespacial estrangeira.

A companhia estaria vendendo os jatos Gulfstream para Taiwan, além de ajudar a fabricar o tanque Abrams, que está sendo adquirido pela ilha a fim de resistir a uma invasão da China.

Já a General Atomics produz drones Predator e Reaper usados ​​pelos militares dos EUA — mas não se sabe quais armas a companhia vende para Taiwan, se vender de fato.

Na época, Pequim afirmou que a venda de armas “interferia seriamente” nos seus assuntos internos e “prejudicava” a soberania e a integridade territorial da China.

“A contínua venda de armas pelos Estados Unidos à região chinesa de Taiwan é uma violação grave do princípio de Uma Só China e das disposições dos três comunicados conjuntos dos Estados Unidos e da China”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores chinês.

Há dois anos, a China anunciou sanções contra Ted Colbert, CEO da Boeing Defesa, Espaço e Segurança, depois que a empresa ganhou um contrato de US$ 355 milhões para fornecer mísseis para Taiwan.

Vale lembrar que a empresa não vende produtos de defesa para a China, mas possui um negócio robusto de aviação comercial no país.

De acordo com a agência de notícias Associated Press, o provável impacto das sanções da China sobre empresas como a Boeing não é claro. 

Afinal, os Estados Unidos já proíbem a maior parte das vendas de tecnologia militar à China, mas algumas empresas do segmento também possuem negócios na indústria aeroespacial e outros mercados.

*Com informações de Reuters, AP e Xinhua.

Compartilhe

Grandes demais para falir

Onde há fumaça há fogo? Fiscais do setor bancário nos EUA acendem alerta sobre os planos dos bancões para evitar quebras

21 de junho de 2024 - 20:01

Federal Reserve e Corporação de Seguros de Depósitos alertam bancos sobre seus planos para evitar problemas

Os britânicos vão às urnas

Deu para o Sunak? Pesquisa indica que trabalhistas devem obter maioria nas eleições ao Parlamento Britânico

20 de junho de 2024 - 19:49

Eleições no Reino Unido acontecem em 4 de julho e foram antecipadas pelo primeiro-ministro

OLHO POR OLHO

A hora da revanche da BYD chegou? China não deixa barato e parte pra cima da Europa na guerra dos elétricos

20 de junho de 2024 - 18:48

Em uma reunião a portas fechadas, as fabricantes chinesas pedem que o governo responda com vigor às tarifas impostas pela Europa e incendeia ainda mais a guerra comercial

COLABORANDO COM UM 'COMUNISTA'?

Milei acena a Lula — de novo — e manda entregar ao Itamaraty informações sobre foragidos do 8 de janeiro

20 de junho de 2024 - 9:57

A fuga para a Argentina teria sido pensada não apenas pela vinculação ideológica de Bolsonaro com Milei, mas também pelas facilidades de ingresso no país

AMIZADE ARDENTE

Poucos amigos, mas perigosos: o saldo da visita de Putin à Coreia do Norte que deixou o mundo em alerta

19 de junho de 2024 - 18:35

Isolados por severas sanções internacionais, Moscou e Pyongyang juntam forças para continuarem de pé; entenda toda essa história

BATEU ARREPENDIMENTO?

Pesou no bolso? Elon Musk volta atrás nos ataques a anunciantes do X — meses após mandar as empresas irem se f****

19 de junho de 2024 - 17:45

Para analistas do mercado, o tom mais brando do bilionário sinaliza o primeiro passo em direção à tentativa de reconquistar o dinheiro publicitário para a plataforma

TIC TAC TIC…

Desativando a bomba-relógio: o que está por trás da mudança que a China quer fazer nos juros

19 de junho de 2024 - 16:12

O presidente do Banco do Povo da China (PBoC), Pan Gongsheng, anunciou nesta quarta-feira (19) que está estudando uma série de alterações na estrutura de política monetária; entenda o que pode acontecer na segunda maior economia do mundo

ELEIÇÕES DE 2024

Inteligência Artificial para prefeito? OpenIA encerra chatbots de políticos de IA

19 de junho de 2024 - 14:58

Cidadão norte-americano candidatou um chatbot de inteligência artificial para concorrer às eleições no estado de Wyoming. A OpenAI revelou que encerrou atividades de ferramentas do tipo nos EUA e no Reino Unido

ADEUS, BYE BYE

Para onde estão indo as fortunas? Por que os milionários estão fugindo de um dos maiores destinos de super-ricos no mundo — e não é um paraíso fiscal

18 de junho de 2024 - 18:55

Pesquisa mostra que esse país sofrerá uma perda líquida de 9.500 indivíduos de altíssima renda em 2024 — mais do dobro do número do ano passado de 4.200, que por si só foi um número recorde

SONHO AMERICANO?

Concessão de visto de trabalho a brasileiros bate recorde nos EUA – mas oportunidades podem chegar ao fim se Trump ganhar

17 de junho de 2024 - 19:30

Os vistos para trabalhadores brasileiros qualificados também registraram número recorde. Porém, com discurso mais inflamado de Trump, o cenário pode mudar; veja como conseguir o seu green card

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar