🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Estadão Conteúdo
FALTOU CONSENSO

A palavra da discórdia: por que a reunião do G20 no Brasil terminou sem um comunicado conjunto

Divergências geopolíticas impediram ministros das Finanças e presidentes de BCs do G20 de chegarem a uma declaração conjunta

Estadão Conteúdo
1 de março de 2024
10:18 - atualizado às 9:38
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad
Brasil ocupa a presidência de turno do G20. - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Reuniões de organismos multilaterais costumam terminar junto com a divulgação de uma declaração conjunta. No entanto, a reunião de ministros das finanças e presidentes de bancos centrais do G20 presidida pelo Brasil terminou na quinta-feira (29) em São Paulo sem um comunicado conjunto.

O motivo foi a falta de consenso sobre questões geopolíticas, que envolve os conflitos na Ucrânia e na Faixa de Gaza.

"Havíamos nutrido a esperança de que temas mais sensíveis como geopolítica fossem debatidos no encontro de chanceleres", disse o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

No entanto, na reunião realizada no Rio de Janeiro na semana passada, não houve consenso.

G20 acaba sem 'communiqué'

O chamado communiqué, muito usado em tratativas internacionais, é publicado ao final de eventos multilaterais e tem o objetivo de explicitar consensos entre os países que participam dos encontros.

Haddad disse que a reunião do G20 chegou a um consenso nos temas financeiros.

Com dois pilares da tributação internacional, construídos na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a serem concluídos até o fim do ano, Haddad disse que o Brasil tomou a iniciativa de colocar em debate um terceiro: a fixação de uma alíquota mínima sobre a riqueza mundial.

"Temos condição de buscar maior justiça tributária no mundo."

A palavra da discórdia

A divergência em torno de uma palavra não permitiu que a reunião de autoridades monetárias de todo o mundo terminasse com um comunicado conjunto do G20.

Segundo apurou a reportagem, o impasse ocorreu no trecho "war on Ukraine" (guerra contra a Ucrânia) ou "war in Ukraine" (guerra na Ucrânia).

A Rússia defendia a última expressão enquanto os países mais ricos ocidentais do bloco brigaram pela primeira.

As economias mais desenvolvidas também não queriam mencionar Israel no conflito com o Hamas, e defendiam que houvesse uma citação apenas à crise em Gaza.

"Chegou uma hora em que o impasse era tão pequeno que dizia respeito a uma palavra", afirmou o ministro, que não revelou qual era o termo.

No entanto, reconheceu Haddad, "chega uma hora que a reunião termina". Haddad não citou quem estava irredutível.

Publicamente, o ministro das Finanças da Alemanha, Christian Lindner, declarou mais de uma vez que o país não assinaria o comunicado se não houvesse citação às guerras na Faixa de Gaza e na Ucrânia.

Em setembro do ano passado, antes do agravamento do conflito em Gaza, líderes do G20 reunidos na Índia condenaram a guerra na Ucrânia, mas sem citar a Rússia.

Tensão geopolítica permeou debates no G20

O diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Paulo Picchetti, comentou que as tensões geopolíticas em todo o mundo têm desdobramentos sobre o lado financeiro e econômico.

Há ainda os riscos climáticos, lembrou ele, que já provocam efeitos na oferta de curto prazo em diferentes regiões do planeta.

"Já existem evidências de que o clima tem impacto sobre expectativas e preços, que em última análise estão afetando o balanço total de risco", disse o diretor do BC em conversa com jornalistas durante o G20, em São Paulo.

"Há riscos pelo momento em que o mundo vive, o que envolve questões de tensões geopolíticas", afirmou o executivo da autoridade monetária.

Perguntado sobre as discussões para descongelar ativos russos e levar os recursos para a Ucrânia, como querem os Estados Unidos, Picchetti disse que o tema não foi tratado nas reuniões plenárias.

Já o tema guerra - entre Rússia e Ucrânia e de Israel com o Hamas - apareceu durante os debates.

Sobre os pagamentos transfronteiriços, Picchetti disse que teve muitas conversas sobre questões econômicas e tecnológicas para permitir que se transformem em realidade.

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Por que a China deve colocar “panos quentes” para impedir que as coisas piorem (ainda mais) no Oriente Médio? 

19 de abril de 2024 - 18:29

Enquanto as coisas parecem ficar cada vez mais delicadas no Oriente Médio, com os ataques do Irã a Israel no último final de semana, os mercados lá fora não parecem estar muito alarmados com a possibilidade de uma escalada no conflito — o que poderia ser desastroso para a economia global.  E uma das explicações […]

ESCALANDO…

É o fim da guerra das sombras? A mensagem do revide de Israel ao Irã para o mundo — e não é o que você espera

19 de abril de 2024 - 14:15

O mais recente capítulo desse embate aconteceu na madrugada desta sexta-feira (19), quando Israel lançou um ataque limitado ao Irã

RECADO DADO

A punição de Biden: EUA não perdoam ataque a Israel e castigam o Irã — mas o verdadeiro motivo das sanções não é econômico

18 de abril de 2024 - 13:17

O Tesouro norte-americano anunciou medidas contra uma dezena de pessoas e empresas iranianas e ainda avalia restrições ao petróleo do país, mas, ao contrário do que parece, medidas também mandam uma mensagem a Netanyahu

GUERRA QUENTE

Por essa nem Putin esperava: a previsão que coloca a Rússia à frente da maior economia do mundo

17 de abril de 2024 - 18:41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções para a economia russa e os números revelam o segredo de Putin para manter o país em expansão

COM OU SEM CHAMPANHE?

O maior bilionário do planeta ficou quase R$ 30 bilhões mais rico hoje. O que fez a fortuna do dono da Dior e da Louis Vuitton disparar?

17 de abril de 2024 - 17:55

O patrimônio do magnata de luxo francês acompanha a valorização das ações da LVMH; conheça os números do conglomerado que animaram o mercado hoje

DECRETO CONTINUA

Milei tem vitória no “STF” da Argentina e mantém decreto em vigor, mas batalha ainda não terminou  

17 de abril de 2024 - 10:31

Mesmo que a Corte resolvesse barrar o DNU, Milei ainda tem uma carta na manga: ele poderá indicar até dois novos juízes para o tribunal

MAGNATA INDONÉSIO

Como este bilionário que você provavelmente não conhece transformou uma fortuna de US$ 5 bilhões em US$ 51 bilhões de em um ano

16 de abril de 2024 - 19:33

O magnata asiático da indústria de energia conseguiu multiplicar a sua fortuna em dez vezes em um ano; entenda o que aconteceu

ELON MUSK TINHA RAZÃO?

Invasão da China: como Biden e Trump querem frear os elétricos chineses liderados pela BYD nos EUA

16 de abril de 2024 - 18:58

Os veículos elétricos ainda não são vendidos no país, mas despertam cada vez mais preocupação de políticos e empresários do segmento, que colocam planos para barrar a maré vermelha à prova

A VIDA VAI MELHORAR (?)

Segura, Javier Milei: Argentina terá inflação de “apenas” 150% em 2024, mas contração econômica será maior, diz FMI

16 de abril de 2024 - 16:47

As projeções para 2025 melhoram, com a expectativa de que a inflação fique em 45% no ano e a atividade econômica cresça 5% em relação a 2024

ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

16 de abril de 2024 - 15:35

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar