🔴 03/06 – ‘GATILHO’ PARA BUSCAR ATÉ R$ 2 MILHÕES COM CRIPTOMOEDAS PODE SER DISPARADO – SAVE THE DATE

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
OS TAMBORES DA GUERRA SOAM ALTO

Ataque em 48 horas e socorro da China: o que você precisa saber sobre a vingança do Irã contra Israel que pode abalar o mundo — as bolsas já sentem

Os mercados nesta sexta-feira (12) refletem a gravidade da situação geopolítica, com o petróleo tipo Brent batendo em US$ 92 o barril. Por aqui, o Ibovespa cai e o dólar atinge o maior valor em seis meses, a R$ 5,14.

Carolina Gama
12 de abril de 2024
15:05 - atualizado às 15:22
Imagem gerada por inteligência artificial traz um gráfico de bolsas ao fundo, um barril de petróleo pegando fogo ao centro, com as bandeiras de Irã e Israel de cada lado
Imagem: DAll E / ChatGPT

“Israel precisa ser punido e será”. Foi assim que o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, jurou vingança ao suposto ataque de Israel à embaixada de seu país em Damasco no dia 1 de abril — poderia ser mentira, mas não é e o mundo vê agora as maiores potências do planeta emitindo alertas de segurança para uma revanche que pode acontecer nas próximas 48 horas. 

Os mercados nesta sexta-feira (12) refletem a gravidade da situação geopolítica. O petróleo tipo Brent — usado como referência internacional — já chegou a US$ 92 o barril, uma cotação mais elevada do que os US$ 86 do dia seguinte ao início da guerra entre Israel e o Hamas

O ouro, por sua vez, renova recordes sucessivos; o dólar dispara — por aqui, a moeda norte-americana já encostou em R$ 5,14 e pode subir ainda mais — e os yields dos Treasurys renovam mínimas. Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados.

Nos quatro cantos do mundo, os investidores estão em busca de abrigo e não é para menos: a prometida vingança do Irã contra Israel tem potencial para ampliar a guerra em curso em Gaza e deve colocar fogo de vez no Oriente Médio —  ainda mais quando os envolvidos têm armas nucleares

A partir de agora, o Seu Dinheiro traça a linha do tempo dessa rivalidade e lista os principais pontos dos eventos que podem escalar o conflito na região nas próximas horas. 

  • Como proteger os seus investimentos: dólar e ouro são ativos “clássicos” para quem quer blindar o patrimônio da volatilidade do mercado. Mas, afinal, qual é a melhor forma de investir em cada um deles? Descubra aqui.

Irã e Israel: inimigos, mas nem sempre

O ódio entre Irã e Israel é conhecido no mundo, mas nem sempre foi assim. O Irã, por exemplo, foi o segundo país de maioria muçulmana a reconhecer Israel como um estado soberano, depois da Turquia

As relações entre os dois países podem ser divididas em quatro fases principais:

  • 1947 a 1953: o período ambivalente
  • 1953 a 1979: o período amigável durante a era da dinastia Pahlavi
  • 1979 a 1990: o período de agravamento após a Revolução Iraniana 
  • A partir de 1991: o período contínuo de hostilidade aberta desde o fim da Guerra do Golfo

Foi só depois da Revolução Islâmica de 1979 que o Irã cortou os laços diplomáticos e comerciais com Israel e o governo teocrático deixou de reconhecer a legitimidade de Israel como Estado. 

A mudança da paz para a hostilidade aberta começou na década de 1990, pouco depois do colapso da União Soviética e da derrota do Iraque na Guerra do Golfo, quando o poder relativo no Médio Oriente foi transferido para Irã e Israel. 

O conflito se intensificou quando o governo de Yitzhak Rabin adotou uma postura mais agressiva em relação ao Irã. O conflito retórico esquentou ainda mais na presidência de Mahmoud Ahmadinejad, que fazia sucessivas declarações inflamadas contra Israel

Outros fatores que contribuíram para a escalada das tensões bilaterais incluem:

  • O desenvolvimento da tecnologia nuclear pelo Irã em relação à Doutrina Begin de Israel — cujo princípio é “a melhor defesa é a prevenção rigorosa” 
  • O financiamento do Irã a grupos islâmicos como o Hezbollah, a Jihad Islâmica e o Hamas,
  • O alegado envolvimento em ataques terroristas

O DADO QUE PODE MUDAR O JOGO PARA A ECONOMIA GLOBAL

O gatilho da vingança

A guerra de Israel contra o Hamas, apoiado pelo Irã, começou em 7 de outubro de 2023, após um ataque terrorista do grupo que controla a Faixa de Gaza. O conflito levou à ofensivas contra facções no Líbano, no Iêmen e na Síria — que os israelenses consideram representantes de Teerã.

Os iranianos, no entanto, insistem que não estão coordenados com os grupos militantes nas ofensivas — embora tenha elogiado o ataque terrorista do Hamas de 7 de outubro.

Mas o que coloca Israel em alerta máximo agora são as múltiplas ameaças e os sinais dos serviços de inteligência de que o Irã lançaria um ataque contra alvos israelenses em uma tentativa de vingar o ataque aéreo de 1 de abril contra um prédio da embaixada iraniana na capital síria, Damasco. 

A ação matou vários comandantes do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) — uma espécie de força de elite do Irã — incluindo dois generais.

Tanto Teerã como Damasco culparam Israel pelo ataque à embaixada e prometeram vingança, embora Tel Aviv não tenha comentado o assunto.

De acordo com relatórios da inteligência norte-americana ao qual o The Wall Street Journal teve acesso, o Irã pode lançar um ataque em solo israelense nas próximas 24 horas a 48 horas. 

De acordo com o Journal, que cita um conselheiro do IRGC, a Guarda forneceu ao líder supremo do Irã várias opções para atacar os alvos israelenses. 

Segundo a fonte, entre as possibilidades estão um ataque direto a Israel com sofisticados mísseis de médio alcance.

Mas Khamenei ainda não decidiu sobre os planos. O aiatolá estaria preocupado sobre a possibilidade de um ataque direto sair pela culatra, com os projéteis sendo interceptados e Israel respondendo com uma retaliação pesada à infraestrutura estratégica do Irã. 

Ocidente pede socorro à China, EUA defenderão Israel

Nesse barril de pólvora, EUA e Europa estão trilhando uma linha tênue com a China: denunciam a segunda maior economia do mundo como um risco comercial ao mesmo tempo em que querem que Pequim use sua considerável influência diplomática com países isolados pelas sanções ocidentais.

A China é parceira comercial crítica da Rússia e do Irã, sendo um dos principais destinos das exportações de petróleo. Os três países também são membros do Brics, grupo de países emergentes que também tem o Brasil

De olho nessa posição estratégica de Pequim, diplomatas ocidentais aumentaram a pressão para evitar que o Irã incendeie o Oriente Médio com um ataque direto de retaliação contra Israel.

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, conversou  com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e autoridades na Turquia e na Arábia Saudita, pedindo  que “deixassem claro que a escalada não é do interesse de ninguém e que os países deveriam instar o Irã a não escalar”.

“Também nos envolvemos com aliados e parceiros europeus nos últimos dias e instámo-los a enviar uma mensagem clara ao Irão de que a escalada não é do interesse do Irã, não é do interesse da região e não é do interesse do mundo”, disse o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Matthew Miller.

A Alemanha, cujo chanceler Olaf Scholz visitará a China na próxima semana, também está  em contato com Pequim sobre a questão do Irã. Os ministros das Relações Exteriores do Reino Unido e da Austrália também instaram o Irã a não aprofundar o conflito.

Só que apesar dos apelos para o esfriamento dos ânimos, os EUA estão dispostos a defender Israel em caso de ataque direto do Irã. 

O secretário da Defesa norte-americano, Lloyd Austin, telefonou no fim da quinta-feira (11) ao ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, para reassegurar que Washington defenderia seu mais próximo aliado na região caso o Irã ataque em solo israelense. 

"Israel poderia contar com todo o apoio dos EUA para defendê-lo contra ataques iranianos, os quais Teerã ameaçou publicamente realizar", afirmou um porta-voz do Pentágono. 

Os mercados no barril de pólvora

“Determinamos uma regra simples: quem nos prejudicar, nós iremos prejudicar também. Estamos preparados para atender a todas as necessidades de segurança do Estado de Israel, tanto defensivamente quanto ofensivamente”, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. 

Qualquer ataque direto do Irã em solo israelense e a consequente resposta de Tel Aviv aumentaria o impacto internacional do conflito de Gaza, que já havia repercutido nos mercados por meio do aumento dos preços do petróleo e das perturbações comerciais causadas pelos ataques iemenitas no Mar Vermelho.

Nesta sexta-feira (12), o petróleo tipo Brent — usado como referência internacional — bateu em US$ 92, impulsionando as ações de gigantes do setor como Exxon Mobil, que atingiram máxima histórica intradiária a US$ 123,74. 

A Petrobras (PETR4) é uma das poucas petroleiras que vai na contramão do rali do setor de energia no mundo, pressionada por declarações o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, que disse que a empresa não pensa em substituir o presidente do Conselho de Administração, Pietro Mendes, afastado pela justiça. 

No mercado de câmbio, o dólar ganha força. Por aqui, a moeda bateu máxima em seis meses, a R$ 5,14 no mercado à vista. O Seu Dinheiro explicou o que mexe com a moeda norte-americana hoje

O sentimento de aversão ao risco e a busca por abrigo também mexe com o mercado de dívida norte-americano, considerado o mais seguro do mundo. Os juros dos Treasurys seguem operando em queda, depois de atingirem mínimas mais cedo. 

Entre as bolsas, com raras exceções como Londres — que subiu por ter nas commodities metálicas um peso grande — a tendência também é de queda. Wall Street opera com perdas de mais de 1%, movimento acompanhado de perto pelo Ibovespa

Compartilhe

VAI VOLTAR A SUBIR?

Ata do Fed joga balde de água fria nas bolsas — entenda o que acabou de vez com o apetite por risco dos investidores hoje

22 de maio de 2024 - 16:04

Dirigentes do Fed estão descontentes com o ritmo da queda da inflação nos EUA e veem juros no atual nível por mais tempo

REI CHARLES AUTORIZOU

Primeiro-ministro dissolve o Parlamento e antecipa as eleições gerais no Reino Unido

22 de maio de 2024 - 14:44

Assim, os deputados perdem o seu mandato e agora precisam fazer campanha para a reeleição se quiserem continuar

EL PELUCA

Seis meses de Javier Milei: como está a Argentina hoje para o investidor — e para o viajante — após novo presidente assumir? 

22 de maio de 2024 - 6:20

Desde que assumiu, Milei colecionou algumas vitórias e derrotas no seu primeiro semestre de gestão; conheça algumas delas e saiba se a Argentina ainda é um destino turístico atrativo, do ponto de vista financeiro

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

SÓ UMA PROMESSA?

Vai fechar o banco central, Milei? A nova declaração do presidente da Argentina sobre o futuro do BC do país

17 de maio de 2024 - 18:45

O presidente argentino está na Espanha e deu diversas declarações polêmicas a um público que o aplaudiu calorosamente; veja o que mais ele disse

O CUSTO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Xi Jinping na Rússia: o presidente da China está disposto a pagar o preço pela lealdade de Putin?

16 de maio de 2024 - 18:37

O líder chinês iniciou nesta quinta-feira (16) uma visita de Estado de dois dias à Rússia e muito mais do que uma parceria comercial está em jogo, mas o momento para Pequim é delicado

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar