🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
CAMPO MINADO

A guerra entre Israel e Hamas vai chegar à bolsa? Os desafios dos mercados globais a partir desta segunda-feira (09)

A catástrofe humana é inegável. O que não se sabe ainda é o tamanho da bomba que pode cair sobre os mercados globais — mas existem algumas pistas sobre o campo minado no qual os investidores podem operar

Carolina Gama
8 de outubro de 2023
17:11 - atualizado às 8:25
petróleo caindo sobre notas de dólar afeta bolsas hoje
Imagem: Shutterstock

Os investidores globais foram dormir na sexta-feira (6), de certa forma, aliviados: o impacto do payroll, como é conhecido o principal relatório de emprego dos EUA, foi absorvido, as bolsas ao redor do mundo fecharam em alta e, por aqui, o dólar terminou em queda. Mas devem acordar nesta segunda-feira (9) com outra preocupação no radar: os efeitos da guerra entre Israel e o Hamas sobre os ativos de risco. 

No sábado (7), o Hamas realizou um ataque surpresa e sem precedentes contra o território israelense — que respondeu com uma contraofensiva que não tem data para acabar e pode ganhar escala. 

Isso porque o Hezbollah, grupo extremista libanês inimigo de Israel e com grande potencial bélico, realizou uma ofensiva contra o país no domingo (8), deixando o mundo em um estado de alerta ainda maior. 

A catástrofe humana —  milhares de mortos e feridos dos dois lados logo nas primeiras 24 horas — é inegável. O que não se sabe ainda é o tamanho da bomba que pode cair sobre os mercados globais a partir desta segunda-feira (9). Mas existem algumas pistas sobre o campo minado no qual os investidores podem operar. 

O Seu Dinheiro contou na sábado quais podem ser os feitos da guerra entre Israel e o Hamas sobre o seu bolso e sobre os seus investimentos. 

Israel x Hamas e o petróleo no front

Na linha de frente do conflito entre Israel e o Hamas está o petróleo. A guerra acontece em uma região repleta de grandes produtores da commodity, entre eles a Arábia Saudita. 

Embora tenham terminado a sexta-feira (6) em alta, tanto o petróleo tipo Brent — usado como referência internacional, inclusive pela Petrobras (PETR4) — como o WTI, a referência para o mercado norte-americano, acumulam perdas de mais de 8% na semana e estão longe do patamar de US$ 100 o barril. 

A guerra entre Israel e o Hamas, portanto, tem um potencial enorme de fazer o petróleo disparar a partir da segunda-feira (9), quando os mercados voltam a operar normalmente. 

“A escalada do conflito entre Israel e o Hamas pode desencadear uma instabilidade regional, afetando potencialmente a produção e o transporte de petróleo no Médio Oriente”, disse o analista da FX Empire, James Hyerczyk. 

Ele não descarta que a Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) e seus aliados liderados pela Rússia — grupo conhecido como Opep+ — reavalie os cortes de produção diante dos acontecimentos globais que se desenrolam, impactando significativamente a oferta e os preços do petróleo.

  • ONDE INVESTIR EM OUTUBRO? Analistas da Empiricus Research revelam suas principais recomendações para o mês em entrevista completa para o Youtube do Seu Dinheiro. Assista agora:

Segundo pelotão: as commodities metálicas 

O ouro e a prata gozam do status de porto seguro durante tempos de turbulência geopolítica e, a possibilidade é de que o aumento das tensões provoque uma procura ainda maior por esses ativos de preservação de capital. 

“Os desenvolvimentos geopolíticos têm frequentemente um efeito cascata sobre os valores monetários. Se o dólar enfraquecer como resultado do conflito, a prata ou o ouro podem se tornar mais acessíveis para os detentores de outras moedas, possivelmente aumentando o preço desses ativos”,  disse Hyerczyk. 

O analista da FX Empire lembra, no entanto, que movimentos especulativos, que também tendem a aumentar durante as tensões geopolíticas, poderão compensar o impacto sobre a procura, adicionando uma camada de volatilidade aos preços do ouro ou da prata. 

Na sexta-feira (6), os contratos futuros do ouro com vencimento em outubro fecharam com alta de 0,84%, cotados a US$ 1.831,80. Na semana, no entanto, acumulam perda de quase 1%. Já a prata avançou 2,92%, para US$ 21.645, acumulando queda de 2,81% na semana. 

Dólar no conflito em Israel

O dólar também é considerado um abrigo em momentos de incerteza no mercado, no entanto, os especialistas acreditam que as reações da moeda norte-americana estarão mais ligadas aos indicadores dos EUA desta semana, em especial os dados de inflação, do que à guerra entre Israel e o Hamas. 

“Esses eventos de risco são importantes e merecem atenção, mas as reações do dólar devem continuar mais ligadas às expectativas em relação à próxima decisão de política monetária do Federal Reserve, por isso, os investidores devem estar mais atentos aos dados de inflação da semana”, disse Aaron Hill, analista da FX Empire. 

Ele destaca a publicação da ata da reunião de setembro do BC norte-americano, na quarta-feira (11), e a divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de setembro, na quinta-feira (12). 

Os Treasurys

Na semana passada, os investidores assistiram à disparada dos juros dos Treasurys — que atingiram o maior patamar em 16 anos. Na sexta-feira (6), os yields dos títulos com vencimento mais longo, de 30 anos, bateram na casa dos 5%. 

Esse avanço foi patrocinado por alguns fatores como a venda desses papéis por Japão e China, pela perspectiva de novo aumento dos juros pelo Fed ainda este ano e pelos dados mais fortes do que o esperado do mercado de trabalho norte-americano. 

Para o economista André Perfeito, caso o petróleo suba, os investidores continuarão colocando pressão sobre os juros norte-americanos — a alta dos yields dos Treasuries significa queda de ativos de risco e a penalização de ativos emergentes, inclusive os brasileiros.

 "Não me parece que o conflito irá se alastrar pela região envolvendo outros países, mas só essa possibilidade já mostra que a preferência pela liquidez dos agentes deve subir, fazendo com que ativos considerados livres de risco avancem", diz Perfeito.

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar