🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Elas nas estatais

Os bastidores de Petrobras (PETR4) e Eletrobras (ELET3): ex-CFOs contam o que viveram nas estatais em papo exclusivo com o Market Makers

Em parceria com Seu Dinheiro e Money Times, podcast recebe Andrea Almeida, ex-diretora financeira da petroleira, e Elvira Presta, ex-vice-presidente executiva de finanças e relações com investidores da elétrica, que também falaram sobre suas carreiras e do lugar da mulher nos cargos de comando das grandes empresas

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
31 de maio de 2024
7:05 - atualizado às 7:46
Andrea Almeida, ex-CFO da Petrobras, e Elvira Presta, ex-CFO da Eletrobras, em entrevista ao podcast Market Makers
Estatais têm profissionais muito qualificados e forte governança corporativa, defendem ex-executivas, que vieram do setor privado. - Imagem: Divulgação Market Makers

Ao contrário do senso comum, estatais são empresas com profissionais muito qualificados e com forte governança corporativa. Quem diz isso são duas das mulheres que fizeram parte do alto escalão de algumas das empresas mais importantes do país.

Andrea Almeida foi diretora financeira (CFO) da Petrobras (PETR4) e Elvira Presta foi vice-presidente executiva de finanças e Relações com Investidores da Eletrobras (ELET3). Ambas participaram da edição especial do podcast Market Makers, "Elas revolucionaram as estatais", em parceria com o Seu Dinheiro e o Money Times.

Almeida, a ex-executiva da Petrobras, disse que tinha preconceito com estatais até ser chamada para trabalhar na companhia. "Mas o time que encontrei [de concursados na empresa] era brilhante. Um time com a 'faca nos dentes'", contou, relembrando que chamou "a empresa inteira" para discutir performance.

Durante o período dela na companhia, destacou, a estatal aprovou uma nova política de dividendos, criou "uma série de diretrizes" para gerar valor no longo prazo e reduziu a dívida líquida de US$ 115 bilhões de para US$ 75 bilhões. "Todo mundo queria fazer o que era certo", frisou.

A executiva fez parte da Petrobras entre 2019 e 2021, em um momento marcado por alta volatilidade para os papéis por conta da covid-19 e das incertezas políticas em meio às expectativas sobre as eleições.

Ela, que também integrou o alto escalão da mineradora Vale (VALE3) por 25 anos, disse que foi essencial para a sua carreira ter uma estrutura familiar que a apoiasse.

E acrescentou que, se pudesse fazer algo diferente ao longo de sua trajetória, teria se colocado mais à frente dos ambientes de decisão. "Eu me sentaria mais à mesa", disse. "Acho que o mundo está mudando e temos que promover [a equidade de gênero] cada vez mais".

Governança das estatais

Elvira Presta, a ex-executiva da Eletrobras, disse ver um risco grande em integrar a equipe de uma estatal por se tornar uma pessoa politicamente exposta, e afirmou que as estatais têm um rito de governança muito rígido por conta dos órgãos de controle. "O grau de escrutínio é muito maior", afirmou.

Ela destacou o avanço da legislação nos últimos anos e afirmou que não teria sido eleita para o conselho se não fosse a Lei das Estatais. Já dentro da Eletrobras, disse, descobriu que não é possível fazer muita coisa. "Há coisas que a gente faz em uma empresa privada, como emitir uma debênture, que para fazer em uma estatal é mais difícil", opinou.

Outro ponto de diferença, segundo ela, é a impossibilidade de escolher a equipe de trabalho. "O time está lá, as pessoas são concursadas. Você é que tem que ser aceito por elas", disse, ressaltando sua dificuldade em um primeiro momento por "personificar o setor privado" na empresa. "As pessoas olhavam para mim com muita desconfiança".

Foi durante o período em que Presta esteve na Eletrobras, entre março de 2019 e setembro de 2023, que aconteceu a histórica privatização da estatal, uma novela que durou mais de 25 anos, com o vai-e-vem à mercê da política.

Presta disse ter visto no cargo de vice-presidente Financeira e de RI uma oportunidade para melhorar a gestão pública do país e destacou que foi um desafio fazer as informações da empresa chegarem ao investidor pessoa física. A Eletrobras, contou, melhorou documentos a partir de feedbacks, e participou de lives tomando cuidado com a linguagem técnica. "Acho que houve um esforço de comunicação".

Desafio da privatização da Eletrobras

Presta definiu a privatização da Eletrobras como "uma corrida de obstáculos" porque, segundo ela, o "rito era muito complexo". "Não é que a gente só fazia a privatização. A gente tocava a segunda estatal do país, tocava a maior empresa elétrica da América Latina", acrescentou.

Segundo a executiva, analistas tinham uma visão de que o processo era mais simples do que de fato o que ela via na empresa após a aprovação da lei que possibilitou a desestatização.

Presta citou a segregação da Eletronuclear e de Itaipu, além de ações judiciais pelo país, como exemplos de processos complexos que precisavam ser resolvidos. "A gente tinha uma força-tarefa coordenada pela AGU, com advogados do BNDES e do Ministério para lidar com ações judiciais em todo o país", contou.

A ex-vice-presidente financeira frisou que uma das condicionantes para a privatização era que o preço na oferta fosse maior do que os R$ 39,96 definidos a partir de dois estudos encomendados pelo BNDES – a oferta saiu a R$ 42.

  • Você está satisfeito com a sua carreira? Baixe o guia especial gratuito do Money Times, portal parceiro do Seu Dinheiro, para saber como você pode alcançar cargos mais altos e conseguir promoções melhores na sua área de atuação.

Desigualdade de gênero

Elvira definiu como "lamentáveis" os índices de participação das mulheres em cargos de executivos no país. "50% das empresas de capital aberto no Brasil não tem uma mulher estatutária, nenhuma mulher como diretora executiva ou conselheira", afirmou.

Para ela, esse é um número incompreensível porque há muita gente competente. A executiva recomendou que as mulheres aprendam a cuidar do seu dinheiro. "Você não vai poder tomar as melhores decisões se não tiver independência financeira".

Confira aqui a entrevista completa de Andrea Almeida e Elvira Presta para o Market Makers:

Compartilhe

NOVO NEGÓCIO

Braskem (BRKM5) vende controle da Cetrel para GRI de olho no setor de resíduos industriais

13 de junho de 2024 - 19:47

Petroquímica passa a deter 49,9% da empresa de gestão de resíduos

Socorro governamental

Com medida provisória, governo tenta salvar a combalida Amazonas Energia

13 de junho de 2024 - 18:53

Ministério de Minas e Energia avalia que a saúde econômico-financeira da companhia está deteriorada

RECOMENDAÇÃO

Goldman Sachs: Após 1º trimestre fraco, desafio da Arezzo&Co (ARZZ3) é crescer em meio à fusão com o Grupo Soma; é hora de comprar a ação?

13 de junho de 2024 - 15:00

Queda de 22% nas ações da varejista de calçados no ano levantou preocupações dos investidores sobre a criação da nova holding

VÃO DIZER SIM?

Elon Musk afirma que conselho aprovou bônus de US$ 56 bilhões e ações da Tesla saltam na bolsa

13 de junho de 2024 - 12:24

O bônus multibilionário já havia sido aprovado em 2018, mas foi barrado pela Justiça de Delaware. A votação para a reavaliação do pacote salarial de Elon Musk ocorre nesta quinta-feira (13)

Aquisições

Allos desiste de comprar parte do Shopping Rio Sul; mas avisa que ainda está de olho no negócio

13 de junho de 2024 - 10:33

Companhia informou que a Combrascan tem intenção de exercer seu direito de preferência na operação

MUDANÇAS EM FOCO

Americanas contrata ex-Casas Bahia e outros dois executivos; veja quem é o trio que vai compor a equipe da varejista — AMER3 dispara 22% na B3

13 de junho de 2024 - 10:06

Ex-diretor de soluções financeiras da Casas Bahia, Tiago Abate entrará como vice-presidente de clientes e parceiros da companhia

MEIOS DE PAGAMENTO

Cielo se prepara para sair da bolsa e uma dupla de empresas de maquininhas pode surfar essa onda, mas o Santander tem uma favorita

12 de junho de 2024 - 17:33

Os analistas avaliam que existe uma boa janela de curto prazo para a Stone e a PagSeguro em meio à queda das ações e à OPA da Cielo; veja quem é a preferida

Rali das “meme stocks”

‘Efeito Roaring Kitty’ faz GameStop levantar mais de US$ 2 bilhões com venda de ações

12 de junho de 2024 - 16:04

Varejista de videogames vendeu 75 milhões de ações após volta de trader que inspirou o épico ‘short squeeze’ em 2021

Mercado acionário

Bank of America corta preço-alvo para ações de bancões brasileiros, mas mantém recomendação

12 de junho de 2024 - 15:10

Combinação de receitas diversificadas, funding, controle de custos e balanços fortes são os fatores positivos apontados pelos analistas

DINHEIRO NO BOLSO

Dividendos milionários: Grupo Mateus (GMAT3) vai pagar mais de R$ 134 milhões para acionistas; confira os prazos e como receber

12 de junho de 2024 - 12:50

O anúncio da distribuição do JCP ocorre em um momento positivo para a companhia, que vem contrariando a crise no varejo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar