🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
MUDANÇA DE PERCURSO

A rota da Localiza (RENT3) foi calculada pelo BTG Pactual com o corte no preço-alvo das ações; o que fazer com as ações? 

Mesmo com a revisão, o banco ainda prevê uma valorização de mais de 70% dos papéis da locadora

Liliane de Lima
17 de junho de 2024
11:44 - atualizado às 11:43
localiza movida dividendos rent3
Imagem: Divulgação

Nem sempre o percurso é feito como o previsto no momento de partida do carro. Um engarrafamento, uma obra inesperada ou até mesmo a placa do veículo — para quem trafega na cidade de São Paulo — podem fazer o motorista “recalcular a rota”. 

Como nas ruas que podem ter percalços no meio do caminho, na bolsa não é diferente. De olho nos números do último trimestre e no horizonte do cenário macroeconômico, o BTG Pactual “recalculou a rota” da Localiza (RENT3). 

O banco reduziu o preço-alvo para as ações da companhia de R$ 90 para R$ 70 — o que ainda representa uma potencial valorização de 73,2% em relação ao fechamento na última  sexta-feira (14). 

Nesta segunda-feira (17), as ações da Localiza iniciaram o dia em queda. Por volta de 11h (horário de Brasília), os papéis RENT3 caíam 1,48%, a R$ 39,82 na B3.

Os buracos no caminho da Localiza

Na avaliação do BTG, o “recálculo da rota” da Localiza (RENT) deve-se aos percalços: o cenário macroeconômico —  e as tendências da indústria automobilística — que inclui a entrada dos carros chineses no mercado nacional

“Cortamos o preço-alvo em resposta aos trimestre mais fracos que o esperado, atribuídos, principalmente, em período prolongado necessário para a normalização da indústria — o que resultou em depreciação acima do esperado — e o período mais longo que o esperado para cortar a taxa de juros brasileira”, escrevem os analistas Lucas Marquiori, Fernando Recchia e Marcelo Arazi, que assinam o relatório. 

A tendência de alta depreciação dos veículos também é um obstáculo na rota da Localiza. 

Isso porque o preço médio dos carros zero km continuaram a aumentar em maio, ainda que em um ritmo mais lento. Enquanto isso, os preços dos automóveis usados continuaram a diminuir — o que contribui para um novo aumento da depreciação. 

“Embora esperamos que a tendência de depreciação [dos veículos] diminua à medida que a Localiza renove sua frota, adotamos uma abordagem conservadora”, escrevem os analistas. 

  • As melhores recomendações do analista Matheus Spiess na palma da sua mão: newsletter especial revela uma recomendação por dia; acesse aqui

Além disso, os analistas afirmam que, após anos de domínio de marcas ocidentais, o mercado automotivo brasileiro está passando por uma “mudança tectônica” com o avanço das marcas chinesas — que tornaram-se “grandes demais para serem ignoradas”.

“A acessibilidade superior e o reposicionamento bem-sucedido da marca fizeram com que os brasileiros se apaixonassem pelos carros chineses. Esta mudança é impulsionada pela percepção muito melhorada da qualidade do produto e o crescimento das vendas dos veículos elétricos”, diz o relatório.   

Hoje, as marcas chinesas BYD e GWM representam cerca de 5% das vendas de veículos novos no Brasil e já começaram a impactar os preços dos automóveis no mercado local. 

Impactos das enchentes no Rio Grande do Sul 

Para o BTG Pactual, as enchentes que afetaram o Rio Grande do Sul há um pouco mais de um mês devem impactar na redução das receitas das locadoras — como a Localiza — devido à ausência de encargos para carros alugados que não puderam ser devolvidos. 

O aumento dos custos de reparação de veículos e a dinâmica mais fraca de alienação de ativos, já que os carros mais danificados provavelmente serão leiloados a valores significativamente reduzidos, também entram na conta. 

A Localiza tem cerca de 20 lojas no estado gaúcho, com aproximadamente 20 mil carros na região — o que representa cerca de 3% da frota total da companhia. O BTG Pactual espera que a perda de frota seja inferior a 3% na região.  

“Embora os impactos possam afetar os resultados do segundo e possivelmente do terceiro trimestre, não esperamos que eles alterem materialmente a dinâmica de curto prazo da Localiza, dada a baixa relevância geral dos veículos danificados em comparação com suas frotas totais”, escrevem os analistas. 

O que fazer com RENT3? 

Mesmo com o ajuste no preço-alvo, o BTG Pactual manteve a recomendação de compra para as ações da Localiza. 

Para o banco, as ações RENT3 apresentam um “risco-recompensa” interessante, já que seguem negociadas a 14x preço/Ebitda (P/E), abaixo da média histórica dos últimos cinco anos, de 22x P/E.

Além disso, os analistas afirmam que a receita de locação (RAC, na sigla em inglês) mostra uma tendência “encorajadora” nos últimos trimestres, “apoiados por uma concorrência racional e uma procura resiliente”. 

“Apesar da falta de visibilidade no curto prazo dos seminovos, as divisões de locação têm um desempenho forte”, diz o relatório. 

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar