🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
MUNDO EM ALERTA

Os reais motivos de Putin que fizeram a guerra nuclear bater à porta do planeta — e que colocam a China em xeque

Inicialmente, o presidente russo suspendeu sua participação no Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas — conhecido como Novo Start — por causa da capacidade nuclear dos EUA, mas agora diz que não foi só por isso

Carolina Gama
26 de fevereiro de 2023
17:01 - atualizado às 16:37
Vladimir Putin vestindo terno azul marinho e camisa branca, em frente a um púlpito com dois microfones na frente
O presidente da Rússia, Vladimir Putin - Imagem: Divulgação/Kremlin

O perigo de uma guerra nuclear bateu à porta do planeta quando, na semana passada, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou a suspensão da participação de seu país no Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (conhecido como New Start), estabelecido com os EUA em 2010. 

A decisão aconteceu dias antes de a invasão da Ucrânia completar um ano e colocou o mundo em alerta sobre os próximos passos de Putin para garantir a vitória em uma guerra que não parece perto do fim. 

Mas engana-se quem acha que os EUA são os únicos responsáveis pela decisão de Putin. Em entrevista neste domingo (26), o presidente russo disse que não foi só a capacidade nuclear norte-americana que motivou a suspensão do acordo — outros países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) dividem essa conta.

Como vem fazendo ao longo da guerra, Putin afirmou em trechos veiculados por agências de notícias russas que o país enfrenta uma ameaça porque os membros da Otan estão buscando a "derrota estratégica" de seu país.

"Quando todos os principais países da Otan declararam que seu principal objetivo é nos infligir uma derrota estratégica... como podemos ignorar suas capacidades nucleares nessas condições?", questionou Putin.

Os reais motivos de Putin

O diretor da CIA, William Burns, disse mais cedo que a verdadeira questão por trás da invasão é a perda de controle de Putin sobre a Ucrânia e a ascensão do país como um Estado independente e democrático alinhado com o Ocidente. 

"Ele vê isso como uma ameaça direta à ambição que atinge o cerne de sua visão como líder russo", disse Burns à CBS. 

Na mesma entrevista, Burns ainda avaliou que Putin está "muito confiante" de sua capacidade de desgastar a Ucrânia". 

"Em algum momento, ele também terá que enfrentar custos crescentes, em caixões voltando para algumas das partes mais pobres da Rússia."

  • [TREINAMENTO GRATUITO] O Seu Dinheiro preparou 3 aulas exclusivas para ensinar tudo que você precisa saber para poder receber renda extra mensal com ações. Acesse aqui.

EUA colocam a China em xeque

Desde o início da invasão, a China diz ter uma postura neutra na guerra — ainda que tenha sinalizado várias vezes ter uma "amizade sem limites" com a Rússia, recusando-se a criticar a invasão à Ucrânia. 

Na sexta-feira (24), dia em que a guerra completou um ano, Pequim divulgou uma proposta de cessar-fogo e negociações de paz entre Moscou e Kiev. 

Neste domingo (26), os EUA voltaram a pressionar a China com relação à guerra. Embora tenha reconhecido que Pequim não se moveu para fornecer ajuda letal à Rússia na invasão da Ucrânia, o governo de Joe Biden deixou claro que tal movimento teria sérias consequências. 

“Pequim terá que tomar suas próprias decisões sobre como proceder, se fornecerá assistência militar, mas se seguir esse caminho, terá custos reais para a China”, disse o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, à CNN.

O diretor da CIA, William Burns, também falou sobre a China neste domingo. “Estamos confiantes de que a liderança chinesa está considerando o fornecimento de equipamento letal. Também não vemos uma decisão final já tomada e não vemos evidências de remessas reais de equipamento letal”, disse Burns à CBS.

*Com informações da AFP, da CNN e da CBS

Compartilhe

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

SÓ UMA PROMESSA?

Vai fechar o banco central, Milei? A nova declaração do presidente da Argentina sobre o futuro do BC do país

17 de maio de 2024 - 18:45

O presidente argentino está na Espanha e deu diversas declarações polêmicas a um público que o aplaudiu calorosamente; veja o que mais ele disse

O CUSTO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Xi Jinping na Rússia: o presidente da China está disposto a pagar o preço pela lealdade de Putin?

16 de maio de 2024 - 18:37

O líder chinês iniciou nesta quinta-feira (16) uma visita de Estado de dois dias à Rússia e muito mais do que uma parceria comercial está em jogo, mas o momento para Pequim é delicado

UM SUSPIRO

Os juros continuarão altos nos EUA? Inflação de abril traz alívio, mas Fed ainda tem que tirar as pedras do caminho

15 de maio de 2024 - 14:54

O índice de preços ao consumidor norte-americano de abril desacelerou para 3,4% em base anual assim como o seu núcleo; analistas dizem o que é preciso agora para convencer o banco central a iniciar o ciclo de afrouxamento monetário por lá

DESINFLAÇÃO ACELERADA

Boas notícias para Milei: Argentina tem inflação de um dígito e Banco Central promove corte de juros maior que o esperado

15 de maio de 2024 - 10:19

Os preços tiveram alta de 8,8% em abril, em linha com o esperado pelo mercado, que estimavam um avanço de preços entre 8% e 9%

UM PRATO QUE SE COME FRIO

A vingança da China: EUA impõem pacote multibilionário de tarifas a carros elétricos chineses e Xi Jinping quer revanche

14 de maio de 2024 - 20:03

O governo chinês disse que o país tomaria medidas resolutas para defender os seus direitos e interesses e instou a administração Biden a “corrigir os seus erros”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar