🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
A SINFONIA NÃO VEIO

O rock and roll de Powell: a declaração do presidente do Fed que fez os mercados perderem o ritmo

O ritmo mais brando de aperto monetário adotado pelo Fed no mês passado por ter curta duração depois do que disse o chefão do BC dos EUA ao Comitê Bancário do Senado; veja o que ele falou e mexeu com as bolsas no mundo

Carolina Gama
7 de março de 2023
13:50 - atualizado às 13:54
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, guiando os mercados

O sol voltou a brilhar para a economia norte-americana: os indicadores finalmente mostram uma reversão do esfriamento que poderia levar os EUA à recessão neste momento. Foi o que disse o presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, nesta terça-feira (7) ao Comitê Bancário do Senado

Essa é a sinfonia que os investidores há muito esperam ouvir, já que significa que os juros nos EUA devem parar de subir e, futuramente, começar a cair. Mas o Fed está mais para rock and roll. 

Embora Powell tenha reconhecido a melhora dos indicadores, o banco central não está convencido de que o ciclo de aperto monetário pode ser interrompido agora. 

E o motivo é sempre o mesmo: a inflação ainda não deu tréguas por lá — e inflação alta significa juros elevados também. 

“Os dados econômicos mais recentes foram mais fortes do que o esperado, o que sugere que o nível final da taxa de juros provavelmente será mais alto do que o previsto anteriormente”, disse Powell. 

E o chefão do Fed foi além: “Se a totalidade dos dados indicasse que um aperto mais rápido é justificado, estaríamos preparados para aumentar o ritmo das altas de juros.”

Os acordes das declarações de Powell estouraram os tímpanos dos investidores. Em Wall Street, o S&P 500, o Nasdaq e o Dow Jones aceleraram as perdas — com este último despencando 200 pontos de uma vez só. Por aqui, o Ibovespa renovou mínimas. 

Fed: traduzindo a canção de Powell

As declarações de Powell carregam duas implicações: a primeira é que o nível máximo ou terminal da taxa de juros deve ser maior do que a indicação dos membros do Fed e, a segunda, que a mudança no mês passado para uma porcentagem menor de aperto monetário — de 0,25 ponto percentual — pode ser de curta duração se os dados de inflação continuarem quentes.

O Fed apresenta projeções a cada trimestre. Em dezembro, quando fez isso pela última vez, os membros do comitê de política monetária fixaram a taxa terminal em 5,1%. Atualmente, os juros estão na faixa entre 4,50% e 4,75% ao ano. 

Hoje, o mercado está precificando um nível um pouco mais alto do que a taxa terminal projetada pelo Fed, no intervalo de 5,25% a 5,5%, de acordo com dados do CME Group. 

Embora tenha alertado que o ciclo de aperto monetário nos EUA não chegou ao fim, Powell não especificou o quão alto ele acredita que os juros vão subir.

O presidente do Fed reiterou que as decisões sobre a taxa referencial serão tomadas “reunião por reunião” e dependerão dos dados e de seu impacto na inflação e na atividade econômica, e não em um curso predefinido.

Inflação: a música de um acorde

A música de um só acorde de Powell tocou em um momento no qual os mercados estão mais otimistas de que o Fed pode domar a inflação sem jogar a economia em uma recessão. 

No entanto, os dados de janeiro mostram que a inflação medida pelo índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla em inglês) — a métrica preferida pelo Fed para a inflação — ainda está em um ritmo de 5,4% ao ano, um percentual bem acima da meta de longo prazo de 2% do Fed e um pouco acima do nível de dezembro.

“Restaurar a estabilidade de preços provavelmente exigirá que mantenhamos uma postura restritiva da política monetária por algum tempo”, afirmou.

“O registro histórico adverte fortemente contra o afrouxamento prematuro da política. Vamos manter o curso até que o trabalho seja feito”, acrescentou. 

Neste sentido, Powell disse que a tendência atual mostra que o trabalho de combate à inflação do Fed não acabou.

“Percorremos um longo caminho e os efeitos totais de nosso aperto até agora ainda não foram sentidos. Mesmo assim, temos mais trabalho a fazer”, disse.

Compartilhe

O PODER DA LOIRINHA

Efeito Eras Tour: como Taylor Swift pode impedir que um dos maiores bancos centrais do mundo corte os juros agora?

15 de junho de 2024 - 17:02

Termos como “Swiftflation” e “Swiftonomics” surgiram para se referir ao aumento nos gastos em serviços como hotéis, voos e restaurantes em torno das apresentações da cantora — e agora isso virou um problema para a política monetária

DESDE 1950…

Argentina está em crise, mas… desde quando? Banco Mundial aponta país como recordista de anos em recessão 

14 de junho de 2024 - 19:15

Em 1948, PIB per capita da Argentina era de cerca de 84% daquele das dez maiores economias do mundo; hoje, é de 34%

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar