🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
AY CARAMBA

‘Morte Cruzada’ no Equador: Entenda a crise envolvendo corrupção e narcotráfico que fez presidente dissolver o parlamento

O Conselho Nacional Eleitoral do Equador deve convocar eleições nos próximos sete dias e o pleito deve ocorrer dentro de 90 dias, mas o presidente pode governar sozinho por seis meses até a reposição dos parlamentares

Renan Sousa
Renan Sousa
17 de maio de 2023
10:59 - atualizado às 22:34
Presidente do Equador, o político de centro-direita Guillermo Lasso
Imagem: Montagem Seu Dinheiro / Divulgação

Pode não existir pecado ao sul do Equador, como diz a música de Chico Buarque, mas o que não falta é notícia. O país que recebe o mesmo nome do paralelo acaba de acrescentar mais um capítulo à sua turbulenta história política

O presidente do país, o político de centro-direita Guillermo Lasso, dissolveu a Assembleia Nacional nesta quarta-feira (17) e solicitou ao Conselho Nacional Eleitoral do Equador a convocação de novas eleições para o país.

Há pouco mais de um mês, a única Casa Legislativa por lá iniciou um processo de impeachment contra o chefe de governo. Desde então, o presidente ameaçou usar o mecanismo de muerte cruzada, ou morte mútua, contra o Congresso. 

Apesar do nome diferente, esse é um artigo na legislação equatoriana que autoriza o presidente a dissolver o Congresso e convocar novas eleições.

Entretanto, o pulo do gato vem em um segundo ponto da lei: o chefe de Estado pode governar sem parlamento por até seis meses.

Raízes da crise no Equador

Tudo começou com uma investigação iniciada pelo jornalista Andersson Boscán, do portal de notícias equatoriano La Posta. Ele havia sido convidado para prestar depoimento ao parlamento em um processo que investiga casos de corrupção em empresas públicas — e que chegou até o gabinete do presidente Lasso. 

Boscán encontrou indícios de que a campanha presidencial havia recebido dinheiro do narcotráfico, além dos problemas envolvendo a corrupção de empresas públicas e políticos aliados ao presidente. O documento conta com mais de 35 mil páginas, compiladas pela equipe do La Posta.

As investigações começaram em 2021, mas o depoimento de Boscán só veio a público neste ano — o jornalista temia pela sua segurança e da equipe de redação.

O presidente do país até tentou colocar panos quentes na situação, mas o parlamento instaurou um processo inicial de impeachment no início de março. De todo modo, foi só no dia 29 de maio que o pedido formal de impedimento foi aceito pelo Congresso — colocando Lasso em uma situação cada vez mais difícil.

  • Já sabe como declarar seus investimentos no Imposto de Renda 2023? O Seu Dinheiro elaborou um guia exclusivo onde você confere as particularidades de cada ativo para não errar em nada na hora de se acertar com a Receita. Clique aqui para baixar o material gratuito.

La muerte cruzada

Tanto o presidente Lasso quanto o parlamento equatoriano têm a popularidade baixa — 17% e 20%, respectivamente, segundo dados de maio. Apesar do nome, a “morte mútua” afeta mais diretamente o Congresso do que o próprio presidente.

O mecanismo instaurado na constituição do Equador em 2008 autoriza a dissolução do parlamento “em caso de crise política grave”, visando evitar uma convulsão social maior. Vale lembrar que desde 1998 nenhum presidente equatoriano conseguiu finalizar o mandato.

Os mais azarados do período, por assim dizer, foram Abdalá Bucaram, Jamil Mahuad e Lucio Gutiérrez. Durante nove anos — de 1996 até 2005 —, insurreições populares depuseram três presidentes à força.

Próximos passos do Equador

Há uma série de mecanismos previstos em lei para evitar que o governo tenha “poderes supremos” após dissolver o parlamento. Entretanto, essa é a primeira vez que a muerte cruzada foi acionada desde a criação. Em outras palavras, o futuro do país é incerto.

O Conselho Nacional Eleitoral do Equador deve convocar eleições nos próximos sete dias e o pleito deve ocorrer dentro de um prazo de 90 dias — ainda assim, Lasso pode governar sozinho por seis meses até a reposição dos parlamentares.

A situação do Equador

Equador na América Latina. Fonte: Google Maps

O pequeno país tropical situado a noroeste do Brasil tem pouco mais de 256 mil quilômetros quadrados de extensão — pouca coisa maior que os 248 mil quilômetros quadrados do estado de São Paulo.

Com uma inflação em 12 meses de 2,44% e um PIB que cresceu 2,34% no primeiro trimestre de 2023, o país pode parecer pacato à primeira vista — mas as convulsões sociais sempre foram uma pedra no sapato dos governantes. 

Em toda a sua história — que começou com a independência da Espanha em 1822 e algumas guerras com o Peru e a Colômbia —, o Equador teve 21 constituições, sendo que a mais recente foi votada em 2007 e aprovada em 2008.

A população majoritariamente composta por populações de indígenas e mestiços sempre foi historicamente deixada de lado pela classe política do país — motivo de tantas convulsões sociais ao longo dos anos. 

*Com informações do La Nación, American Quarterly e El Universo.

Compartilhe

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

SÓ UMA PROMESSA?

Vai fechar o banco central, Milei? A nova declaração do presidente da Argentina sobre o futuro do BC do país

17 de maio de 2024 - 18:45

O presidente argentino está na Espanha e deu diversas declarações polêmicas a um público que o aplaudiu calorosamente; veja o que mais ele disse

O CUSTO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Xi Jinping na Rússia: o presidente da China está disposto a pagar o preço pela lealdade de Putin?

16 de maio de 2024 - 18:37

O líder chinês iniciou nesta quinta-feira (16) uma visita de Estado de dois dias à Rússia e muito mais do que uma parceria comercial está em jogo, mas o momento para Pequim é delicado

UM SUSPIRO

Os juros continuarão altos nos EUA? Inflação de abril traz alívio, mas Fed ainda tem que tirar as pedras do caminho

15 de maio de 2024 - 14:54

O índice de preços ao consumidor norte-americano de abril desacelerou para 3,4% em base anual assim como o seu núcleo; analistas dizem o que é preciso agora para convencer o banco central a iniciar o ciclo de afrouxamento monetário por lá

DESINFLAÇÃO ACELERADA

Boas notícias para Milei: Argentina tem inflação de um dígito e Banco Central promove corte de juros maior que o esperado

15 de maio de 2024 - 10:19

Os preços tiveram alta de 8,8% em abril, em linha com o esperado pelo mercado, que estimavam um avanço de preços entre 8% e 9%

UM PRATO QUE SE COME FRIO

A vingança da China: EUA impõem pacote multibilionário de tarifas a carros elétricos chineses e Xi Jinping quer revanche

14 de maio de 2024 - 20:03

O governo chinês disse que o país tomaria medidas resolutas para defender os seus direitos e interesses e instou a administração Biden a “corrigir os seus erros”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar