🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
GEOPOLÍTICA

Biden na solitária: como os 2 meses de guerra entre Israel e Hamas deixou o presidente dos EUA tão isolado quanto Putin

Se em um primeiro momento a reação de Tel-Aviv foi percebida como direito legítimo à autodefesa, a escalada das ações militares israelenses passou a ser criticada como desproporcional — inclusive por aliados

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
7 de dezembro de 2023
13:03 - atualizado às 14:30
O presidente dos EUA, Joe Biden, sentado e apoiado em uma mesa, com uma caneta na mão, pensativo
O presidente dos EUA, Joe Biden - Imagem: Flickr Casa Branca

Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, em fevereiro de 2022, é difícil imaginar algum líder tão isolado no cenário internacional quanto Vladimir Putin. No entanto, a eclosão da guerra entre Israel e o grupo islâmico Hamas fez o líder russo ganhar uma espécie de companheiro de “solitária” geopolítica: o presidente dos EUA, Joe Biden.

Quem chama a atenção para a situação é Ian Bremmer, fundador e CEO do Eurasia Group.

O motivo é o apoio irrestrito de Biden à represália israelense aos atentados perpetrados pelo Hamas em 7 de outubro.

“Biden está provavelmente tão isolado no cenário global, dado o quão próximo está de Israel, o aliado mais próximo dos EUA nesta questão, como os russos estavam quando logo que invadiram a Ucrânia, o que é algo chocante de se afirmar”, disse Bremmer em entrevista à CNBC.

“Isso mostra o quão desafiadora será a continuação desta guerra para a política externa dos EUA”, acrescentou. 

A guerra em andamento no Oriente Médio completa dois meses nesta quinta-feira (7).

Nos atentados do Hamas contra Israel em 7 de outubro, mais de 1.200 pessoas morreram e 240 foram feitas reféns.

Já a retaliação israelense devastou a infraestrutura da Faixa de Gaza, obrigou mais de 1 milhão de civis palestinos a cruzarem a fronteira pelo Egito e resultou na morte de cerca de 16.200 pessoas, inclusive mais de 10 mil mulheres e crianças, segundo autoridades locais.

Se em um primeiro momento a reação de Tel-Aviv foi percebida como direito legítimo à autodefesa, a escalada das ações militares israelenses passou a ser criticada como desproporcional — inclusive por aliados.

Mas houve um aliado de Israel que se manteve firme: Joe Biden.

O primeiro-ministro de Isrtael, Benjamin Netanyahu, e o presidente dos EUA, Joe Biden, sentados lado a lado com as bandeiras de seus países atrás
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o presidente dos EUA, Joe Biden - Imagem: Casa Branca

EUA: o preço que Biden paga por apoiar Israel

Biden está pagando um preço alto pela carta branca que deu a Israel na guerra contra o Hamas. 

Em nível internacional, numerosos líderes e organizações de direitos humanos condenaram os EUA pelo apoio irrestrito ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. 

Durante as várias votações na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), que apelava por um cessar-fogo, Israel e os EUA foram muitas vezes os únicos países a votar contra a trégua. 

O ex-ministro egípcio das Relações Exteriores, Nabil Fahmy, disse no mês passado que os EUA estão “perdendo uma tremenda credibilidade no mundo árabe”.

“Os EUA precisam analisar seriamente o seu papel. Se quiserem apoiar uma ordem mundial estável baseada no Estado de direito, têm de exigir que todos respeitem o direito internacional, sejam amigos ou inimigos”, disse Fahmy, que serviu como ministro entre 2013 e 2014.

Dentro de casa, a situação de Biden não é muito melhor. 

Segundo Bremmer, internamente, essa é uma situação sem saída para Biden porque o presidente norte-americano tem uma maioria de democratas que estão cada vez mais alinhados com a posição palestina, enquanto os republicanos dizem que o chefe da Casa Branca é demasiado brando com Israel.

“Ele [Biden] realmente quer que essa guerra acabe. Ele realmente quer isso fora das manchetes. E, claro, é exatamente isso que não está acontecendo agora”, disse Bremmer. 

A DINHEIRISTA - BOOKING ME DEIXOU ‘SEM TETO’: ALUGUEI UM QUARTO E FIQUEI SEM TER PRA ONDE IR

A guerra por procuração

A verdade é que Biden está longe de sair dessa encruzilhada. A guerra entre Israel e o Hamas está se expandindo e novos atores regionais começam a dar as caras — e não estamos falando apenas do Hezbollah, no Líbano. 

A guerra por procuração na região colocou em cena os Houthis, “representantes” do Irã no Iêmen. O grupo está se envolvendo em significativos ataques ao tráfego hidroviário comercial e aos navios militares dos EUA desde que o conflito em Gaza começou.

“Portanto, este é realmente um problema do ponto de vista dos EUA e não vai melhorar tão cedo”, diz Bremmer. 

*Com informações da CNBC

Compartilhe

Eleições nos EUA

Trump é inevitável? Ex-presidente americano derrota Nikki Haley em casa por vasta margem e caminha para virar o candidato republicano

25 de fevereiro de 2024 - 11:01

Donald Trump vence as primárias republicanas no estado da Carolina do Sul, berço político da oponente Nikki Haley, por 60% dos votos

2 anos da guerra

Ocidente demonstra apoio a Kiev no 2º aniversário da guerra entre Ucrânia e Rússia; Zelensky assina acordos com Itália e Canadá

24 de fevereiro de 2024 - 20:18

Líderes do Ocidente foram à capital ucraniana neste sábado, pelo aniversário da guerra; ajuda dos EUA e da União Europeia ao país, no entanto, passa por dificuldades

THE FINAL COUNTDOWN

Contagem final? Como Trump pode consolidar indicação republicana antes do tempo e encarar Biden em novembro

23 de fevereiro de 2024 - 19:55

A vitória de Trump na Carolina do Sul escreveria o capítulo final de uma das histórias políticas mais importantes da última década

A MÁQUINA DE GUERRA VAI PARAR?

O presente de grego de Biden para Putin: 500 sanções dos EUA marcam o segundo ano da guerra entre Rússia e Ucrânia

23 de fevereiro de 2024 - 18:15

A União Europeia (UE) e o Reino Unido também anunciaram medidas punitivas e a resposta de Moscou não demorou muito; veja como o Kremlin reagiu

A SOCIEDADE DA NEVE

Este homem sobreviveu a uma queda de avião e a 72 dias na neve. Aqui está como ele fez isso — e o que você pode aprender

23 de fevereiro de 2024 - 14:32

Nando Parrado encerrou o BTG Summit 2024 com a palestra ‘Lições de Vida’; veja aqui os principais insights da apresentação

SEM FÓRMULA MÁGICA

Argentina precisa de um milagre? FMI dá a receita para os hermanos colocarem a casa em ordem

23 de fevereiro de 2024 - 13:21

Uma das maiores economistas do Fundo esteve na Argentina, onde conversou com o presidente Javier Milei e diversos membros do governo, incluindo o ministro da Economia, Luis Caputo; veja o que ela propôs

O RASANTE DA ÁGUIA

A China vai parar os EUA? As projeções da S&P Global para a maior economia do mundo este ano

22 de fevereiro de 2024 - 17:59

A agência de classificação de risco revisou de maneira significativa as previsões para a economia norte-americana e diz também o que espera da inflação e dos juros por lá

A FATURA VEIO ALTA

O primeiro prejuízo em 20 anos: o preço que o Banco Central Europeu teve que pagar para colocar a inflação de volta aos trilhos

22 de fevereiro de 2024 - 16:46

O BCE reportou 1,3 bilhão de euros (R$ 7 bilhões) em perdas no ano passado e o pior ainda pode estar por vir; entenda essa história

BAIXO NÍVEL, ALTA TENSÃO

Putin ‘FDP’, Biden ‘caubói’ e uma guerra nas estrelas: o que sabemos sobre a mais nova treta entre EUA e Rússia

22 de fevereiro de 2024 - 13:24

Presidentes de EUA e Rússia trocam farpas em meio a especulações de que uma guerra nas estrelas estaria mais próxima do que imaginamos

DEPOIS DO BALDE DE ÁGUA FRIA

Mistério revelado? Ata do Fed dá pistas do que pode acontecer com os juros em março

21 de fevereiro de 2024 - 17:27

Os investidores aguardavam o documento para entender o futuro da taxa referencial da maior economia do mundo e já se reposicionaram depois dos novos sinais desta quarta-feira (21)

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies