🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Estadão Conteúdo
NINGUÉM PERCEBEU?

Rombo da Americanas (AMER3) era um mistério? Saiba se os executivos sabiam das “inconsistências contábeis”

Especialistas em governança e nomes do mercado financeiro afirma que, dificilmente, um rombo dessa magnitude passaria despercebido pelos gestores ou pelas empresas de auditorias, ambos com livre acesso aos dados

Estadão Conteúdo
21 de janeiro de 2023
14:32 - atualizado às 14:35
Jorge Paulo Lemann, Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira, bilionários acionistas da Americanas (AMER3)
Jorge Paulo Lemann, Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira, acionistas da Americanas (AMER3). - Imagem: Estadão Conteúdo/Reprodução/Divulgação/Montagem Seu Dinheiro

As denúncias feitas pelo o ex-presidente da Americanas Sérgio Rial a respeito das "inconsistências contábeis" nas contas da varejista, descobertas apenas dez dias depois de assumir o cargo, trouxeram à tona a desconfiança sobre a possível responsabilidade de integrantes do conselho de administração e dos altos executivos ligados à companhia ao longo dos últimos anos.

No dia seguinte ao pedido de recuperação judicial, a principal pergunta feita por interlocutores do mercado financeiro era se o alto escalão da empresa sabia do rombo bilionário e foi conivente com a situação, o que apontaria para um possível caso de fraude nos balanços da varejista.

Mas, afinal, era possível que os executivos e investidores de referência das Americanas, como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira — que lideram o fundo de investimentos 3G Capital — , soubessem do problema antes mesmo de ele ser denunciado por Rial?

Conforme apurou o Estadão com fontes do mercado financeiro, a desconfiança em relação aos executivos da Americanas acabou sendo agravada diante das notícias de que membros da diretoria da empresa teriam vendido quantias expressivas em ações pouco tempo antes de o caso ser divulgado por Rial.

Para um executivo do setor, que pediu para não ser identificado, se a direção da Americanas não sabia, tinha "uma grande desconfiança" sobre o buraco no balanço.

Apesar de não serem taxativos em acusar os executivos de fraude, os especialistas em governança e nomes do mercado financeiro ouvidos pela reportagem concordam ao dizer que, dificilmente, um rombo dessa magnitude passaria despercebido pelos gestores ou pelas empresas de auditorias, ambos com livre acesso aos dados.

Na avaliação de Fernando Ferrer, analista da Empiricus Research, as inconsistências contábeis podem ter passado despercebidas pelos analistas que acompanham o desempenho da companhia uma vez que os relatórios de desempenho enviados ao mercado não trazem todas as operações, mas sim um resumo das atividades financeiras.

"Sem acesso a todos os números, para nós, os balanços apontavam apenas que a empresa queimava muito o seu caixa", diz.

Leia também

Como o rombo desapareceu do balanço da Americanas (AMER3)?

Além dos questionamentos sobre se houve ou não omissão da companhia e da PwC — empresa que auditou os últimos balanços da varejista —, outra dúvida recorrente quando o assunto é o rombo que supera R$ 40 bilhões na Americanas é de como essas dívidas teriam sido omitidas dentro dos relatórios e passado despercebidas por inúmeros gestores.

O analista da Empiricus diz que, ao discriminar os seus passivos no balanço —  termo utilizado para descrever itens como dívidas e operações de crédito — , a varejistas não estaria reportando o valor total da sua dívida envolvendo as operações de risco sacado, apenas o montante relativo aos juros.

"Simplificando muito, é como se a Americanas comprasse uma TV através do crédito de risco sacado, mas não colocasse o custo total desse 'empréstimo' na sua tabela de passivos, apenas o valor do juros, sem falar o preço pago pela TV", diz. "Assim, o endividamento real da empresa não aparecia."

Ferrer acredita que o escândalo envolvendo as Americanas pode ter um "lado positivo" para os investidores porque, de agora em diante, as casas de análises cobrarão das companhias por mais transparência nas suas demonstrações de resultado.

"O mercado vai passar a exigir novas formas de reportar essas informações. Eu mesmo entrei em contato com todas as empresas que eu acompanho pedindo mais informações sobre possíveis operações de risco sacado feitas por elas", afirma.

  • 11 ações para buscar lucros neste ano: conheça a lista de empresas consideradas as melhores ‘apostas’ para 2023, segundo especialistas do mercado ouvidos pelo Seu Dinheiro. ACESSE AQUI

Se, de um lado, alguns analistas não descartam a possibilidade de fraudes contábeis, de outro, alguns investidores já apontam que o alto comando da companhia tinha conhecimento dos problemas antes mesmo de Sérgio Rial assumir o controle do negócio.

"Parece que o Rial entrou na empresa sabendo que havia um problema. A Americanas deve fazer a triangulação com o Santander. Talvez ele já soubesse e constatou o problema quando assumiu o cargo", diz Marcello Marin, diretor financeiro da empresa de contabilidade e gestão Spot Finanças.

Há quem seja mais taxativo em relação à hipótese de fraude. É o caso do advogado Daniel Gerber, que representa um grupo de acionistas minoritários da Americanas. "Acreditar que foi desatenção é como acreditar em Papai Noel", afirma.

Segundo ele, o rombo nas finanças da varejista não foi um acidente, mas sim o que chamou de "uma ação orquestrada durante anos".

Conforme adiantou o Estadão, o advogado informou que os acionistas minoritários da Americanas querem responsabilizar criminalmente a consultoria PwC, que auditou o último balanço financeiro da varejista, além de pedir o afastamento dos três acionistas de referência da companhia e de qualquer empresa com capital aberto.

Compartilhe

NOVOS INVESTIMENTOS

Petrobras (PETR4) anuncia parceria com empresa chinesa para projetos de energias renováveis e transição energética

18 de abril de 2024 - 11:17

Apesar do destaque para energias renováveis, parceria da Petrobras com a China National Chemical Energy Company também inclui acordos comerciais para exploração de petróleo

FABRICANTE DE CHIPS

Mesmo com lucro quase 10% maior, por que investidores penalizam as ações da “rival” da Nvidia, a TSMC?

18 de abril de 2024 - 10:29

Os lucros da TSMC são vistos como um indicador para a demanda global por chips, devido ao seu papel fundamental na indústria de fabricação e à importância de seus clientes

OFERTA DE AÇÕES

Sabesp (SBSP3): governo Tarcísio define modelo de privatização e autoriza aumento de capital de até R$ 22 bilhões; saiba como vai funcionar

18 de abril de 2024 - 10:21

Venda do controle da Sabesp ocorrerá via oferta de ações, com seleção de acionista de referência pelo mercado a partir das duas melhores propostas

O TAL DO MULTIFAMILY

Dona de 5 mil apartamentos, Brookfield aposta no mercado residencial para a renda e diz o que falta para o segmento decolar no Brasil

18 de abril de 2024 - 6:05

Demanda não falta, mas o vice-presidente sênior da gestora lista duas grandes dificuldades que o multifamily enfrenta no país

AS ÁGUAS VÃO ROLAR

A privatização da Sabesp vem aí: cidade de São Paulo dá um passo fundamental para a desestatização da companhia

17 de abril de 2024 - 20:18

Entre os cerca de 370 municípios atendidos pela Sabesp, São Paulo representa entre 45% e 50% da receita total da empresa de saneamento

MERCADO LOGÍSTICO

Muito além de Cajamar: Log (LOGG3) prevê maior demanda por galpões fora do Sudeste, mas ainda nos grandes centros

17 de abril de 2024 - 16:31

No quarto trimestre, por exemplo, a companhia entregou 131 mil metros quadrados em Salvador, Brasília e Maceió

POR QUE A PRESSA?

Vale (VALE3): a surpresa dos dados que fazem as ações subirem e os bancões correrem

17 de abril de 2024 - 14:47

A mineradora apresentou dados operacionais do primeiro trimestre de 2024 e o mercado refez as contas sobre como será o desempenho financeiro da companhia, que ainda tem pedras no caminho — saiba se é hora de comprar ou vender

ELE MERECE?

Tesla pede a acionistas que votem para aprovar pagamento de US$ 56 bilhões a Elon Musk barrado pela Justiça; entenda o caso

17 de abril de 2024 - 13:17

O bônus ao bilionário foi aprovado em 2018, mas o Tribunal de Delaware barrou o pacote após uma extensa disputa judicial entre um dos acionistas da Tesla e o CEO da companhia

O MERCADO NÃO GOSTOU

Vai decidir quando? Oi (OIBR3) adia pela quarta vez assembleia de credores que votará plano de recuperação judicial  — ações tocam mínima na bolsa

17 de abril de 2024 - 12:11

Os papéis da companhia caíram 1,47% e atingiram o menor valor do dia depois que a votação foi postergada junto com o stay period; confira a nova data e o novo horário

ATENÇÃO, ACIONISTAS

Klabin (KLBN11) e Gerdau (GGBR4) vão distribuir mais de R$ 5,5 bilhões em ações; veja como vai funcionar a bonificação

17 de abril de 2024 - 9:56

O bônus funciona como uma distribuição gratuita de novos papéis para os acionistas das empresas — mas existe data de corte para receber a “remuneração”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar