🔴 03/06 – ‘GATILHO’ PARA BUSCAR ATÉ R$ 2 MILHÕES COM CRIPTOMOEDAS PODE SER DISPARADO – SAVE THE DATE

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
NÃO É PRA COMPRAR

Citi rebaixa Rede D’Or para neutro e corta preço-alvo; saiba por que as ações RDOR3 estão em observação

A recomendação anterior era de compra. O preço-alvo foi cortado de R$ 39 para R$ 33 para 12 meses — o que representa um potencial de valorização de 12% com relação ao fechamento de quinta-feira (19).

Carolina Gama
20 de janeiro de 2023
14:17 - atualizado às 17:31
Fachada do hospital Glória D'Or, no Rio de Janeiro, pertencente à Rede D'Or (RDOR3). A empresa, que já é acionista da Qualicorp (QUAL3) chegou a um acordo para compra da SulAmerica (SULA11)
Imagem: Divulgação/Rede D'Or

O caso não é de internação, mas as ações da Rede D'Or (RDOR3) foram colocadas em observação pelo Citi. Entre os sintomas identificados pelo banco estão a ausência de fusões e aquisições no horizonte da empresa de saúde e projeções de lucratividade menor. 

Agora, a recomendação para RDOR3 não é mais de compra e sim neutra, enquanto o preço-alvo foi cortado de R$ 39 para R$ 33 para 12 meses — o que representa um potencial de valorização de 12% com relação ao fechamento de quinta-feira (19). 

Vale lembrar que, no final do ano passado, a Rede D'Or concluiu o processo de fusão com a SulAmérica. O negócio está avaliado em R$ 7 bilhões. 

Por volta de 14h, as ações RDOR3 operavam em queda de 4,98%, cotadas a R$ 28,07, figurando entre as maiores baixas do Ibovespa. 

Por que cortar Rede D'Or?

Não é porque rebaixou a recomendação de Rede D'Or e cortou o preço-alvo de RDOR3 que o Citi não vê pontos positivos para a empresa. 

O banco diz que enxerga oportunidades de longo prazo para a ação do setor de saúde e diz que o recente acordo ousado com a SulAmérica deve ajudar não apenas a “reduzir o risco” de seus ambiciosos planos de crescimento, mas também impulsionar sinergias operacionais — estimadas preliminarmente em R$ 6 bilhões. 

Mas o Citi também acredita que a complexidade operacional da NewCo — como está sendo chamada a nova empresa no momento — deve ser maior daqui para frente. 

Além disso, o banco espera que a combinação de risco de execução de projetos de curto prazo, a falta de fusões e aquisições no longo prazo e ventos contrários persistentes devem pesar sobre as perspectivas de lucratividade da Rede D'Or. O Citi reduziu suas previsões para ganhos da empresa em até 25% para o período 2023-2024.

Com a ação agora sendo negociada perto de 18,8x preço/lucro (P/L) em 2024 e algum risco negativo para as projeções de consenso, o Citi vê um risco-recompensa mais equilibrado neste momento para as ações RDOR3. 

O que vem por aí 

O Citi reduziu as estimativas de ganhos para 2023 e 2024 para a Rede D'Or em 21% e 25%, respectivamente, refletindo um desempenho um pouco mais fraco e alavancagem operacional mais branda.

Além disso, o banco alerta que os ventos contrários de MLR (medical loss ratio, em inglês, um indicador de sinistralidade) no setor de saúde privada continuam pesando sobre o capital de giro dos prestadores de serviços, com o ciclo de recebíveis da RDOR3 permanecendo consideravelmente acima do histórico. 

Compartilhe

FABRICANTE DE CHIPS

É hoje! Veja o que analistas esperam do balanço da Nvidia: crescimento da gigante da Inteligência Artificial perdeu vapor?

22 de maio de 2024 - 11:02

Dados consensuais da Bloomberg apontam para uma expectativa de crescimento de 400% do lucros em comparação ao trimestre imediatamente anterior

O boi Subiu no telhado?

Sinal vermelho para a Minerva (BEEF3): autoridade uruguaia barra compra de plantas de abate da Marfrig (MRFG3) no país

21 de maio de 2024 - 18:38

O negócio faz parte de uma transação de R$ 7,5 bilhões anunciada em agosto do ano passado; Minerva deve recorrer da decisão

LUCHA LIBRE DAS FINTECHS

Como o Mercado Livre (MELI34) pretende enfrentar o Nubank em disputa pelo mercado do México

21 de maio de 2024 - 17:26

O Mercado Pago está em busca de uma licença bancária para se estabelecer como “o maior banco digital do México”, em uma briga direta com o Nu

FICOU BARATA?

Ação da Suzano não para de cair na B3 — e esse bancão vê dois futuros possíveis para SUZB3. É hora de abocanhar os papéis?

21 de maio de 2024 - 12:28

O BTG Pactual acredita que a intensa desvalorização recente abriu uma oportunidade de se tornar sócio da companhia a preços muito baixos — mas há riscos no radar

NADANDO COM TUBARÕES

Adeus, Shark Tank? Justiça acata recuperação judicial da Polishop, de João Appolinário

21 de maio de 2024 - 12:16

Em meio a cobranças e ações de despejo, recuperação judicial protege a Polishop de seus credores por 180 dias

TENTATIVA DE RECUPERAÇÃO

Unigel obtém acordo com credores para reestruturar dívida de mais de R$ 4 bilhões

21 de maio de 2024 - 9:40

A empresa de químicos começou a romper compromissos com alguns credores em setembro de 2023, antes de entrar com a proposta de recuperação

REPORTAGEM ESPECIAL

Pão de Açúcar (PCAR3) volta às origens e tenta se reinventar após “desmanche” no fim da era Casino

21 de maio de 2024 - 6:19

Situação do Pão de Açúcar pode mudar à medida que a atual administração consiga trazer a operação de volta à rentabilidade; saiba o que esperar das ações da rede de supermercados

AVAL DOS MUNICÍPIOS

Sinal verde para privatização: Municípios de SP aprovam “último passo” para desestatizar a Sabesp (SBSP3)

20 de maio de 2024 - 18:47

No passo final do processo de desestatização, centenas de prefeitos de São Paulo assinaram um contrato unificado com a companhia de saneamento

DE OLHO NAS REDES

Interferência na Petrobras ainda vai longe? Os planos de Lula para a empresa não agradam nem um pouco o mercado — e agora? 

20 de maio de 2024 - 18:11

Os ruídos dentro na Petrobras (PETR4) não são de agora e a principal preocupação do investidor de PETR4 é a influência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na estatal.  Enquanto o governo quer que a estatal faça cada vez mais investimentos, o mercado enxerga que isso pode ser um perigo, dado o risco de […]

ENTENDA O IMBRÓGLIO

Vibra (VBBR3) compra seu edifício-sede no Rio, mas transação causa impasse para investidores de CRI e fundos imobiliários

20 de maio de 2024 - 17:02

Não se trata de um calote como os vistos no mercado de CRI no ano passado, mas sim de uma situação muito mais complexa do ponto de vista jurídico

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar