🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
MARKET MAKERS #40

Limite para gastos é principal trunfo do arcabouço fiscal, o resto é “bobagem”, diz Kapitalo

No episódio #40 do Market Makers, três gestores e sócios da Kapitalo, Bruno Cordeiro, Carlos Woelz e Nuno Sampaio, contam as projeções para o cenário doméstico

Camille Lima
Camille Lima
14 de abril de 2023
18:21 - atualizado às 18:28
Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo Investimentos
Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo Investimentos - Imagem: Divulgação/Santander

O arcabouço fiscal e as intensas brigas entre o governo Lula e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, foram foco dos noticiários da economia nos últimos meses. A incerteza no campo doméstico ainda afetou as visões do mercado financeiro para investimentos na bolsa de valores brasileira, a B3.

Isso porque há muito ruído envolvendo o cenário local — e muitos motivos para ficar pessimista para além do curto prazo, segundo a Kapitalo Investimentos.

Fundada em 2009, a Kapitalo é atualmente uma das principais gestoras independentes do Brasil, com R$ 30 bilhões em ativos sob gestão espalhados em 13 estratégias diferentes, e foi a protagonista do episódio #40 do Market Makers.

A nova edição do bate-papo conta com a presença dos três gestores e sócios da empresa, Bruno Cordeiro, Carlos Woelz e Nuno Sampaio.

Um dos fundadores da Kapitalo, Carlos Woelz hoje comanda quatro estratégias, incluindo gestão macroeconômica de Brasil e internacional. Na visão do gestor, existem pontos positivos e negativos acerca da regra fiscal proposta pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

“Eu acho que o teto de gastos no nível que foi anunciado é muito bom, em 2,5% [de crescimento ao ano]. Acho que o mercado tem muito medo de uma explosão de gastos, então qualquer tipo de teto é muito bom, então eu entendo porque o mercado está reagindo de maneira relativamente positiva à restrição”, afirma Woelz.

Porém, exceto pela limitação do crescimento dos gastos ao ano, o sócio da Kapitalovê um tremor fiscal e medidas que teriam efeito apenas no longo prazo. “O resto do arcabouço fiscal é meio bobagem”, disse Carlos. As regras fiscais no Brasil não duram muito tempo.”

“Eu acho que não vale nada o arcabouço se, na primeira desaceleração [econômica], ele vai ser rasgado. [...] Acredito que o teto de gasto é mais um piso de gastos do que um teto de gastos. Qualquer chacoalho [da economia], vai ter regra por fora.” 

Para Bruno Cordeiro, a redução dos juros e a velocidade dos cortes vai depender da “reação do governo, que a gente não sabe quão histérico vai ficar ao enxergar uma desaceleração [econômica]”.

Confira aqui a conversa na íntegra:

O Brasil e o arcabouço fiscal

Enquanto isso, o gestor Nuno Sampaio, que cuida da área de macroeconomia internacional enxerga o cenário atual em um momento “pró-cíclico”.

“Se as condições, tanto globais quanto internas, forem boas, aumenta a chance do arcabouço fiscal ser preservado, diminui a pressão por gastos e a gente tem uma chance maior de navegar e chegar na próxima eleição numa fotografia boa. Mas, se o cenário for ruim, aí é o contrário. As chances da gente chegar numa fotografia não é tão boa.”

Na visão de Woelz, no ano passado, o mercado erradamente percebia o crédito privado como sem risco. “Houve uma captação absurda para instrumentos privados no segundo semestre do ano passado”.

“Agora, com a Americanas, as pessoas viram o risco que tinha e agora eu acho até que estão superestimando o risco, na margem. A conversa mudou totalmente de lado, de um lado de ‘não tem risco nenhum’ para ‘a Americanas muda tudo’”, afirma.

Em conversa com os apresentadores Thiago Salomão e Renato Santiago, o sócio da Kapitalo avaliou ainda a possibilidade de uma recessão brasileira. “Discutir uma desaceleração no Brasil é mais do que uma necessidade, é uma obrigação.”

Woelz é pessimista na avaliação do Brasil e acredita que “a gente vai reagir a esse cenário, em termos de políticas, de maneira bem ruim”.

Porém, apesar da visão mais negativa para a cena doméstica, Woelz enxerga o Brasil “muito barato”.

“A bolsa brasileira está numa das pouquíssimas vezes que, como a gente teve um aumento muito significativo de juro real, tem prêmio em relação à renda fixa”, conta. “Hoje, o valor esperado de você comprar a bolsa brasileira é um dos maiores que eu já vi.”

Quer saber o porquê de o gestor não estar comprado em bolsa brasileira apesar do desconto? Veja aqui a conversa completa:

Compartilhe

Mudanças climáticas

Investimento verde é coisa de gringo, mas isso é bom para nós: saiba quais são as apostas ESG do investidor global no Brasil

17 de maio de 2024 - 6:33

Saiba para quais segmentos e tipos de negócios o investidor global olha no Brasil, segundo Marina Cançado, idealizadora de evento que aproximará tubarões internacionais com enfoque ESG do mercado brasileiro

LOTERIAS

Mega-Sena e Quina decepcionam de novo, mas Lotofácil faz 2 meio-milionários — e eles apostaram de um jeito diferente

17 de maio de 2024 - 5:42

Nenhum dos ganhadores da Lotofácil apostou em uma casa lotérica; na Mega-Sena e na Quina, os prêmios acumulados têm oito dígitos

E VEM MAIS POR AÍ

Uma ajuda extra da Receita: lote de restituição do Imposto de Renda para o Rio Grande do Sul supera R$ 1,1 bilhão

16 de maio de 2024 - 19:46

Além de incluir os gaúchos no primeiro lote de restituição, a Receita promoverá medidas para ajudar o contribuinte do estado castigado pelas enchentes

LOTERIAS

Lotofácil faz 2 meio-milionários, Quina acumula de novo e Mega-Sena oferece prêmio turbinado

16 de maio de 2024 - 5:58

Lotofácil sai para uma aposta comum e para um apostador “teimoso”; concurso de final 5 turbina prêmio da Mega-Sena

LOTERIAS

Bolão fatura Lotofácil e faz 4 milionários de uma vez só; Mega-Sena acumula e prêmio dispara

15 de maio de 2024 - 6:02

A Lotofácil estava acumulada ontem, o que engordou o prêmio da “máquina de milionários”; Quina acumulou de novo

MULTIMERCADOS

Ex-colega de Campos Neto no BC, gestor da Itaú Asset aposta em Copom mais rígido com os cortes na Selic daqui para frente

14 de maio de 2024 - 19:58

Ex-diretor de política monetária do BC entre 2019 e 2023 — sob o comando de RCN —, o economista Bruno Serra revelou o que espera para os juros no Brasil

LANCE REVISADO

Ata do Copom mostra divisão mais sutil entre Campos Neto e diretores escolhidos por Lula

14 de maio de 2024 - 10:18

Divergência entre os diretores do Banco Central se concentrou no cumprimento do forward guidance, mas houve concordância sobre piora no cenário

DE OLHO NAS REDES

Adeus, Campos Neto: logo a presidência do Banco Central deve ir para as mãos de um indicado de Lula — “o telefone vermelho vai tocar”

13 de maio de 2024 - 18:06

Campos Neto logo deixará a presidência do Banco Central. Quais são os riscos de um indicado de Lula tomar o lugar?

PESQUISA FOCUS

Projeção para Selic volta a subir após bola dividida no Copom a poucos meses da saída de Campos Neto

13 de maio de 2024 - 10:59

Estimativa para Selic no fim de 2024 sobe pela segunda semana seguida na Focus depois de Campos Neto ter precisado desempatar votação

SAINDO DO VERMELHO

Desenrola para MEI começa amanhã — e aqui está tudo o que você precisa saber para renegociar dívidas no Descomplica Pequenos Negócios

12 de maio de 2024 - 16:00

Não há limite para os valores das dívidas, mas só será possível renegociar débitos não pagos até 23 de janeiro deste ano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar