🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
NEGÓCIO DA CHINA

Os cinco pontos que você precisa saber sobre o encontro entre Lula e Xi Jinping

Acordos comerciais, negociação da paz entre Rússia e Ucrânia e câmbio foram alguns dos momentos mais importantes da visita do presidente brasileiro a Xangai e Pequim

O presidente da China, Xi Jinping (e) recebe no Grande Palácio do Povo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (d). Neste encontro assinaram uma série de acordos comerciais e de parceria
O presidente da China, Xi Jinping (e) recebe no Grande Palácio do Povo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (d). Neste encontro assinaram uma série de acordos comerciais e de parceria - Imagem: Ricardo Stuckert/PR

Muito além de um negócio da China. Assim pode ser definida a viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Pequim e a Xangai — o petista traz na mala muito mais do que os 15 acordos comerciais fechados com os chineses. 

A ideia de Lula foi recolocar o Brasil no protagonismo entre os países emergentes. Para isso, o presidente fez questão de tratar de questões globais com o líder da China, Xi Jinping. 

Um dos assuntos discutidos por eles, por exemplo, foi a guerra entre Rússia e Ucrânia. Mais uma vez, o petista fez questão de colocar o Brasil à disposição para as negociações de paz. 

O movimento, no entanto, vem acompanhado de riscos já que Lula navega nos mares revoltos da relação da China com os EUA. Em fevereiro, o petista esteve em Washington para um encontro com o presidente norte-americano, Joe Biden. 

Na ocasião, Lula e Biden enviaram a mensagem de que juntos, Brasil e EUA poderiam superar desafios, em especial os que ameaçam a democracia. 

  • Você conhece a “profecia do Bitcoin”? Segundo entusiastas de criptomoedas, o BTC pode substituir o sistema financeiro tradicional nos próximos anos – e as crises bancárias recentes estão fortalecendo cada vez mais essa tese. Este é o momento para comprar bitcoin? Descubra aqui.

Os acordos fechados por Lula

Lula e Xi assinaram nesta sexta-feira (14), em Pequim, 15 acordos comerciais e de parceria. 

Os termos assinados entre os dois países incluem acordos de cooperação espacial, em pesquisa e inovação, economia digital e combate à fome, intercâmbio de conteúdos de comunicação entre os dois países e facilitação de comércio.

Um dos acordos prevê o desenvolvimento do CBERS-6, o sexto de uma linha de satélites construídos na parceria bilateral. 

De acordo com o governo brasileiro, o diferencial do novo modelo é uma tecnologia que permite o monitoramento de biomas como a Floresta Amazônica, mesmo com nuvens.

Outros documentos assinados tratam de certificação eletrônica para produtos de origem animal e dos requisitos sanitários e de quarentena que devem ser seguidos por frigoríficos para exportação de carne do Brasil para a China. O Brasil é o maior fornecedor de carne bovina para o país asiático e 60% da produção brasileira são vendidos para a China.

No contexto da visita do presidente brasileiro, o setor empresarial também anunciou 20 novos acordos entre os dois países em áreas como energias renováveis, indústria automotiva, agronegócio, linhas de crédito verde, tecnologia da informação, saúde e infraestrutura.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, esses acordos somam-se àqueles anunciados durante o Seminário Econômico Brasil-China, realizado em 29 de março, totalizando mais de 40 novas parcerias. Lula deveria ter feito essa viagem no fim do mês passado, ocasião do seminário, mas um quadro de pneumonia o obrigou a adiar o compromisso.

Embora importantes, os acordos não foram os pontos mais altos da visita de Lula à China. O Seu Dinheiro listou os momentos mais simbólicos da viagem. 

Os pontos altos da viagem à China

  • A posse de Dilma no banco do Brics

O presidente chegou na quarta-feira (12) a Xangai, a primeira parada da visita à China. A parada foi estratégica: participar na quinta-feira (14) da posse de Dilma Rousseff como presidente do banco do Brics — bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. 

O que Lula disse lá: “Toda noite me pergunto porque todos os países precisam fazer seu comércio lastreado no dólar. Por que não podemos fazer comércio lastreado na nossa moeda? Por que não podemos ter o compromisso de inovar? Quem é que decidiu que era o dólar a moeda depois que o ouro desapareceu como paridade? Por que não foi o iene? Por que não foi o real, o peso? Porque as nossas moedas eram fracas, não tinham valor em outros países”, disse Lula no discurso de posse de Dilma. 

  • A visita à fábrica da Huawei

Além da posse de Dilma, o presidente brasileiro também visitou o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Huawei, uma das principais empresas de tecnologia da China.

O que Lula disse lá: "Fizemos uma visita à Huawei em uma demonstração que queremos dizer ao mundo que não temos preconceito em nossas relações com os chineses. Ninguém vai proibir que o Brasil aprimore sua relação com a China", disse o presidente na reunião aberta entre os líderes.

  • Outros compromissos de Lula em Xangai

Lula também se reuniu com executivos de outras companhias chinesas, entre eles, o CEO da BYD, Wang Chuanfu, e o presidente do Conselho da China Communications Construction Company (CCCC), Wang Tongzhou. O presidente brasileiro teve ainda um encontro com o secretário-geral do Partido Comunista em Xangai, Chen Jining. 

O encontro foi fechado, sem declarações públicas, mas ficou acertado, por sugestão do ministro da Fazenda Fernando Haddad, que o governo da Bahia vai avaliar a viabilidade de desapropriar, a título de interesse público, a fábrica da Ford em Camaçari, para que a planta seja vendida à montadora chinesa BYD. O investimento é de cerca de R$ 10 bilhões. 

  • Lula com Xi em Pequim

O assunto principal do encontro foi a relação comercial entre os países e parcerias em áreas estratégicas, como tecnologia. Durante a reunião desta sexta-feira (14) em Pequim, Lula disse que a China tem sido uma "parceira preferencial do Brasil" nas relações comerciais e que busca junto ao país asiático equilibrar a geopolítica mundial.

O que Lula disse lá: "É com a China que a gente mantém o mais importante fluxo de comércio exterior. É com a China que nós tivemos a nossa maior balança comercial, e é junto com a China que nós temos tentado equilibrar a geopolítica mundial, discutindo os temas mais importantes. A minha visita à China neste momento é de reconhecimento dessa parceria e para que a gente possa aumentar, ainda, a nossa parceria instantânea. A minha viagem, neste momento, é uma viagem em busca de aumentar aquilo que nós temos de bom", disse Lula.

*Com informações do G1 e da Agência Brasil

Compartilhe

DESDE 1950…

Argentina está em crise, mas… desde quando? Banco Mundial aponta país como recordista de anos em recessão 

14 de junho de 2024 - 19:15

Em 1948, PIB per capita da Argentina era de cerca de 84% daquele das dez maiores economias do mundo; hoje, é de 34%

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar