🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
DÊ O PLAY!

O Copom e o Fed na encruzilhada: o que vai acontecer com os juros — e onde investir?

O BCB e o Fed têm sido pressionados a aliviar a trajetória dos juros. No entanto, a próxima rodada de decisões não deve trazer mudanças

Victor Aguiar
Victor Aguiar
29 de abril de 2023
8:11 - atualizado às 7:43
Placa do Banco Central do Brasil (BC), autoridade monetária que conduz as reuniões do Copom para a decisão da Selic; a autarquia também é responsável pelos dados de fluxo cambial. Greve de funcionários
Imagem: Shutterstock

Ninguém gosta de juros altos (tirando os bancos e os rentistas). O presidente Lula não gosta, o ministro Fernando Haddad não gosta, o Congresso não gosta, os empresários não gostam, a torcida do Flamengo não gosta — mas cá estamos nós, com a Selic acima dos 10% há mais de um ano.

Uma política monetária contracionista é o remédio amargo para a inflação elevada: o crédito fica mais caro, as despesas financeiras viram um peso relevante no balanço das companhias, o consumo se retrai. Mas, como todo tratamento, ele tem um prazo: assim que os sintomas passarem, é hora de suspender a medicação.

Ou, pelo menos, deveria ser assim.

Fato é que o Copom e o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) farão suas reuniões para decisão de juros nesta primeira semana de maio. E, por mais que haja uma pressão coletiva para alívio na trajetória das taxas, tudo indica para uma nova injeção de cautela no front da política monetária.

No Brasil, por mais que o tão falado arcabouço fiscal tenha sido entregue ao Congresso — e que os dados de inflação e de atividade econômica mostrem um quadro mais propício para um corte na Selic —, Roberto Campos Neto e outras autoridades do BC não têm mostrado grande abertura para uma mudança de postura.

Grande parte do mercado aposta em uma nova manutenção dos juros em 13,75% ao ano. No entanto, espera-se algum tipo de sinal no comunicado do Copom: talvez um corte na Selic esteja próximo, já no segundo semestre.

Nos EUA, a situação é semelhante: os juros já estão na faixa de 4,75% a 5% ao ano, um nível bastante alto para a economia americana; além disso, a crise dos bancos médios também poderia demandar uma postura mais complacente do Fed.

Mas, com o mercado de trabalho e a atividade econômica ainda dando sinais de força, as apostas do mercado indicam mais uma ligeira alta nas taxas, de 0,25 ponto. Mais uma dose do remédio amargo, portanto.

  • Ainda tem dúvidas sobre como fazer a declaração do Imposto de Renda 2023? O Seu Dinheiro preparou um guia completo e exclusivo com o passo a passo para que você “se livre” logo dessa obrigação – e sem passar estresse. [BAIXE GRATUITAMENTE AQUI]

Juros altos: chorar ou vender lenços?

Dito isso, é importante que você, investidor, saiba se posicionar corretamente: não adianta chorar pela continuidade dos juros altos; é hora de promover ajustes na carteira e capturar as oportunidades que surgem com esse cenário.

No podcast Touros e Ursos desta semana, recebemos Matheus Spiess, analista da Empiricus, para discutir o cenário para a política monetária global e os melhores ativos para aproveitar esse quadro. É hora de buscar investimentos no exterior? É melhor aumentar a exposição à renda fixa? É prudente entrar em commodities?

Além disso, como sempre, falamos sobre os destaques positivos e negativos da semana — para ouvir o programa na íntegra, é só clicar aqui e dar o play.

Compartilhe

ENCHENTES NO RS

BTG: PIB do país deve cair no segundo trimestre com as enchentes do RS, mas recuperação será rápida

14 de junho de 2024 - 20:00

Segundo estudo do banco, a arrecadação de ISS e ICMS e a recuperação do emprego nas áreas atingidas apontam para uma retomada acelerada da econômica

FIIs HOJE

Os dividendos do XPLG11 vão aumentar após aquisição de R$ 300 milhões? Veja o impacto da compra nos proventos do fundo imobiliário

14 de junho de 2024 - 11:10

Com a transação, o XP Log terá direito a 100% do resultado operacional líquido do novo ativo, o que pode aumentar as receitas (e os proventos)

LOTERIAS

Quando a Mega-Sena falha, a Lotofácil não decepciona; veja os ganhadores

14 de junho de 2024 - 5:54

Enquanto o prêmio acumulado da Mega-Sena atingiu a marca de R$ 47 milhões, a Lotofácil teve dois ganhadores na noite de quinta-feira

Pressão do mercado

Haddad diz que “vai dar uma geral” no Orçamento 2025 e acelerar agenda de cortes de gastos

13 de junho de 2024 - 16:40

Segundo o ministro da Fazenda, será feita uma “revisão ampla, geral e irrestrita” das propostas para reduzir despesas

Questão fiscal brasileira

‘Modelo de arrecadação esgotou e governo tem que olhar para os custos’, afirma sócio da O2 capital

13 de junho de 2024 - 9:16

Oestes Costa comenta a necessidade de uma mudança na agenda econômica para “destravar o país” e recomenda investimentos para uma carteira diversificada; confira

LOTERIAS

Lotofácil sai para bolão em SP e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João; Mega-Sena acumulada corre hoje

13 de junho de 2024 - 5:54

Enquanto a Lotofácil faz jus à fama de loteria “menos difícil” do Brasil, prêmio da Mega-Sena está acumulado em R$ 40 milhões

PRÊMIO BANCO CENTRAL DO ANO

Recado para Lula e Haddad? A declaração de Campos Neto sobre a autonomia do BC e as decisões de juros para conter inflação

12 de junho de 2024 - 19:54

Presidente da autoridade monetária recebeu o prêmio “Banco Central do Ano”, conferido pelo portal de notícias Central Banking, em Londres e aproveitou para falar sobre sua gestão

AJUDA AO GOVERNO

Dividendos pingando na conta do Tesouro: BNDES eleva pagamento de proventos para 50% — e cifra deve chegar a R$ 16 bilhões

12 de junho de 2024 - 19:30

Aumento do percentual de pagamento de dividendos de 25% para 50% não deve reduzir os desembolsos do banco, segundo Aloizio Mercadante

De olho nos petrodólares

Ministro da Agricultura elege sauditas como “parceiros preferenciais”

12 de junho de 2024 - 18:42

Fávaro disse que tem fechado acordos para infraestrutura e formação de fundos com a Arábia Saudita

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O que o TCU viu de certo — e também de errado — nas contas do governo Lula em 2023?

12 de junho de 2024 - 18:21

A auditoria da prestação de contas de Lula no ano passado verificou cerca de R$ 109 bilhões em irregularidades e distorções de valor no balanço da União

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar