🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
MARKET MAKERS #36

O Brasil da hiperinflação: Entenda os erros de Lula que podem levar o país de volta ao cenário pré-Plano Real

No episódio #36 do podcast, Marcos Mendes, pesquisador do Insper, conta que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode estar repetindo os erros cometidos na gestão de Dilma Rousseff

Camille Lima
Camille Lima
17 de março de 2023
17:00 - atualizado às 11:46
Ao lado do presidente Lula, Dilma Rousseff participou de comício em Curitiba
Ao lado do presidente Lula, Dilma Rousseff participou de comício em Curitiba - Imagem: Flickr/Jeso Carneiro

Há quem se recorde de como era viver no “Brasil da hiperinflação”, o medo de retornar aos mercados horas depois e encontrar um amontoado de remarcação de preços, uma colada por cima da outra. Ao final da década de 80, os preços chegavam a subir mais de 3.000% ao ano no país.

O Plano Real surgiu com a intenção de resolver uma das maiores crises inflacionárias do mundo e trazer os preços de volta a um patamar, no mínimo, aceitável. Desde o governo de Fernando Henrique Cardoso, o dragão da inflação foi abandonando os palcos brasileiros cada vez mais — isto é, até a explosão da pandemia. 

No ano passado, os temores de inércia inflacionária e indexação voltaram aos holofotes — e, do mesmo jeito que na época da hiperinflação, as altas de preços passadas voltaram a se refletir nos preços futuros e manter a inflação em alta.

Afinal, é tudo uma questão de expectativa. Fabiano Rios, CIO da Absolute Investimentos, chegou a afirmar no Market Makers que a razão para o patamar mais elevado dos juros era justamente a projeção do aumento de preços, chamada de inflação prospectiva. 

No episódio #36 do podcast, o economista Marcos Mendes, Doutor em Economia pela USP e pesquisador do Insper, diz que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode estar repetindo os erros cometidos na gestão de Dilma Rousseff.

“Entre 2011 e 2015, a política monetária do Banco Central foi absolutamente inconsistente. O governo baixou juros na marra achando que isso ia fazer baixar o juros da economia como um todo, e o efeito foi completamente inverso. Na hora que o mercado olhou para a influência política sobre o Banco Central, as taxas de longo prazo dispararam e as expectativas de inflação se desancoraram”, explica Mendes. 

“A gente vê hoje, de novo, o mesmo discurso. É como se a prática recente não tivesse demonstrado cabalmente que houve uma ‘barbeiragem’ de política monetária ali e que não é a fixação da taxa Selic que determina uma taxa de juros alta na economia brasileira.”

Isso porque, segundo o economista “pai do teto de gastos”, quem determina a taxa de juros altos na economia brasileira são as incertezas, a expectativa de inflação e a insegurança fiscal.  “Toda vez que o Banco Central tenta puxar a Selic, o restante da curva [de juros] não acompanha ou até anda na direção contrária”.

Confira o episódio completo:

O Brasil da hiperinflação

O economista Marcos Mendes acredita que o governo de Lula poderia ter um bom resultado caso estivesse focado na atuação nos segmentos ambientais, educacionais e de energia. Porém, o “erro” do petista foi ter escolhido a área econômica.

“Infelizmente, o governo está indo para uma agenda econômica absolutamente retrógrada que repete boa parte dos erros. Não tem uma sinalização clara de política econômica consistente”, afirma o pesquisador.

Em conversa com os apresentadores Thiago Salomão e Renato Santiago, Mendes cita alguns dos projetos que podem acabar com o governo Lula por completo. “Eu vejo sinalizações muito complicadas. Eu não sei como esse governo [de Lula] chegará na metade com esse direcionamento. Corremos o risco de voltar para uma situação pré-Plano Real.”

“Eu acho que a gente vai para um modelo de financiamento inflacionário, a não ser que haja alguma mudança de orientação de política econômica. Hoje, nós estamos discutindo aí se [a inflação] vai ser oito ou seis por cento. Daqui um ano, a gente pode estar discutindo se vai ser de 10%, 12% ou 15%. Isso muda o patamar, e logo será normal discutir se o número estará entre 20% ou 25%.”

Clique aqui para ouvir o podcast:

Os erros de Lula

Entre as questões que preocupam o economista Marcos Mendes, estão o “cavalo de pau na gestão da Petrobras” e o programa “Desenrola”, que pretende tirar a negativação do nome de pessoas de baixa renda.

“Você vai pegar 10 bilhões de reais [dos recursos públicos], vai pagar a dívida das pessoas para que elas voltem a tomar crédito. Enquanto o Banco Central está aumentando o juros para acalmar o mercado de crédito, o Poder Executivo está colocando mais pessoas no mercado de crédito que podem tomar crédito novo, dar calote e quebrar de novo. Um programa complicado.”

Já em relação à Petrobras (PETR4), Mendes destaca a interrupção de concessões, privatizações e a “perigosíssima redução de distribuição de dividendos para financiar investimentos”.

É só dar play aqui embaixo para assistir à conversa completa!

Compartilhe

PASSANDO A KATANA

Não é só o ‘carry trade’: o banco central do Japão acaba de ganhar mais uma razão para defender o iene da alta do dólar 

16 de julho de 2024 - 10:02

Diante do enfraquecimento do iene, o BoJ começou a intervir no mercado de câmbio na última sexta-feira

LOTERIAS

A teimosia compensa: Lotofácil faz primeiro milionário da semana; Mega-Sena e Quina oferecem verdadeiras fortunas hoje

16 de julho de 2024 - 5:55

A Lotofácil saiu para alguém que aposta sempre os mesmos números; Quina acumulou de novo ontem e paga mais que a Mega-Sena hoje

Meios de pagamento

O real vai acabar? Para metade dos brasileiros, papel moeda vai desaparecer em dez anos

15 de julho de 2024 - 19:51

Pesquisa mostra que 78% das pessoas têm conta em alguma instituição financeira

DE OLHO NAS REDES

O ‘efeito Trump’ que poderia forçar a China a tomar uma medida drástica — que o gigante asiático está tentando evitar há um bom tempo

15 de julho de 2024 - 18:12

“A China está com dificuldades de colocar a economia nos trilhos” — e o efeito Trump poderia forçá-la a tomar uma medida ‘drástica’. Essa é a análise do CIO da Empiricus Gestão, João Piccioni, em sua mais recente participação no podcast Touros e Ursos.  No episódio, Piccioni explica por que o mercado local nos EUA […]

MUITA ENERGIA ENVOLVIDA

Inteligência Artificial (IA) pode colocar em xeque metas de redução de emissões de carbono, diz S&P

15 de julho de 2024 - 16:04

Em 2019, a Alphabet, dona do Google, se comprometeu a zerar as emissões de gases estufa até 2030; mas, quatro anos depois, métrica cresceu 48%

Previsões do mercado

O detalhe do IBC-Br que pode ser fundamental para os seus investimentos

15 de julho de 2024 - 11:49

Índice considerado uma prévia do PIB registrou avanço de 0,25% em maio, levemente abaixo do resultado do mês anterior

ANOTE NA AGENDA

Calendário da temporada de balanços do 2T24: Confira as datas e horários das divulgações e das teleconferências

15 de julho de 2024 - 6:07

A temporada de balanços do 2T24 começa já neste mês, com a publicação do Carrefour Brasil (CRFB3). Para você não perder nada, o Seu Dinheiro foi atrás do calendário das principais empresas da B3

LOTERIAS

Mega-Sena e Quina acumulam, mas Lotofácil sai para um bolão e um teimoso; veja os resultados

14 de julho de 2024 - 8:01

Enquanto a Mega-Sena e a Quina acumularam de novo, a Lotofácil voltou a fazer jus à fama de loteria menos difícil da Caixa Econômica Federal

LOTERIAS

Essa é fácil mesmo: Lotofácil tem 5 ganhadores; Quina e Mega-Sena acumuladas prometem verdadeiras fortunas hoje

13 de julho de 2024 - 8:23

Enquanto a Quina acumulou de novo, a Lotofácil voltou a fazer jus à fama de loteria menos difícil da Caixa Econômica Federal

REGULANDO AS REDES

Elon Musk no alvo: União Europeia acusa empresa do bilionário de enganar usuários e violar regras do bloco

12 de julho de 2024 - 15:03

A União Europeia poderá multar o X, antigo Twitter, em até 6% do faturamento anual da big tech, comprada por Elon Musk em 2022. A empresa ainda não se pronunciou sobre o caso.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar