🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
MARKET MAKERS #34

A crise na Americanas (AMER3) pode influenciar a briga entre Lula e Campos Neto; entenda

No episódio #34, o diretor de crédito da M8, Michel Rubin, e a analista de renda fixa da Empiricus, Lais Costa, explicaram como a crise nas varejistas e o caos no mercado de crédito podem afetar a economia

Camille Lima
Camille Lima
3 de março de 2023
15:03 - atualizado às 14:21
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, discursa durante o lançamento do novo programa Minha Casa, Minha Vida, em Santo Amaro (BA)
Imagem: Joédson Alves/Agência Brasil

A Americanas (AMER3) roubou a cena dos noticiários em janeiro após a descoberta de um rombo bilionário em suas contas — e uma potencial fraude contábil. Como resultado, a empresa deu entrada num processo de recuperação judicial, com dívidas de R$ 43 bilhões. 

Acontece que, assim como o Market Makers já havia mostrado na semana passada, a crise na varejista não teve impactos apenas no setor de comércio: o “efeito Americanas” também deu luz a uma “bolha de crédito” no mercado.

No episódio #34 do podcast, o diretor de crédito da M8, Michel Rubin, e a analista de renda fixa da Empiricus, Lais Costa, explicaram como a crise nas varejistas e o caos no mercado de crédito podem afetar a economia. 

Mas aqui vai um spoiler: Ao contrário do que afirmam alguns gestores, Rubin não enxerga uma espécie de “quebradeira geral” no mercado. 

Você pode conferir o episódio completo aqui:

Americanas e a briga entre Lula e RCN

No Market Makers desta semana, Michel Rubin, da M8, revelou que a bomba no mercado de crédito já tinha sido acionada em maio de 2022 — e os investidores simplesmente não foram capazes de escutar o tic-tac devido ao desempenho da renda fixa no ano passado.

O cenário de juros mais uma vez em patamares elevados — com a taxa Selic em 13,75% ao ano, dentro da estratégia do Banco Central de frear a inflação no país — fez com que os melhores investimentos de 2022 fossem justamente aqueles mais conservadores.

Mas, desde que assumiu novamente o cargo de presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva tem questionado as decisões de política monetária de Roberto Campos Neto — e, hoje, trava uma verdadeira guerra com o chefe do BC.

Isso porque, em teoria, Lula quer juros mais baixos e o BC deseja manter a política monetária inalterada.

“Agora vira a queda de braço do ‘eu posso reduzir [os juros] ou não posso?’ Eu quero reduzir, todo mundo quer. Mas dependendo do quanto eu cortar ou do que eu fizer, aonde a gente vai parar lá na frente?”, disse Michel Rubin. 

play para escutar o bate-papo na íntegra:

Lula, desemprego e inflação

Em conversa com os apresentadores Thiago Salomão e Renato Santiago, Lais Costa, da Empiricus, destaca que o fechamento da “torneira de crédito” nos bancos após a crise nas varejistas implica em um agravamento do desemprego no país.

“Em canais de transmissão de política monetária para qualquer economia que seja, a gente pode imaginar como esses tubos funcionam. Se ele acaba ‘entupindo’, você congela toda a economia porque você não tem mais a concessão de crédito, e não tem como você sobreviver numa autonomia se não tem como se financiar através do crédito. Então não pode entupir isso”, explica a analista da Empiricus. 

“No momento em que o Banco Central fala que está preocupante a situação de crédito, ele é impulsionado a agir. Se a gente tá falando de uma crise de crédito, por exemplo, em varejistas, isso vai impactar o emprego. Olha o tanto de gente que é empregada pela Americanas”, conclui. 

Na visão de Michel Rubin, o plano do novo governo é geração de empregos. “Você não vai conseguir gerar emprego se não colocar crédito na pequena e média empresa e nas companhias de serviço e se não conseguir liberar o endividamento das famílias. É isso que o governo vai priorizar”.

Ainda seguindo a linha das “metas de Lula” para a Selic, com a diminuição dos juros, a pessoa física voltaria a ter “independência”, o que impulsionaria, por sua vez, o consumo. 

Por outro lado, com um consumo maior, as empresas poderiam voltar a reajustar os preços dos produtos e serviços, o que geraria inflação outra vez.

“Eu enxergo a vinda de crédito subsidiado de caixa de empresas do governo, como do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e do BNDES, o que gera um aumento forte de consumo e renegociação de dívida das famílias. Isso gera um aumento forte de consumo, e isso daí vai gerar uma pressão inflacionária”, projetou o diretor da M8.

“Eu não entendo como a gente pode trazer a taxa de juros para baixo, porque eu vou estar pressionando mais ainda [a inflação]. Aí surge a pergunta: ‘Até onde a gente quer ver a inflação chegar?’. Na minha opinião, a queda da taxa de juros não chegaria tão cedo.”

Assista ao episódio completo no YouTube:

Compartilhe

REPERCUSSÃO GERAL

Motoristas da Uber vão virar funcionários? STF julga se ação sobre vínculo de trabalho pode ter impacto em outras plataformas como Ifood

23 de fevereiro de 2024 - 19:03

A maioria dos ministros do Supremo tem atendido a pedidos de empresas para reverter decisões da Justiça do Trabalho que reconheceram vínculo de emprego

LOTERIAS

7 apostas dividem a Lotofácil, mas nem todo mundo vai ganhar o valor cheio; Mega-Sena e Quina acumulam

23 de fevereiro de 2024 - 5:50

Enquanto a Lotofácil fez jus à fama de loteria menos difícil da Caixa, o prêmio da Mega-Sena saltou para R$ 110 milhões

DINHEIRO NO BOLSO

Receita abre consulta a lote residual do Imposto de Renda; veja se a sua restituição saiu

22 de fevereiro de 2024 - 16:06

Os valores do lote residual de restituição do Imposto de Renda ficarão disponíveis para resgate por até um ano no Banco do Brasil

LOTERIAS

13 dá azar ou sorte? Quina quebra jejum e faz novo milionário; Mega-Sena corre hoje valendo quase R$ 100 milhões

22 de fevereiro de 2024 - 5:54

Enquanto a Lotofácil acumulou, a Quina fez as vezes de “máquina de milionários”; confira os detalhes dos últimos sorteios

MEMÓRIA

Quem foi Affonso Celso Pastore, ex-presidente do BC e referência entre os economistas ortodoxos

21 de fevereiro de 2024 - 12:08

Da negociação da dívida externa nos anos 1980 à assessoria econômica na pré-candidatura de Sergio Moro, conheça a trajetória de Pastore

UMA FANTÁSTICA FÁBRICA DE CHOCOLATES

Noites do Terror com chocolate? O que a Cacau Show pretende com a compra do Playcenter

21 de fevereiro de 2024 - 9:36

Valor da compra do Grupo Playcenter pela Cacau Show não foi revelada; negócio ainda depende da aprovação do Cade

LOTERIAS

Parece tão fácil que quase estraga: 7 apostas dividem a Lotofácil; Mega-Sena e Quina acumulam ainda mais

21 de fevereiro de 2024 - 5:47

Enquanto a Lotofácil faz jus à fama de loteria menos difícil da Caixa, a Mega-Sena e a Quina continuam fazendo jogo duro

LOTERIAS

Lotofácil começa semana com 2 ‘quase-milionários’; Quina acumula e Mega-Sena promete uma fortuna hoje

20 de fevereiro de 2024 - 5:48

Ganhadores da Lotofácil estão separados por milhares de quilômetros; Mega-Sena está acumulada em R$ 87 milhões

PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

É MEI e está devendo para o banco ou para a Receita? Governo prepara ‘Desenrola’ para pequenas empresas que pode beneficiar 8 milhões de CNPJs

19 de fevereiro de 2024 - 17:32

A intenção é lançar até o mês que vem a versão para pessoas jurídicas do Desenrola Brasil

BOMBOU NO SD

O carnaval da bolsa, ‘petróleo branco’ na mira do BNDES e inflação recorde na Argentina — confira os destaques do Seu Dinheiro na semana

18 de fevereiro de 2024 - 10:13

Além da pulga atrás da orelha com o Carnaval, os leitores também buscaram se informar sobre a confirmação dos boatos de o BNDES quer financiar uma planta de refino de lítio, o recorde de inflação nda Argentina, uma nova fusão entre petroleiras e como fica um inventário com previdência privada

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies