🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

SVB, Credit Suisse: o que fazer se estivermos diante de uma nova crise financeira?

Não sou do tipo que torce contra os mercados, mas mesmo querendo um “final feliz”, sempre recomendo cerca de 1% do portfólio investido em opções contra catástrofes

17 de março de 2023
6:04 - atualizado às 10:07
Ações, Investidor, Bolsa, investimentos
Imagem: Shutterstock

Depois de um longo período de bonança e condições frouxas no sistema financeiro, o ano começou com alguns sinais de "rachadura" na estrutura dos mercados.

Apesar de a grande maioria dos investidores nem ter percebido, os mais espertos começaram a  reduzir exposição aos ativos de risco e os mais arrojados até passaram a apostar contra.

Janeiro terminou sem grandes problemas; fevereiro também. Infelizmente, março não teve o mesmo desfecho. A quebra de um banco norte-americano escancarou toda a verdade.

No mês de março, finalmente caiu a primeira pedra de dominó.

O que ninguém sabia ainda é que a bolsa ainda cairia mais 50% nos meses seguintes.

Não, eu não estou falando da quebra do Silicon Valey Bank (SVB), que teve sua falência decretada nos últimos dias.

Na verdade, essa história aconteceu em 2008, quando o Bear Sterns quebrou e começou a mostrar para o mundo financeiro que o "buraco era bem mais embaixo".

Neste momento, a pergunta que surge é: será que estamos diante de uma nova crise financeira?

Diferente (mas nem tanto)

Em alguns aspectos, o ano de 2023 começou de maneira similar ao de 2008. A crise financeira de 2008 foi precedida de anos de bonança e valorização dos imóveis, que permitiram ao sistema financeiro "afrouxar" seus padrões de rigidez de crédito, e deu no que deu.

Os anos de 2020, 2021 e 2022 foram marcados por juros ridiculamente baixos e um enorme apetite por empréstimos.

Com os juros subindo no mundo inteiro, o mercado agora começa a se perguntar se o SVB é um caso isolado ou se será apenas o primeiro de muitos, assim como foi com o Bear Sterns em 2008.

A linha vermelha mostra o número de bancos norte-americanos que quebraram por ano desde 2001. Repare na quantidade de bancos que faliram em 2008, 2009 e 2010

Para ser sincero, nem eu, nem você, nem ninguém sabe se o SVB foi apenas o primeiro de muitos. O que eu sei é que as coisas ainda podem piorar bastante e, neste momento, eu preferiria ter uma exposição pequena (ou nula) em ações de empresas muito endividadas e muito cíclicas (varejo de moda, eletrônicos, educacionais).

Apesar dos receios com bancos após a quebra do SVB, ainda vemos atratividade nos bancos brasileiros, mas preferimos o Itaú com um balanço muito sólido para atravessar qualquer tempestade.

  • Imposto de Renda sem complicações: não passe perrengue na hora de declarar o seu IR em 2023. Baixe de forma GRATUITA o guia completo que Seu Dinheiro preparou com todas as orientações que você precisa para fazer sua declaração à Receita sozinho. [É SÓ CLICAR AQUI]

Sempre carregue alguns seguros

Mais uma vez, não temos como saber se a quebra do SVB será apenas uma nota de rodapé nos cursos de finanças ou se será um daqueles eventos imortalizados em algum filme (como foi o caso do Bear Sterns em "A Grande Aposta").

No primeiro caso, os mercados teriam bons motivos para se recuperar, e é por isso que eu sugiro manter exposição às ações, ainda que as preocupações tenham aumentado.

Sabe como é, né? Você vende as suas ações preocupado com uma crise financeira lá fora, mas nada de ruim acontece e aqui dentro ainda temos uma ótima solução para os problemas fiscais. As ações se valorizam em poucos dias mais do que subiram nos últimos três anos combinados e a única coisa que você vai poder fazer é se lamentar por ter vendido.

Por isso, eu insisto que a melhor maneira de encarar esse momento é com ações de perfil mais defensivo, como a Vaca Leiteira Itaú, ou as outras ações da série que costumam pagar bons dividendos mesmo nos cenários adversos.

Por outro lado, se a coisa "azedar" de vez, os ativos vão sofrer bastante, e é por isso que eu sugiro sempre carregar alguns seguros no portfólio.

Aliás, a carteira semanal de seguros com opções recomendada na minha série, Flash Trader, se valorizou quase 80% em uma semana, ajudada pelos temores recentes.

Carteira de Compras a Seco encerrada na última terça-feira (14)

Não sou do tipo que torce contra os mercados, mas mesmo querendo um "final feliz", eu sempre recomendo cerca de 1% do portfólio investido em opções contra catástrofes. Como diz aquele ditado antigo, "mané prevenido é malandro duas vezes".

Se o SVB for apenas o primeiro de uma longa sequência de dominós a cair, a carteira semanal de seguros do Flash Trader pode ter um 2023 ainda melhor do que foi no ano passado, quando se valorizou 47,9%.

Caso queira conferir a minha série focada em opções, deixo aqui o convite.

Um grande abraço e até a semana que vem!

Ruy

Powered by Empiricus Investimentos

O alerta foi acendido por SVB e o temor sobre o futuro do sistema financeiro se tornou inevitável.

Ainda assim, existe um "bancão" brasileiro que continua valendo o investimento - especialmente por sua resiliência histórica e seu potencial de valorização de até 42%, mesmo no cenário atual.

Clique aqui para conhecer a ação gratuitamente.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

CRYPTO INSIGHTS

Os sinais favoritos para entender o curto prazo do bitcoin (BTC)

14 de maio de 2024 - 19:17

A tendência macroeconômica é de expansão de liquidez, e os indicadores de curto prazo que mais gosto estão favorecendo a tese de que estamos próximos do fundo local para a mais recente correção do mercado

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Vai piorar antes de melhorar? Milei começa a arrumar uma Argentina economicamente destruída

14 de maio de 2024 - 6:01

Em poucos meses, Milei conseguiu diminuir inflação, cortar os juros e aumentar reservas do Banco Central da Argentina, mas custo social é alto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: O real vai morrer aos 30?

13 de maio de 2024 - 20:01

A decisão do Copom na semana passada foi inequivocamente ruim. Quando você tem um colegiado dividido entre os “novos” e os “velhos”, alimentam-se os piores medos. O Copom deveria saber disso.

Especial IR

Dúvidas cruéis sobre declaração de ações no IR: isenção, retificação, mudança de ticker, prejuízos e investimento no exterior

11 de maio de 2024 - 8:00

A Dinheirista responde algumas das suas dúvidas mais cabeludas sobre como declarar ações no imposto de renda

SEXTOU COM O RUY

Bolsa barata não basta: enquanto os astros locais não se alinham, esses ativos são indispensáveis para a sua carteira

10 de maio de 2024 - 6:07

Eu sei que você não tem sangue de barata para deixar todo o patrimônio em ações brasileiras – eu também não me sinto confortável em ver os meus ativos caindo. Mas há opções para amenizar as turbulências internas.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Selic — uma decisão com base em dados, não em datas

8 de maio de 2024 - 16:42

Hoje em dia, ao que parece, tudo tem que terminar cedo, e bebidas alcoólicas são proibidas. Por conseguinte, os debates deram lugar a decisões secas e comunicados pragmáticos

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Divididos entre o conservadorismo salutar e a cautela exagerada, Copom e Campos Neto enfrentam um dilema

7 de maio de 2024 - 6:18

Os próximos passos do Copom dependem, em grande medida, da reação da economia norte-americana à política monetária do Fed

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar