🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

A Netflix não quer que você compartilhe a sua senha com ninguém. Mas os resultados mostram que ela está certa

Netflix estima que 43% de seus mais de 230 milhões de clientes compartilham contas e conter a “pirataria” começa a dar resultados

27 de abril de 2023
6:01 - atualizado às 15:46
Stranger Things, série da Netflix
Stranger Things, série da Netflix - Imagem: Divulgação

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia.

Como analista de ações, meu trabalho é o de acompanhar a história de empresas, setores e mercados. 

Se cada nova ação é um desafio novo e diferente, só o tempo e a disciplina de acompanhar os resultados de uma mesma empresa por um período realmente longo é capaz de criar o tipo de expertise que realmente diferencia um bom analista.

Há alguns anos eu acompanho os resultados da Netflix. Trimestre após trimestre, a empresa foi gradualmente deixando de ser vista pelos investidores como de alto crescimento e passou a ser vista por muitos simplesmente como madura, de crescimento baixo e pouco lucrativa.

Foi essa mudança de percepção que fez com que as ações saíssem dos US$ 680 para os US$ 180 entre 2021 e 2022.

Com esse histórico em mente, me permita te contar o que aconteceu na semana passada, com a divulgação do resultado do 1T23.

  • Com a crise bancária, o bitcoin voltou a ser apontado por parte dos investidores como reserva de valor, revivendo a “profecia” que o BTC seria uma alternativa para o sistema financeiro. A questão é: você deveria comprar bitcoin para “se proteger” contra o colapso dos bancos? Veja a resposta aqui. 

Tela meio cheia ou meio vazia?

Após a divulgação, as ações chegaram a cair 12% no pregão noturno, porém rapidamente se recuperaram, e fecharam o "after" praticamente estáveis.

Esse tipo de volatilidade, apesar de não ser tão rara, deixa claro que não existe um consenso em torno dos números.

As novidades, de fato, me pareceram mistas: pelo lado positivo, os gastos com conteúdo foram significativamente reduzidos na comparação anual e o produto de anúncios está com uma performance excelente. 

Pelo lado negativo, as iniciativas da empresa para evitar o compartilhamento de contas entre usuários (e melhorar suas receitas), estão rodando numa velocidade inferior ao esperado.

Por fim, a receita da Netflix foi de US$ 8,16 bilhões (+3,7% na comparação anual) e a quantidade de usuários ativos, que somou 232,5 milhões, representou um crescimento de 4,9% na comparação anual.

Perceba como esses números se alinham à narrativa: a Netflix de fato tem encontrado muita dificuldade para seguir crescendo seu modelo atual.

Em termos de adições líquidas, os 1,75 milhões de novos usuários que se juntaram ao streaming no 1T23 representam uma reversão à média e uma notável desaceleração em relação ao último trimestre, quando a empresa havia adicionado 7,6 milhões de novos clientes.

A senha é sua, e a Netflix não quer que você a compartilhe com ninguém

Depois de implementar no Canadá e em alguns países europeus, a Netflix tem exigido que seus clientes definam uma localização primária para suas contas.

Isso significa que outros usuários cadastrados no mesmo perfil, porém em localizações diferentes, terão de pagar uma tarifa adicional ao valor da subscrição.

Com essa medida, a Netflix espera reduzir um pouco da "pirataria" que ainda existe na plataforma. 

Pelas estimativas da empresa, cerca de 43% de seus mais de 230 milhões de clientes compartilham contas com outras pessoas que deveriam estar pagando suas próprias assinaturas.

O crackdown, porém, tem sido implementado lentamente. 

O mercado esperava que a empresa já tivesse atacado todos seus grandes mercados já neste começo de 2023, mas a Netflix sequer começou a implementação nos EUA, seu mercado mais importante.

No geral, a abordagem me parece correta: com a implementação lenta, a empresa consegue identificar e testar as melhores estratégias. 

Até aqui, o padrão observado tem sido o seguinte: primeiro, o usuário impactado pelo crackdown costuma cancelar sua conta. Alguns meses depois, a maioria deles retorna como um usuário novo, agora pagante.

Ou seja, há um impacto de curto prazo, porém parece haver um benefício real de longo prazo.

Foi impactado pelo crackdown? Que tal assinar o plano mais barato e com alguns anúncios?

Há alguns meses, circularam rumores de que os anunciantes estariam extremamente frustrados com a Netflix.

Os primeiros clientes, de acordo com os boatos, reclamavam de dificuldades técnicas ao utilizar a plataforma e de um patamar baixo de retorno sobre o investimento.

Importante mencionar: esses boatos nunca foram confirmados publicamente, nem pela empresa (obviamente), nem por seus clientes.

Agora, na teleconferência de resultados, a surpresa: os executivos da Netflix disseram que o produto de anúncios é um sucesso inquestionável.

Nos EUA a receita vindo desses planos mais básicos (os US$ 6,99 mensais e a receita de anúncios que a empresa recebe) já supera a receita total com o seu plano básico (que não tem anúncios e custa US$ 15,99 por mês).

Muitos clientes têm optado por reduzir o valor das suas assinaturas. Porém, conforme imaginado pela empresa, essa redução tem sido mais do que compensada pela receita com anúncios.

Mais uma vez, a Netflix está num processo de reinvenção, e os resultados iniciais são promissores.

É hora de comprar a ação da Netflix?

Um dos fatores que mais me chamou no último resultado foi a geração de caixa livre da Netflix, que totalizou US$ 2,1 bilhões. Trata-se de um salto de 263% frente ao mesmo trimestre do ano passado.

O grande fator que explica o salto na geração de caixa foram os gastos menores com conteúdo: no 1T23 a Netflix gastou US$ 2,45 bilhões em conteúdo, contra US$ 3,5 bilhões no ano passado.

A redução nos gastos está em linha com a história que a empresa conta ao mercado. A Netflix pretende estabilizar seus investimentos num patamar de manutenção (basicamente recompor a amortização) e passar a gerar mais caixa.

Para 2023, a companhia manteve seu guidance de uma geração de caixa livre de US$ 3 bilhões. Mas seus executivos disseram que US$ 3,5 bilhões é um número possível.

Neste momento, a empresa vale cerca de US$ 145 bilhões.

Mesmo sabendo que o mercado precifica a capacidade futura de resultados das companhias, um múltiplo 48x o fluxo de caixa dos próximos 12 meses, com crescimento de receitas em um dígito baixo, não me parece muito atrativo.

Ainda assim, essa é definitivamente uma ação que está no meu radar.

Compartilhe

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

CRYPTO INSIGHTS

Os sinais favoritos para entender o curto prazo do bitcoin (BTC)

14 de maio de 2024 - 19:17

A tendência macroeconômica é de expansão de liquidez, e os indicadores de curto prazo que mais gosto estão favorecendo a tese de que estamos próximos do fundo local para a mais recente correção do mercado

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Vai piorar antes de melhorar? Milei começa a arrumar uma Argentina economicamente destruída

14 de maio de 2024 - 6:01

Em poucos meses, Milei conseguiu diminuir inflação, cortar os juros e aumentar reservas do Banco Central da Argentina, mas custo social é alto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: O real vai morrer aos 30?

13 de maio de 2024 - 20:01

A decisão do Copom na semana passada foi inequivocamente ruim. Quando você tem um colegiado dividido entre os “novos” e os “velhos”, alimentam-se os piores medos. O Copom deveria saber disso.

Especial IR

Dúvidas cruéis sobre declaração de ações no IR: isenção, retificação, mudança de ticker, prejuízos e investimento no exterior

11 de maio de 2024 - 8:00

A Dinheirista responde algumas das suas dúvidas mais cabeludas sobre como declarar ações no imposto de renda

SEXTOU COM O RUY

Bolsa barata não basta: enquanto os astros locais não se alinham, esses ativos são indispensáveis para a sua carteira

10 de maio de 2024 - 6:07

Eu sei que você não tem sangue de barata para deixar todo o patrimônio em ações brasileiras – eu também não me sinto confortável em ver os meus ativos caindo. Mas há opções para amenizar as turbulências internas.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Selic — uma decisão com base em dados, não em datas

8 de maio de 2024 - 16:42

Hoje em dia, ao que parece, tudo tem que terminar cedo, e bebidas alcoólicas são proibidas. Por conseguinte, os debates deram lugar a decisões secas e comunicados pragmáticos

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Divididos entre o conservadorismo salutar e a cautela exagerada, Copom e Campos Neto enfrentam um dilema

7 de maio de 2024 - 6:18

Os próximos passos do Copom dependem, em grande medida, da reação da economia norte-americana à política monetária do Fed

EXILE ON WALL STREET

Tony Volpon: Mantendo a esperança nas bolsas americanas

6 de maio de 2024 - 20:01

Começamos maio de forma bem mais positiva do que foi abril — sigo uma regra que, se não infalível, tem uma taxa de acerto bastante alta: se o payroll for positivo, o mês será positivo para as bolsas americanas

Especial IR

Meu filho de 30 anos faz mestrado e não trabalha; ele pode ser meu dependente na declaração de imposto de renda?

4 de maio de 2024 - 8:00

O filho dela é estudante, e ela arca com suas despesas; será que tem como abatê-las no IR 2024?

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar