Você pode ter uma renda semanal de até 500 dólares na sua conta; descubra como aqui

Richard Camargo
Estrada do Futuro
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
Cotações por TradingView
2023-01-11T12:48:05-03:00
ESTRADA DO FUTURO

Comprar ou vender? Saiba o que esperar das Big Techs na temporada de balanços

Apesar de serem observadas em conjunto, as Big Techs parecem oferecer relações muito diferentes de risco e retorno

12 de janeiro de 2023
6:24 - atualizado às 12:48
Logos das big techs americanas Alphabet (Google), Apple, Amazon, Facebook e Microsoft
Logos das big techs americanas Alphabet (Google), Apple, Amazon, Facebook e Microsoft - Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia. Nas próximas semanas, iremos nos despedir definitivamente de 2022. Isso porque, desde a última segunda-feira, grandes empresas americanas começaram a divulgar seus resultados referentes ao quarto trimestre do ano passado.  Na semana que vem, teremos os grandes bancos como JP Morgan, Morgan Stanley, Goldman Sachs e outros. E então, na última semana de janeiro, será a vez das Big Techs.

Apple, Amazon, Google e Microsoft aproximam-se da temporada de resultados tendo caído 38%, 48%, 39% e 30%, respectivamente, desde o seu ponto mais alto, alcançado entre o fim de 2021 e o início de 2022.

Com o spoiler das performances acima, você deve imaginar que o mercado não está exatamente otimista com os números que serão apresentados pelas Big Techs.

Isso é um risco, ou uma oportunidade?

Até tu, Brutus?

Se você acompanha minha coluna há algum tempo, deve se lembrar que há alguns meses escrevi recomendando fugir de algumas das Big Techs, como a Microsoft.

O motivo: valuation pouco atrativo e resultados piorando na margem.

Na semana passada, o primeiro grande banco de Wall Street aderiu à posição que eu já defendia há alguns meses. O UBS revisou seu "rating", baixando em aproximadamente 17% seu preço-alvo de MSFT.

No dia, as ações caíram 5%.

Em sua atualização, o UBS justificou a venda pelos mesmos motivos que fiz em 2022.

Apesar de ainda apresentar crescimento em 2023, o Office 365 deve desacelerar cerca de 4 pontos percentuais entre este ano e 2024; o Azure — a grande avenida de crescimento da Microsoft — também está desacelerando.

A visão que começa ganhar força entre os investidores é a de que a próxima fase de migração de workloads para a infraestrutura em nuvem será muito mais difícil que a primeira, pois os workloads mais óbvios já foram migrados.

Com isso, é natural que os clientes estejam hesitantes, ainda mais diante de um cenário macro desafiador.

Para o UBS, não seria absurdo se em 2024 o Azure tivesse aterrissado seu crescimento de 40% para um nível mais próximo de 20%.

O problema é de todas as big techs

Além da Microsoft, o mercado está pessimista também com as demais Big Techs.

Sobre o Google, alguns analistas dizem que o 2021 foi o platô do mecanismo de busca e decretam que nunca mais o Google voltará a alcançar, em termos reais, a mesma performance daquele momento.

No caso da Apple, a chinesa Foxconn — sua maior parceira comercial na montagem dos iPhones — divulgou sua prévia operacional de dezembro, mostrando uma queda de 12% nas receitas.

Imediatamente, a notícia foi recebida pelo mercado como um sinal antecipado de que a Apple irá apresentar resultados ruins.

Já a Amazon, na semana passada, anunciou uma nova rodada de demissões em massa, o que deve impactar até 18 mil funcionários.

Com a recessão batendo à porta, o copo costuma ser visto como meio vazio; a maior parte do mercado interpretou o layoff como um sinal antecipado de números fracos serão apresentados nas próximas semanas.

Ou seja, o sol não é de brigadeiro para nenhuma das maiores empresas de tecnologia do mundo.

Leia também

Big techs: Comprar ou vender?

Apesar de sempre serem encaradas em conjunto, as Big Techs me parecem oferecer relações muito diferentes de risco e retorno.

Microsoft está cara

No caso da Microsoft, considero as ações caras e não vejo grandes gatilhos no horizonte. Entre as quatro, ela é a única que eu não teria entre as minhas escolhas neste momento.

Amazon envolta em pessismo

Em terceiro lugar, coloco as ações da Amazon. Apesar do prospecto de recessão assustar, estamos num extremo de observar investidores discutindo se o e-commerce da Amazon não deveria valer zero. Esse me parece um enorme exagero e um sinal sintomático do pessimismo que envolve as ações. Gosto de Amazon aos preços atuais.

Google está barata

Em segundo lugar, classifico as ações do Google. O gigante dos mecanismo de busca é o que mais tem sentido a pressão nos seus resultados, mas é também de longe a Big Techs mais barata.

Entretanto, como escrevi há algumas semanas, o Google é vítima da narrativa crescente sobre o futuro da inteligência artificial. 

Mesmo que seus resultados mantenham-se sólidos (o que definitivamente é o meu cenário base), a narrativa de disrupção deve manter as ações negociando a múltiplos baixos por um tempo.

Esse cenário me faz lembrar do desconto das ações de Visa e Mastercard, quando o mercado de criptomoedas fazia novos highs semanais.

Se você está pensando em longo prazo, Google parece uma excelente compra aos preços atuais, mas os próximos meses ainda devem ser pesados para a ação.

Apple é a mais resiliente das Big Techs

Para finalizar, em primeiro lugar, classificaria as ações da Apple. 

Apesar do valuation relativamente elevado e os resultados desacelerando, a Apple é a mais resiliente das Big Techs. No limite, ela é o porto seguro do mercado de ações.

É difícil olhar para o longo prazo e, aos preços atuais, justificar cenários em que a Apple tenha performance pior que o restante do Nasdaq.

Definitivamente, todas elas nos trarão novidades nas próximas semanas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Repercussão do resultado

Itaú (ITUB4) acertou em provisionar 100% da exposição à Americanas, dizem analistas; ações disparam na bolsa

8 de fevereiro de 2023 - 12:56

Ao se prevenir totalmente de calote da Americanas no balanço do 4T22, Itaú evita que efeito contamine resultados de 2023

CORRIDA PLATINUM

Uber supera expectativas no 4º trimestre e encerra 2022 com balanço 5 estrelas; ações disparam nas bolsas

8 de fevereiro de 2023 - 12:09

A empresa encerrou os últimos três meses do ano passado com um lucro líquido de US$ 595 milhões, contrariando as expectativas de prejuízo dos analistas

VESPEIRO POLÍTICO

CEO do Itaú (ITUB4) fala sobre disputa entre Lula e presidente do BC: “é do jogo”

8 de fevereiro de 2023 - 11:44

Milton Maluhy, CEO do Itaú, vê a equipe do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, “na direção correta”, mas defende definição rápida da meta de inflação

TEMPOS DIFÍCEIS

Entenda o que está acontecendo com a Marisa (AMAR3) após a renúncia do presidente e alerta financeiro — ações caem mais de 5% na B3

8 de fevereiro de 2023 - 11:12

A Marisa (AMAR3) não detalhou quais as suas dificuldades financeiras que demandam melhorias na estrutura de capital

NOVIDADE BEM RECEBIDA

Tesouro Renda+ Aposentadoria Extra movimenta mais de R$ 60 milhões na primeira semana de negociação

8 de fevereiro de 2023 - 11:07

O título mais negociado foi o Tesouro Renda+ Aposentadoria Extra 2030, representando 40,12% do total (24 milhões). Quase 8 mil pessoas negociaram os títulos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies