🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
E AGORA, MERCADO?

Por que a bolsa brasileira opera em alta após os atos terroristas na Praça dos Três Poderes?

Apesar das cenas de destruição, o Ibovespa opera em alta moderada neste início de tarde. Para analistas ouvidos pelo Seu Dinheiro, a reação melhor do que a esperada para a bolsa tem raiz na atuação rápida e firme do governo federal e a reabertura na China

Jasmine Olga
Jasmine Olga
9 de janeiro de 2023
15:02 - atualizado às 15:03
apoiadores-do-ex-presidente-jair-bolsonaro-patriotas-invadem-a-rampa-do-palacio-planalto-e-Congresso-Nacional-para-protestar-contra-o-resultado-das-urnas-1

Ao menor sinal de deterioração do cenário político, o mercado financeiro costuma seguir um roteiro clássico: diante do risco, há desvalorização dos ativos na bolsa, abertura da curva de juros e alta do dólar. 

Mas não é isso que se vê hoje no Brasil, mesmo após as imagens que chocaram o mundo no último domingo (09), com a destruição das sedes do Legislativo, Executivo e Judiciário por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro. 

Por volta das 14h40, o Ibovespa operava em alta de 0,60%, aos 109.599 pontos, o dólar à vista se afastava das máximas e os principais contratos de DI passaram a operar nas mínimas do dia — uma reação longe do que a maior parte da população poderia esperar. 

A verdade é que o mercado financeiro já apontava ontem mesmo que a recepção aos atos terroristas poderia ser mais branda do que a expectativa do público, principalmente pela forte queda recente da bolsa e inclinação da curva de juros nas últimas semanas — frutos da desconfiança com o futuro da política fiscal do governo Lula. 

Ainda assim, os agentes esperavam  uma abertura dos negócios muito mais negativa do que a vista hoje. 

No início da sessão, o Ibovespa chegou a operar no vermelho, mas com perdas limitadas. Não foi preciso esperar muito para que o gráfico invertesse e o principal índice da bolsa engatasse uma melhora generalizada. 

Embora alguns possam ver a reação positiva dos ativos como uma “minimização” dos atos de depredação, não parece ser essa a postura geral dos analistas. O “x” da questão parece ter sido a atuação rápida da União e do Supremo Tribunal Federal (STF) — decretando a intervenção na segurança pública do Distrito Federal e o afastamento dos responsáveis por garantir a paz na região, incluindo o próprio governador Ibaneis Rocha. 

O movimento orquestrado dos Poderes

Um gestor ouvido pela reportagem aponta que o mercado estaria muito mais preocupado com o que ocorreu se houvesse riscos de uma ruptura institucional organizada, com escalada de conflitos, mas o que se tem até aqui é “mais um choro de perdedores e um ato de desespero”, sem uma organização que imponha qualquer tipo de medo.

“Colocando em termos práticos: o Congresso, o Planalto e o STF são apenas símbolos. O mercado ficaria preocupado se tivesse havido um constrangimento às pessoas que exercem o poder e não aos prédios onde trabalham”, finaliza. 

Para Nicolas Borsoi, economista-chefe da Nova Futura Investimentos, o mercado já comprou a ideia de que "o pior já passou" e que a resposta do governo foi suficiente para estabilizar o cenário político local. 

Apesar das ações do Judiciário terem sido bem recebidas até o momento — com os Três Poderes chegando a emitir nota conjunta de repúdio aos atentados do último domingo — há quem acredite que é preciso esperar mais um pouco para eliminar as chances de que as medidas adotadas pela Suprema Corte não encontre resistência dentro do Legislativo. 

Essa, no entanto, não parece ser a leitura da maioria dos agentes do mercado. 

Com os temores de uma insurreição maior contidos, economistas e analistas devem seguir analisando os próximos passos do governo no que diz respeito à condução da política fiscal para o próximo ano — e as projeções pouco tendem a acompanhar as destruições vistas nos Palácios da República. 

Fator China

A alta da bolsa brasileira não está sendo impulsionada apenas pela percepção menor de risco após a atuação contundente do governo federal. 

Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, aponta que se não fossem as limitações de aspecto político, o Ibovespa deveria ter forças para acompanhar a forte alta do mercado internacional. Isso porque a China iniciou o seu cronograma de reabertura da economia, derrubando limitações de fronteiras e tráfego de pessoas. 

Com a perspectiva de um aquecimento da segunda maior economia do mundo, o mercado de commodities volta a se aquecer, favorecendo amplamente o Ibovespa — uma vez que a carteira teórica do índice é cerca de 30% composta por empresas produtoras. 

O barril de petróleo do tipo brent, utilizado como referência global na aplicação de política de preços de combustíveis opera em alta de mais de 1,5%, a US$ 79,72. As bolsas na Ásia fecharam a sessão em alta, assim como os seus pares europeus. 

*Colaboração: Victor Aguiar

Compartilhe

SÉRIE A DA B3

Auren (AURE3) fica de fora da segunda prévia do Ibovespa, que agora conta com a entrada de apenas uma ação

16 de abril de 2024 - 10:32

Se a previsão se confirmar, a carteira do Ibovespa contará com 87 ações de 84 empresas a partir de maio

MERCADOS HOJE

Dólar se aproxima de R$ 5,30 com meta fiscal e juros nos EUA no radar; Ibovespa cai 1% e opera no menor nível em cinco meses

16 de abril de 2024 - 6:33

RESUMO DO DIA: Enquanto as bolsas de Nova York operam em alta à espera do discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, o Ibovespa segue mais avesso ao risco com o cenário fiscal no radar. Já o dólar mantém a trajetória de valorização e bateu máxima a R$ 5,27, o maior nível desde […]

MERCADOS HOJE

Bolsas hoje: Ibovespa recua com pressão de bancos e Wall Street no vermelho; dólar sobe a R$ 5,18

15 de abril de 2024 - 6:43

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta segunda-feira (15) no vermelho, pressionado pelo desempenho dos bancos, que recuaram em meio à crescente aversão ao risco no mercado hoje. O principal índice de ações da B3 fechou o pregão em baixa de 0,49%, aos 125.333 pontos. Já o dólar à vista avançou 1,25%, aos […]

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Prévia do PIB no Brasil e balanços nos EUA são destaque junto com Livro Bege nos próximos dias

15 de abril de 2024 - 6:20

As reuniões do FMI ao longo da semana permanecem no radar, com discussões focadas na estabilidade financeira global e nas estratégias para enfrentar as incertezas econômicas

TOUROS E URSOS

O enigma da Petrobras (PETR4): entre dividendos e “risco Lula”, vale a pena ter ações da estatal?

14 de abril de 2024 - 7:45

Ruído da intervenção do governo impede a Petrobras de negociar no patamar de companhias como Chevron e Exxon, segundo analista

TEMPESTADE PERFEITA

Como a escalada das tensões no Oriente Médio derruba as ações da Azul (AZUL4) e da Gol (GOLL4) na B3

12 de abril de 2024 - 16:10

A crise geopolítica pressiona as cotações do petróleo e do dólar, o que afeta os negócios das companhias aéreas

RISCO GLOBAL

Dólar bate em R$ 5,14  e atinge maior nível em seis meses — e aqui estão três motivos para a disparada da moeda norte-americana hoje 

12 de abril de 2024 - 13:25

O dólar também se valoriza ante as divisas globais; as cotações do petróleo e do ouro renovam máximas históricas

VEJA O QUE DIZ A COMPANHIA

Ações da JHSF (JHSF3) tombam 7% na B3; empresa se pronuncia após embargo do Complexo Boa Vista

12 de abril de 2024 - 12:12

A companhia afirmou, em comunicado enviado à CVM mais cedo, que seus advogados avaliam o “sentido e alcance” da liminar expedida na última quinta-feira

DESTAQUES DA BOLSA

Plano & Plano (PLPL3) despenca mais de 7% e registra maior queda da bolsa após prévia operacional; veja os números que desagradaram o mercado

12 de abril de 2024 - 11:33

O forte recuo é uma reação a números considerados neutros por parte dos analistas das principais casas brasileiras

NOVO FOCO DE INCÊNDIO

O cabo de guerra na Petrobras (PETR4) já tem um vencedor? Justiça suspende presidente do conselho de administração — e a estatal promete recorrer da decisão 

12 de abril de 2024 - 10:11

A suspensão de Pietro Mendes enfraquece o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, que é um dos pivôs da crise no comando da petroleira

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies