IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2023-01-09T15:03:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
E AGORA, MERCADO?

Por que a bolsa brasileira opera em alta após os atos terroristas na Praça dos Três Poderes?

Apesar das cenas de destruição, o Ibovespa opera em alta moderada neste início de tarde. Para analistas ouvidos pelo Seu Dinheiro, a reação melhor do que a esperada para a bolsa tem raiz na atuação rápida e firme do governo federal e a reabertura na China

9 de janeiro de 2023
15:02 - atualizado às 15:03
apoiadores-do-ex-presidente-jair-bolsonaro-patriotas-invadem-a-rampa-do-palacio-planalto-e-Congresso-Nacional-para-protestar-contra-o-resultado-das-urnas-1

Ao menor sinal de deterioração do cenário político, o mercado financeiro costuma seguir um roteiro clássico: diante do risco, há desvalorização dos ativos na bolsa, abertura da curva de juros e alta do dólar. 

Mas não é isso que se vê hoje no Brasil, mesmo após as imagens que chocaram o mundo no último domingo (09), com a destruição das sedes do Legislativo, Executivo e Judiciário por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro. 

Por volta das 14h40, o Ibovespa operava em alta de 0,60%, aos 109.599 pontos, o dólar à vista se afastava das máximas e os principais contratos de DI passaram a operar nas mínimas do dia — uma reação longe do que a maior parte da população poderia esperar. 

A verdade é que o mercado financeiro já apontava ontem mesmo que a recepção aos atos terroristas poderia ser mais branda do que a expectativa do público, principalmente pela forte queda recente da bolsa e inclinação da curva de juros nas últimas semanas — frutos da desconfiança com o futuro da política fiscal do governo Lula. 

Ainda assim, os agentes esperavam  uma abertura dos negócios muito mais negativa do que a vista hoje. 

No início da sessão, o Ibovespa chegou a operar no vermelho, mas com perdas limitadas. Não foi preciso esperar muito para que o gráfico invertesse e o principal índice da bolsa engatasse uma melhora generalizada. 

Embora alguns possam ver a reação positiva dos ativos como uma “minimização” dos atos de depredação, não parece ser essa a postura geral dos analistas. O “x” da questão parece ter sido a atuação rápida da União e do Supremo Tribunal Federal (STF) — decretando a intervenção na segurança pública do Distrito Federal e o afastamento dos responsáveis por garantir a paz na região, incluindo o próprio governador Ibaneis Rocha. 

O movimento orquestrado dos Poderes

Um gestor ouvido pela reportagem aponta que o mercado estaria muito mais preocupado com o que ocorreu se houvesse riscos de uma ruptura institucional organizada, com escalada de conflitos, mas o que se tem até aqui é “mais um choro de perdedores e um ato de desespero”, sem uma organização que imponha qualquer tipo de medo.

“Colocando em termos práticos: o Congresso, o Planalto e o STF são apenas símbolos. O mercado ficaria preocupado se tivesse havido um constrangimento às pessoas que exercem o poder e não aos prédios onde trabalham”, finaliza. 

Para Nicolas Borsoi, economista-chefe da Nova Futura Investimentos, o mercado já comprou a ideia de que "o pior já passou" e que a resposta do governo foi suficiente para estabilizar o cenário político local. 

Apesar das ações do Judiciário terem sido bem recebidas até o momento — com os Três Poderes chegando a emitir nota conjunta de repúdio aos atentados do último domingo — há quem acredite que é preciso esperar mais um pouco para eliminar as chances de que as medidas adotadas pela Suprema Corte não encontre resistência dentro do Legislativo. 

Essa, no entanto, não parece ser a leitura da maioria dos agentes do mercado. 

Com os temores de uma insurreição maior contidos, economistas e analistas devem seguir analisando os próximos passos do governo no que diz respeito à condução da política fiscal para o próximo ano — e as projeções pouco tendem a acompanhar as destruições vistas nos Palácios da República. 

Fator China

A alta da bolsa brasileira não está sendo impulsionada apenas pela percepção menor de risco após a atuação contundente do governo federal. 

Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, aponta que se não fossem as limitações de aspecto político, o Ibovespa deveria ter forças para acompanhar a forte alta do mercado internacional. Isso porque a China iniciou o seu cronograma de reabertura da economia, derrubando limitações de fronteiras e tráfego de pessoas. 

Com a perspectiva de um aquecimento da segunda maior economia do mundo, o mercado de commodities volta a se aquecer, favorecendo amplamente o Ibovespa — uma vez que a carteira teórica do índice é cerca de 30% composta por empresas produtoras. 

O barril de petróleo do tipo brent, utilizado como referência global na aplicação de política de preços de combustíveis opera em alta de mais de 1,5%, a US$ 79,72. As bolsas na Ásia fecharam a sessão em alta, assim como os seus pares europeus. 

*Colaboração: Victor Aguiar

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DIA 31

Está confirmado: Lula vai para os EUA no dia 10 de fevereiro — veja o que ele vai discutir com Biden

31 de janeiro de 2023 - 20:06

Enquanto o encontro não chega, o petista tentou acalmar os ânimos dos investidores — que seguem desconfiados em relação à responsabilidade fiscal do novo governo

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa sobe em meio ao caos de um interminável janeiro; o que afeta a bolsa nos próximos dias?

31 de janeiro de 2023 - 18:57

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta terça-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo

MELHORES DO MÊS

Renascimento cripto: bitcoin (BTC) volta a brilhar, sobe mais de 30% e é disparado o melhor investimento de janeiro; títulos do Tesouro ficam na lanterna

31 de janeiro de 2023 - 18:46

As medalhas de prata e bronze foram para o ouro e para o Ibovespa, em um movimento de busca por segurança — e barganhas

ESTAGNOU?

Dividendos do Maxi Renda (MXRF11) não cresceram em 2022, mas os proventos destes outros três fundos imobiliários subiram mais de 50% — veja quais são

31 de janeiro de 2023 - 18:33

O melhor resultado foi obtido pelo Santander Papéis Imobiliários CDI (SADI11), com alta de 77,1%

RELATÓRIO DE PRODUÇÃO

Pé no freio: produção e vendas da Vale (VALE3) registram recuo tímido em 2022; confira os destaques operacionais da mineradora

31 de janeiro de 2023 - 18:30

A produção e a comercialização de minério de ferro da companhia se aproximaram da estabilidade no ano passado, com leves quedas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies