🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
O TAMANHO DO BURACO NO TETO

O que Lula pediu e o que ele levou após aprovação da PEC da Transição no Senado

O plenário do Senado votou a proposta de Lula nesta quarta-feira (07). O presidente eleito conseguiu uma nova desidratação da PEC. A expectativa agora é que seja analisado pela Câmara na semana que vem.

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
8 de dezembro de 2022
5:58 - atualizado às 8:41
Mão segura várias notas de dinheiro com Lula pedindo autorização para gastar
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva - Imagem: Montagem Seu Dinheiro

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição é a principal aposta de Luiz Inácio Lula da Silva para cumprir promessas de campanha — como a manutenção do Bolsa Família em R$ 600 e a concessão de uma parcela adicional de R$ 150 por cada criança de até seis anos. 

Além disso, o presidente eleito estava de olho no aumento real do salário mínimo e na recomposição de verbas do Orçamento do ano que vem para programas como o Minha Casa, Minha Vida, o Farmácia Popular e a merenda escolar. Mas será que ele conseguiu tudo o que queria?

O plenário do Senado aprovou na noite de quarta-feira (07) a PEC da Transição nos moldes da versão aprovada na terça-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. 

Com isso, a PEC eleva em R$ 145 bilhões o teto de gastos pelo período de dois anos e permite gastos extras de até R$ 23 bilhões mediante receitas extraordinárias, o que amplia o impacto fiscal da proposta para R$ 168 bilhões.

A proposta original do governo eleito previa gastos extrateto de R$ 175 bilhões, com impacto fiscal total de R$ 198 bilhões.

Houve uma tentativa por parte de alguns senadores de limitar as despesas além do teto a R$ 100 milhões, mas a iniciativa foi rejeitada.

Confira no fim desta matéria a comparação entre a PEC original proposta pela equipe de Lula e o que passou pelos senadores.

Lula deu a palavra para a CCJ

A PEC da Transição teve uma tramitação relâmpago no Senado. Mas a proposta que chegou ao plenário só passou na CCJ anteontem depois que o senador Jaques Wagner (PT-BA) anunciou, em nome de Lula, um acordo para reduzir a ampliação do teto de gastos de R$ 175 bilhões, como estava previsto no parecer inicial do relator, Alexandre Silveira (PSD-MG), para R$ 145 bilhões. 

Além disso, o PT se comprometeu a enviar ao Congresso até agosto um projeto de lei complementar para mudar a regra fiscal do País, com o fim do teto.

Para assegurar a aprovação da PEC na CCJ do Senado, Silveira acatou uma série de emendas, entre elas, a que garante o pagamento do vale-gás a famílias de baixa renda em 2023 sem necessidade de compensação fiscal. 

Outras retiraram uma série de despesas do teto de gastos, como as de instituições federais de ensino e da Fundação Oswaldo Cruz custeadas por receitas próprias, de doações ou de convênios celebrados com demais entes da Federação ou entidades privadas.

O texto aprovado na CCJ também ampliou o poder do Congresso sobre a alocação de recursos no Orçamento do ano que vem ao permitir que as comissões permanentes solicitem ao relator-geral do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI), a destinação de recursos que ficarão livres na Lei Orçamentária Anual (LOA). 

Na versão da proposta protocolada por Castro, essa prerrogativa estava restrita à equipe de transição.

Depois do Senado, a Câmara

Para passar no plenário do Senado, a PEC precisava do apoio de pelo menos 49 dos 81 senadores, em dois turnos. Passou por 64 a 16 no primeiro turno e 64 a 13 no segundo. A expectativa é que o texto seja analisado pela Câmara na semana que vem. 

De acordo com deputados do PT, há acordo com o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), para que a proposta seja apensada a outro texto que esteja pronto para ir a plenário. Ou seja, sem passar por comissões.

Na Câmara, é necessário o apoio de 308 dos 513 deputados, com votação também em dois turnos.

O que Lula pediu e o que ele levou

A proposta aprovada nesta quarta-feira (07) no plenário do Senado sofreu desidratação em relação à proposta original, mas passou nos termos aprovados na terça-feira na CCJ. 

Proposta do PT

  • Impacto fiscal: R$ 198 bilhões
  • Gastos extrateto equivalentes a R$ 175 bilhões
  • 6,5% do excesso de arrecadação para despesas com investimentos: R$ 7,7 bilhões em 2022 e R$ 23 bilhões em 2023
  • Prazo: 4 anos
  • Gastos de universidade federais custeados com receitas próprias e doações para projetos ambientais/climáticos

Outros pontos:

  • Equipe de transição decide a alocação do espaço aberto no teto

O que mudou na proposta aprovada no plenário do Senado

  • Impacto fiscal: R$ 168 bilhões
  • Gastos extrateto equivalentes a R$ 145 bilhões
  • Prazo: 2 anos

Compartilhe

CETICISMO

Nem o FMI acredita mais que Lula vai entregar meta fiscal e diz que dívida brasileira pode chegar a nível de países em guerra

17 de abril de 2024 - 11:38

Pelos cálculos da instituição, o País atingiria déficit zero apenas em 2026, último ano da gestão de Lula

INTERNACIONAL

Haddad nos Estados Unidos: ministro da Fazenda tem agenda com FMI e instituição chefiada por brasileiro Ilan Goldfajn; veja

14 de abril de 2024 - 16:44

De segunda (15) a sexta-feira (19), o ministro participa, em Washington, da reunião de primavera do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial

NOVO CAPÍTULO

Entrou na briga: após críticas de Elon Musk a Alexandre de Moraes, governo Lula corta verba de publicidade do X, antigo Twitter

13 de abril de 2024 - 16:43

Contudo, a decisão só vale para novos contratos, porque há impedimento de suspensão com os que já estão em andamento

APÓS APAGÕES

Na velocidade da luz: Enel terá um minuto para responder os consumidores, decide Justiça de São Paulo

13 de abril de 2024 - 15:20

Desde novembro do ano passado, quando milhões de consumidores ficaram sem energia após um temporal com fortes rajadas de vento

MINISTRO E BILIONÁRIO

Em meio a embate de Elon Musk com Alexandre de Moraes, representante do X (ex-Twitter) no Brasil renuncia ao cargo

13 de abril de 2024 - 12:55

Em sua conta no LinkedIn, o advogado Diego de Lima Gualda data o fim de sua atuação na empresa em abril de 2024

META FISCAL

Mal saiu, e já deve mudar: projeto da meta fiscal já tem data, mas governo lista as incertezas sobre arrecadação

13 de abril de 2024 - 11:49

A expectativa é para a mudança da meta fiscal a ser seguida no próximo ano devido a incertezas sobre a evolução na arrecadação

ELEIÇÕES 2024

São Paulo já tem oito pré-candidatos na disputa por nove milhões de votos; conheça os nomes

7 de abril de 2024 - 15:45

Guilherme Boulos (PSOL) e o atual prefeito Ricardo Nunes (MDB) lideram as pesquisas de intenção de votos a seis meses das eleições municipais

VEM DINHEIRO AÍ?

Haddad acerta com mercado financeiro mudanças na tributação e prazos para atrair investimentos para bolsa 

4 de abril de 2024 - 8:44

A expectativa é de que as propostas avancem após a regulamentação da reforma dos impostos sobre o consumo, aprovada no ano passado pelo Legislativo

Eleições municipais

Simone Tebet diz que subirá em palanque de prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, quando Jair Bolsonaro não estiver

31 de março de 2024 - 11:54

Candidato a reeleição na capital paulista, Nunes é do MDB, partido da ministra do Planejamento

INÍCIO DA DITADURA

Maioria da população diz que data do golpe de 1964 deve ser desprezada, diz Datafolha; como o governo Lula lidará com a data?

30 de março de 2024 - 15:02

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) determinou que o governo não realize atos em memória do golpe neste ano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar