2022-03-11T17:05:31-03:00
Carolina Gama
PELOTÃO DE VENCEDORES

Vale (VALE3) ou CSN Mineração (CMIN3): quem leva a melhor na guerra entre Rússia e Ucrânia?

Conflito entre dois players relevantes para o setor justifica, em alguma medida, as grandes flutuações dos preços do minério de ferro observados desde a invasão ucraniana, em 24 de fevereiro

11 de março de 2022
17:05
webstory-capa-vale-balanço

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia ainda não chegou ao fim, mas os vencedores já começam a aparecer. A disparada das commodities colocou as mineradoras e as siderúrgicas brasileiras no pelotão das grandes beneficiadas com o conflito, mas em uma disputa entre Vale (VALE3) e CSN Mineração (CMIN3), quem leva a melhor?

Para responder essa pergunta, precisamos primeiro olhar para o minério de ferro. Rússia e Ucrânia não são importantes apenas pelo petróleo e gás natural que fornecem ao mundo. Estima-se que os dois países respondam por 6,6% do total do minério produzido globalmente.

Por isso, a guerra entre players relevantes para o setor justifica, em alguma medida, as grandes flutuações dos preços do minério de ferro observados desde a invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro. 

Fonte: Bloomberg e Genial Analisa

"Por um lado, no curto prazo há a tendência de aumento dos preços do minério de ferro com as sanções à Rússia, porém, com a redução drástica de oferta tanto do petróleo quanto do gás natural, os gastos com transportes, fretes e energia passarão a ter ainda mais relevância nas partes dos custos e despesas", diz Gabriel Tinem, analista da Genial Investimentos. 

Vale versus CSN Mineração: quem leva a melhor?

Considerando o cenário descrito por Tinem, a Vale se encontra mais bem posicionada por apresentar minério de qualidade superior e contratos de longo prazo para evitar exposição ao preço spot dos fretes. 

A CSN Mineração deve surfar na alta dos preços do minério de ferro, mas por não adotar o mesmo procedimento da Vale, deve sentir o impacto da alta do custo do frete de forma negativa em seus resultados.

A Vale também leva a melhor quando o assunto é o níquel, que nesta semana chegou a disparar sob os efeitos da guerra. 

Fonte: Bloomberg e Genual Analisa

A mineradora é a segunda maior produtora da matéria-prima usada para produção de baterias elétricas e que é essencial para a chamada economia de baixo carbono. 

Em 2021, o níquel representou cerca de 6% da receita total da Vale, ainda um número pequeno se comparado aos minerais ferrosos, que correspondem a 85% do total.

IMPORTANTE: liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui

Segundo a Genial, existe o risco de choque de oferta pelas potenciais sanções a Moscou que podem afetar os negócios da russa Norilsk Nickel - a maior produtora mundial de níquel - embora, até o momento, não haja medidas restritivas contra a companhia. 

"É fácil notar que, em caso de sanções sobre a empresa, a beneficiada mais clara disso é a Vale, segunda maior produtora mundial, tanto do lado de volume de produção quanto dos aumentos dos preços", disse Tinem.

E as siderúrgicas, como ficam?

Nessa frente, quem leva a melhor é a CSN (CSNA3). Isso porque o Brasil é um grande exportador de produtos siderúrgicos para os Estados Unidos, sobretudo os semiacabados, que devem se manter em patamares elevados, ainda mais com as sanções às indústrias russas.

Esse cenário beneficia, por exemplo, a CSN, que obteve na América do Norte 18,9% da sua receita de exportação. Além disso, Usiminas (USIM5) e Gerdau (GGBR4) também devem aproveitar um cenário favorável por possuírem negócios na região. 

Tinem lembra que, embora para diversos países as sanções na Rússia representem uma oportunidade de entrar em novos mercados, do lado brasileiro, um problema comum é o custo-Brasil do aço, o que torna os produtos siderúrgicos locais menos atrativos.

Dentre eles, se encontram os custos de frete, logística, altas tributações e gastos com insumos - sobretudo carvão, que é importado devido a sua qualidade superior.

Na produção de aço bruto mundial em 2021, a Rússia ocupou a 5ª posição com 4% do total, enquanto a Ucrânia a 14ª com 1,1% do total. 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies