O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-02T14:21:36-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
8 ou 80

Quanto vale a ação da XP? Credit Suisse corta preço-alvo para US$ 30, mas Goldman Sachs estima o dobro

Migração para a renda fixa motiva corte do Credit na ação da XP; Goldman Sachs fala em risco de excesso de papéis, mas vê balanço sólido

2 de maio de 2022
14:18 - atualizado às 14:21
Foto mostrando dois homens olhando para o logo da XP (XPBR31) numa parede
Imagem: Divulgação XP

Ao fazer os cálculos de quanto vale uma empresa (valuation), é bem comum que os grandes bancos de investimento cheguem a números diferentes. Em geral, os preços-alvo de uma ação, ainda que distintos, ficam relativamente próximos entre si. Mas, no caso da XP, os pareceres dos bancos estão excessivamente discrepantes.

O Credit Suisse, por exemplo, acaba de cortar o preço-alvo da ação da maior corretora do Brasil para US$ 30, de US$ 37.  Por sinal, US$ 37 continua sendo o preço-alvo da XP para o UBS BB.

Por outro lado, o Goldman Sachs acredita que o preço deve chegar US$ 60, o dobro do que calculou o Credit Suisse. Note-se que o papel fechou em US$ 24,61 no último pregão.

O que explica tamanha diferença? Vamos tentar esmiuçar.

Credit Suisse enfatiza migração para renda fixa

O aumento da taxa de juros no Brasil, a Selic, tem feito os investidores migrarem da renda variável para a renda fixa. Afinal, com os títulos públicos rendendo dois dígitos ao ano, fica difícil convencer o investidor a tomar risco na bolsa.

“Os dados da indústria de gestão de ativos mostram que a migração para a renda fixa está beneficiando os bancos tradicionais, com os cinco maiores bancos ganhando market share e as gestoras independentes registrando saídas líquidas pela primeira vez em quatro anos no primeiro trimestre de 2022”, disse o Credit Suisse em relatório sobre a XP enviado a clientes.

E a Selic, hoje a 11,75%, deve permanecer em patamares elevados por algum tempo, até que a inflação seja controlada. Aliás, nesta semana devemos ver uma nova elevação dos juros, da ordem de 1 ponto percentual, e o mercado já antecipa novos aumentos

De acordo com o Credit, os indicadores de desempenho da XP já começaram a refletir esses impactos. As entradas líquidas desaceleraram de R$ 42 bilhões no quarto trimestre de 2021 para R$ 30 bilhões no primeiro trimestre deste ano. 

Além disso, novos negócios dentro da XP estão crescendo a um ritmo muito mais lento, como é o caso de cartões de crédito e previdência.

A distribuição de produtos do mercado de capitais também caiu fortemente no primeiro trimestre em relação ao período anterior.

Dessa forma, o Credit Suisse vê a continuidade do ciclo de aperto monetário como o maior risco para a sustentabilidade das entradas líquidas em 2022.

Goldman Sachs e UBS BB enxergam risco de ‘overhang’ da XP

Por outro lado, para o Goldman Sachs, o maior risco de curto prazo para as ações da XP está no excesso de papéis no mercado (ou overhang). Isso porque a recente compra de 11,36% do capital da XP pelo Itaú Unibanco (ITUB4) deve vir seguida de uma venda da fatia.

A direção do Itaú já deixou claro em outras ocasiões que a participação na XP não é um investimento estratégico e, portanto, deve ser desfeita progressivamente. Da mesma forma, a Itaúsa (ITSA4) também deve continuar reduzindo seu quinhão na corretora.

A Itaúsa, inclusive, vendeu uma fatia de 1,4% em dezembro do ano passado e outra de 2,1% em março, reduzindo sua participação na XP para 11,5%. 

Para o UBS BB, o impacto negativo no preço das ações da XP proveniente do desinvestimento da Itaúsa é o principal risco para os papéis. Em seguida, vem a redução de dinheiro novo entrando na corretora devido à competição com os bancos.

XP: preços-alvo e recomendações

BancoPreço-alvoPotencial de alta*Recomendação
Credit SuisseUS$ 3022%Neutra
Goldman SachsUS$ 60144%Compra
UBS BBUS$ 3750%Neutra
*Em relação ao fechamento de 29/04/2022

Leia também:

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Reino Unido ameaça revisão em termos do Brexit e alimenta temores de guerra comercial; fique por dentro da visita de Boris Johnson à Irlanda do Norte

Divergências entre diferentes unionistas e nacionalistas na Irlanda do Norte pode acabar afetando relação entre Reino Unido e União Europeia

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na contramão de NY, Gol troca comandante e Tesla em apuros; confira os destaques do dia

Mesmo com o dia ruim em NY, o Ibovespa conseguiu ter um dia de ganhos

BALANÇO

De mudança para os EUA, Inter (BIDI11) lucra R$ 27,5 milhões no primeiro trimestre; confira os destaques do banco digital

O Inter também ultrapassou a marca dos 18 milhões de clientes entre janeiro e março, alta de 82% na comparação com o mesmo período de 2021

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa contraria Nova York e sobe mais de 1%, de olho em fraqueza chinesa e futuro da Selic

O futuro da taxa de juros esteve em pauta no Ibovespa, em Wall Street e na China, onde a desaceleração da economia preocupa

Balanço

Nubank (NUBR33) registra prejuízo menor do que o esperado no 1T22, mas inadimplência dispara. Veja os destaques do balanço

Índice de inadimplência acima de 90 dias do Nubank aumentou 0,7 ponto percentual na passagem do 4T21 para o 1T22

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies