2022-04-27T18:42:41-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
APOSTAS DO BANCO

O que esperar dos shoppings no primeiro trimestre? Inter revisa estimativas e elege suas ações favoritas no setor; veja quais são

As administradoras não têm mais de lidar com as restrições de horário e lotação, mas novos desafios surgem na fase mais branda da pandemia de covid-19

27 de abril de 2022
15:53 - atualizado às 18:42
Imagem: Shutterstock

Vacinas no braço, máscaras quase aposentadas, desfiles de Carnaval: 2022 ainda está no início, mas já deu vários indícios de que pode ser considerado o ano da “volta à normalidade”. E a notícia é especialmente celebrada pelos shoppings centers.

Isso porque, ao longo da pandemia de covid-19, o setor enfrentou um risco até então inédito: o de ter que fechar as portas. Agora, com a população novamente circulando (e comprando) nos espaços, as administradoras de shoppings tentam levar as finanças de volta ao patamar pré-coronavírus.

O problema é que, mesmo que a pandemia esteja numa fase bem mais branda no Brasil, ela deixou para trás alguns rastros que ainda pressionam a economia. A inflação elevada, que diminui o poder de compra dos consumidores, e o ciclo de aperto nos juros, responsável por encarecer o crédito, são os principais algozes do segmento.

Recalculando a rota

Considerando esse cenário, o Inter revisou suas recomendações e estimativas para as principais empresas de shoppings brasileiras.

“Apesar de expectativas positivas para o setor, o atual prêmio de risco requerido pelo mercado trouxe uma revisão baixista para os principais papéis do setor”, escreve o analista Gustavo Caetano, da divisão de equity research do banco, em relatório divulgado nesta quarta-feira (27).

Vale lembrar que o prêmio de risco mencionado é a relação entre as ameaças e o rendimento de um determinado investimento: quanto maior o prêmio, mais arriscado é o ativo.

No caso dos shoppings, o indicador considera outros fatores além dos macroeconômicos. Um deles é o possível aumento na inadimplência com o fim dos descontos nos aluguéis oferecidos aos lojistas durante a pandemia.

Ainda assim, há administradoras que podem contornar esse cenário e entregar valorização aos acionistas. “Alguns ativos permanecem com significativo desconto frente ao valor intrínseco estimado e por isso são vistos como oportunidade em termos de upside”, diz o analista.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

As favoritas no segmento de shoppings

Para o Inter, essas companhias são Iguatemi (IGTI11) e Aliansce Sonae (ALSO3). O banco recomenda compra para ambas as ações, com preços-alvo de R$ 27 e R$ 31 por papel, respectivamente.

As cotações definidas para os próximos 12 meses projetam um potencial de alta de 28%, no caso do Iguatemi, e de 47,5% para Aliansce. O cálculo considera a cotação atual das ações.

brMalls (BRML3) e Multiplan (MULT3) já estão melhor precificadas pelo mercado, na visão do banco. Por isso, a recomendação é neutra nestes casos.

Iguatemi (IGTI11) — o luxo nos shoppings contra a inflação

Dentro do segmento de shopping centers voltados para alta e altíssima renda, o Iguatemi (IGTI11) é o preferido do Inter. Para o banco, seu trabalho com marcas exclusivas e o nicho de atuação ajudam a driblar a alta dos preços.

O portfólio premium “lhe confere uma demanda diferenciada junto ao público de renda A e B, gerando maior resiliência em vendas e poder de repasse mesmo diante do cenário de alta inflacionária e contração monetária”.

As vendas da companhia no primeiro trimestre somaram R$ 3,3 bilhões, de acordo com a prévia operacional, e vieram em linha com as expectativas do Inter, reforçando a tese de resiliência dos analistas.

Diante disso, o banco prevê que o Iguatemi reportará um crescimento de 72%, na comparação anual, na receita líquida do período, a R$ 244 milhões.

A projeção para o Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) é ainda mais otimista e aponta uma alta de 99%, para R$ 151 bilhões. A empresa divulga os resultados em 3 de maio.

Aliansce Sonae (ALSO3) — alinhando as margens

A Aliansce Sonae (ALSO3), outra favorita do Inter no setor, já apresentou resultados próximos aos de 2019 no quarto trimestre do ano passado. Por isso, o banco espera que os números do início do ano superem o patamar pré-pandemia.

A expectativa é que a receita líquida cresça 58% na base anual e chegue a R$ 249 milhões entre janeiro e março. Assim como no caso anterior, a previsão para o Ebitda é de um avanço ainda maior: alta de 87% e R$ 150 milhões, com margem de 61%. O balanço da empresa será divulgado no dia 11 do próximo mês.

E a melhora nos indicadores financeiros não deve ficar restrita ao primeiro trimestre: “Com a melhora da pandemia, a empresa deve apresentar um crescimento sólido de receita nos próximos anos, principalmente com a maturação de seu portfólio e aquisição estratégica de novos negócios”.

O banco espera que a administradora de shoppings apresente uma “melhora generalizada” no desempenho operacional e alinhe suas margens às concorrentes do setor.

Além disso, o Inter considera que, com um caixa robusto e baixa alavancagem, a Aliansce tem espaço para expandir sua Área Bruta Locável (ABL) organicamente ou via aquisições.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ALERTA VERMELHO

Ethereum (ETH) ameaçado: 3 motivos que podem atrasar a atualização mais esperada do ano — e por que isso irá afetar o mercado de criptomoedas como um todo

7 de julho de 2022

Na semana, a maior criptomoeda do planeta acumula avanço de mais de 8%, mas investidores continuam à espera de um milagre

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Entre 65 e 380 eu compro

7 de julho de 2022

“O que vai acontecer com X?”. É uma pergunta errada e perigosa, que nem sequer deve ser formulada em decisões de investimento; entenda

OS SOBREVIVENTES

Putin vê mais um primeiro-ministro britânico cair, mas ainda precisa comer muita farinha antes de alcançar a rainha Elizabeth II

7 de julho de 2022

Boris Johnson é o quinto primeiro-ministro a cair com Putin na presidência da Rússia, mas a monarca britânica já viu muito mais que isso

FINO EQUILÍBRIO

Bitcoin (BTC) tenta começar o segundo semestre com o pé direito e criptomoedas acumulam altas na semana; confira oportunidades

7 de julho de 2022

Na semana, a maior criptomoeda do planeta acumula avanço de mais de 8%, mas investidores continuam à espera de um milagre

REESTRUTURAÇÃO

TIM anuncia plano de transformação: confira se as mudanças vão atingir os negócios da TIM Brasil (TIMS3)

7 de julho de 2022

A reestruturação tem o objetivo de reduzir a dívida da operadora na Itália; as operações no Brasil não serão afetadas, de acordo com a TIM