🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela o nome da ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-09-19T18:05:00-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
ESTRATÉGIA?

Demissões seguem à vista: Credit Suisse desliga 21 funcionários no Brasil; saiba os motivos

Segundo o banco, o corte no quadro de funcionários está “em linha com a estratégia de fortalecer e simplificar” o plano operacional

19 de setembro de 2022
18:04 - atualizado às 18:05
credit suisse fachada
Imagem: Shutterstock

Engana-se quem acha que a onda de demissões tem atingido somente startups. O tradicional banco Credit Suisse realizou cortes no quadro de funcionários, na última sexta-feira (16).

Ao menos 21 colaboradores da área de negócios de gestão de fortunas (wealth management) do Brasil foram desligados.

Segundo a agência de notícias Bloomberg, executivos do banco estão discutindo o corte de milhares de empregos em todo o mundo como uma forma de reduzir custos em mais de US$ 1 bilhão (R$ 5,2 bilhões no câmbio atual).

No Brasil, o Credit Suisse tem aproximadamente 1.000 funcionários, sendo metade deles no negócio de gestão de fortunas.

Por fim, as demissões foram divulgadas em primeira mão pelo site Pipeline, do jornal Valor Econômico.

O que diz o Credit Suisse?

O Seu Dinheiro procurou a assessoria do Credit Suisse. O banco informou, em nota, que as demissões estão "em linha com a estratégia de fortalecer e simplificar" o modelo operacional.

Confira a íntegra da nota:

"Em março deste ano, as operações de Wealth Management do Credit Suisse na América Latina e no Brasil foram combinadas em uma única unidade de negócios, em linha com nossa estratégia para fortalecer e simplificar nosso modelo operacional. Como parte dessa reorganização, foram identificadas redundâncias de funções que resultaram em redução de pessoal, particularmente nas funções de apoio."

Vale ressaltar que, em agosto, Marcello Chilov assumiu a cadeira de CEO do banco após liderar dois anos a área de wealth management - setor em que aconteceram os desligamentos recentes.

*Com informações de Bloomberg e Valor Econômico

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Impactos dos juros

Aperto monetário global é novo entrave para crescimento da economia brasileira

24 de setembro de 2022 - 16:53

Com vários países endurecendo a política monetária, o mundo tende a crescer menos, com impactos sobre o comércio global

Eleições 2022

Líder das pesquisas, Lula decide faltar a debate do SBT e ouve críticas de adversários

24 de setembro de 2022 - 14:08

Candidato Ciro Gomes (PDT) disse que Lula “tem muito a esconder”, enquanto o presidente Jair Bolsonaro (PL) chamou a decisão de “estratégia”

Eleições 2022

Pesquisa Ipespe/Abrapel mostra Lula oscilando para cima e Bolsonaro estável

24 de setembro de 2022 - 11:41

Pesquisa mostrou que votos brancos e nulos também subiram, assim como o número de eleitores que não souberam ou preferiram não responder

Tax the rich!

Imposto sobre heranças vai aumentar? Saiba quais candidatos à presidência são a favor de tributá-las ou de taxar grandes fortunas

24 de setembro de 2022 - 10:00

A discussão sobre o aumento de impostos sobre os ricos ou os “super-ricos” é tendência mundial, e no Brasil não é diferente. Mas nem todos os candidatos à presidência têm propostas nesse sentido

Banho mais caro

Tarifa de energia elétrica deve subir mais do que toda a inflação projetada pelo Banco Central em 2023, dizem especialistas

24 de setembro de 2022 - 9:47

Reajuste das tarifas chegaria a 5% em 2023, enquanto a projeção do Banco Central para a inflação é de 4,6%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies