🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-03-11T23:40:42-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Enche o tanque???

Prepare o bolso: Petrobras (PETR4) aumenta preço da gasolina em 19% a partir de amanhã; diesel vai subir 25%

Com a disparada do petróleo para além dos US$ 120 o barril, a Petrobras (PETR4) elevou fortemente os preços da gasolina e do óleo diesel

10 de março de 2022
10:35 - atualizado às 23:40
Imagem mostrando uma bomba de combustíveis abastecendo um carro, sinalizando o preço da gasolina e do etanol ao consumidor, simbolizando a política de preços da Petrobras (PETR4 e PETR3); icms
Imagem: Shutterstock

Se você precisa abastecer o seu carro, é melhor correr para fazê-lo ainda nesta quinta-feira (10): a Petrobras (PETR4) anunciou um aumento de 19% nos preços da gasolina vendida às distribuidoras — o litro passará de R$ 3,25 para R$ 3,86.

Para quem depende de diesel, a situação é ainda pior: a estatal promoveu um reajuste de 24,9% nos preços desse combustível, indo de R$ 3,61 a R$ 4,51 por litro. Os novos preços são revelados após dias de discussão entre governo e Petrobras, uma vez que os preços do petróleo dispararam com a guerra entre Rússia e Ucrânia.

Vale lembrar que não necessariamente os preços nas bombas de combustível terão reajustes semelhantes — o repasse dos reajustes é de responsabilidade dos postos. No entanto, é comum que a alta nos preços da Petrobras às distribuidoras para a gasolina e o diesel seja transferida quase que integralmente aos consumidores.

A decisão foi publicada há pouco e, no comunicado, a Petrobras adota um tom bastante evasivo: os reajustes em si são informados apenas a partir do sexto parágrafo e, como de costume, vêm na forma de centavos, sem revelar diretamente o percentual de alta. Além disso, a estatal abre o texto se gabando pelos "57 dias sem reajustes" — uma escolha curiosa de encadeamento de informações, digamos assim.

Seja como for, o mercado mostrou-se entusiasmado com o reajuste promovido pela Petrobras e o respeito à política de preços, sem interferências maiores do governo: há pouco, as ações PN da companhia (PETR4) subiam 2,80% e as ONs avançavam 2,54%, liderando a ponta positiva do Ibovespa.

No nosso Instagram (clique aqui para nos seguir) explicamos como a guerra na Ucrânia favoreceu o setor de petróleo e por que a Petrobras (PETR4) se tornou uma das ações mais recomendadas pelas corretoras no mês de março.

No nosso perfil você também encontra dicas de investimentos, análises de mercado, riscos da bolsa e conteúdos sobre carreira e empreendedorismo. Confira nosso post abaixo, siga-nos e junte-se à nossa comunidade de investidores.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Seu Dinheiro (@seudinheiro)

Petrobras e a guerra

No comunicado, a Petrobras (PETR4) usa um grande espaço para justificar a elevação nos preços da gasolina e do diesel. O contexto, naturalmente, é a guerra entre Rússia e Ucrânia, que provocou uma disparada na cotação da commodity ao longo das últimas semanas, levando-a ao maior patamar desde 2008.

"A Petrobras decidiu não repassar a volatilidade do mercado de imediato", diz a estatal, afirmando que a decisão só foi tomada após a conclusão de que os preços do petróleo permanecerão "em patamares consistentemente elevados".

A política de preços da companhia acompanha as cotações da commodity; sendo assim, é preciso que os reajustes ao mercado interno acompanhem o movimento global do petróleo para que a companhia não absorva prejuízos.

A disparada do petróleo nos últimos dias, com o barril do Brent superando os US$ 130 — o maior nível de preço desde 2008 — vinha provocando uma série de discussões entre a cúpula do governo Bolsonaro e a administração da Petrobras.

Por um lado, reajustes nos combustíveis são medidas impopulares, especialmente em anos eleitorais; por outro, eventuais intervenções na política de preços da Petrobras seriam bastante negativas à governança corporativa da estatal e trariam enorme desconfiança ao mercado financeiro.

Chegou-se a discutir a criação de fundos governamentais para viabilizar a manutenção dos preços de gasolina e diesel, de modo a não penalizar as finanças da Petrobras, mas o delicado arcabouço fiscal do país representava um entrave relevante a essa alternativa. O corte de impostos, especialmente do ICMS, foi outra alternativa ventilada.

No entanto, ao menos por ora, nenhuma dessas possibilidades foi anunciada; de concreto mesmo, apenas o repasse de preços por parte da Petrobras — o que, em tese, é entendido como um sinal de força por parte da diretoria da empresa, afastando por ora os temores quanto a uma intervenção em sua política.

  • IMPORTANTE: Liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui

PETR4, PETR3 e o petróleo na bolsa

A notícia do reajuste de preços dá impulso às ações da Petrobras (PETR4 e PETR3) na bolsa: como dito acima, os papéis da estatal lideram os ganhos do Ibovespa nesta quinta-feira. No entanto, a desconfiança dos investidores ainda não foi completamente afastada.

Outras petroleiras com ações negociadas na B3 — caso de PetroRio (PRIO3), 3R Petroleum (RRRP3) e Petrorecôncavo (RECV3) — apresentam um desempenho superior ao da Petrobras no curto prazo: o risco de intervenção estatal na política de preços da gasolina se sobrepôs ao otimismo com a disparada do petróleo. Veja o gráfico abaixo:

Retorno acumulado das petroleiras da bolsa desde o começo de março. 3R (RRRP3), Petrorecôncavo (RECV3) e PetroRio (PRIO3) conseguiram pegar carona no rali do petróleo, enquanto a Petrobras (PETR4 e PETR3) ficou para trás, dada a incerteza quanto à capacidade de repassar os aumentos ao consumidor. Fonte: B3

Onze bancos e casas de análise têm cobertura para as ações PN da Petrobras (PETR4), com nove recomendações de compra e duas neutras, de acordo com dados do TradeMap. O preço-alvo médio é de R$ 36,05, o que implica num potencial de alta de cerca de 8% em relação às cotações atuais.

Em termos de múltiplos, PETR4 é negociada com um índice preço/lucro de 4,2 vezes e um EV/Ebitda de 2,6 vezes, níveis inferiores aos das outras petroleiras da B3 e das grandes empresas de óleo e gás do mundo — possíveis indicadores de que as ações da Petrobras podem estar num nível convidativo de preço.

Você também pode conferir esse conteúdo por meio da nosso canal no YouTube, veja a seguir:

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

‘Pane’ nas exchanges, os limites para a Rússia e a queda do Ibovespa; confira os destaques do dia

Os corredores do mercado financeiro estavam mais silenciosos do que o habitual nesta segunda-feira (04).  Nos Estados Unidos, as bolsas em Wall Street ficaram fechadas devido ao feriado do Dia da Independência americana, mas parece que boa parte dos investidores brasileiros também deu uma esticadinha no fim de semana.  Sem Nova York e com o […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa cai abaixo dos 99 mil pontos em dia de baixa liquidez; dólar e juros sobem com petróleo

Sem Wall Street, o Ibovespa teve um dia de movimentação limitada. Apesar da alta do petróleo, o índice não conseguiu se consolidar em alta

ELEIÇÕES 2022

Quem é Maria Luiza Ribeiro Viotti, a primeira mulher a comandar o Itamaraty se Lula vencer as eleições?

A indicação de uma mulher para o Itamaraty contemplaria o movimento feminino na diplomacia, que ganhou força política no Congresso e foi incentivado por Amorim no passado; o Brasil nunca teve uma chanceler

QUEREM PARAR O RUSSO

Todos contra Putin: O assunto da vez da reunião dos líderes do G7? Impor limites à Rússia

Dessa vez, a ideia central é a de impor um “teto” no preço dos combustíveis russos — a proposta foi trazida à pauta pelo presidente americano, Joe Biden

TECNOLOGIA EM FOCO

Em busca de inovação: Petrobras (PETR4) lança oportunidades para aquisição de soluções de startups e empresas de tecnologia; saiba como funciona

A Petrobras vai investir até R$ 21,2 milhões em empresas de tecnologia e startups de soluções nas áreas de robótica, tecnologias digital e d inspeção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies