🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-03-16T16:34:29-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
O campeão voltou mesmo

Segue o líder: mesmo em tempo de guerra, juros reais no Brasil ainda são os maiores do mundo, na prática; enriquecer na renda fixa voltou a ser possível

Com disparada da Selic, Brasil voltou a ser o paraíso dos rentistas, mesmo com inflação elevada; e nem a guerra na Ucrânia lhe tirou o título

16 de março de 2022
16:34
Dinheiro no bolso
Juro real na Rússia disparou por conta da guerra, levando-a ao primeiro lugar de fato do ranking; mas investir no país, neste momento, é inviável. Imagem: Gabriel Ramos/Shutterstock

A rápida escalada da Selic para combater a inflação levou o Brasil de volta à condição de paraíso dos rentistas, onde ganhos fabulosos acima da inflação, na segurança e no conforto da renda fixa, voltaram a ser possíveis. Em fevereiro, quando a taxa básica de juros subiu de 9,25% para 10,75% ao ano, o país retornou à primeira posição do ranking mundial de juros reais, com uma taxa acima da inflação de 6,41%.

Naquele momento, vale lembrar, a Rússia ainda não havia invadido a Ucrânia. Agora em março vivemos oficialmente em tempo de guerra, pois o conflito entre os dois países do leste europeu é um daqueles que trazem consequências econômicas para o mundo inteiro. E, mesmo assim, com a perspectiva de nova alta na Selic nesta quarta-feira (16), o juro real brasileiro ainda se mantém, virtualmente, como o maior do mundo.

É que, segundo o ranking mundial de juros reais elaborado pela Infinity Asset, só quem "ganha" do Brasil neste momento é a Rússia, com um juro real (acima da inflação) de mais de 30% ao ano.

Só que, do ponto de vista do investidor, a Rússia é carta fora do baralho, por conta das duras sanções econômicas que vem sofrendo do Ocidente desde que suas tropas invadiram a Ucrânia.

Assim, o Brasil, com seus juros reais superiores a 7%, se mantém, na prática, como o líder do ranking de março, seguido de Colômbia, Chile e México. Parece que o campeão voltou pra ficar.

Até fevereiro, a Rússia tinha um juro real bem mais "normal", de apenas 4,61%, ficando em segundo lugar no ranking daquele mês, logo atrás do Brasil. Mas, em razão da guerra, das sanções econômicas e da brutal desvalorização do rublo, o país precisou elevar radicalmente sua taxa de juros.

Três cenários para a Selic

O ranking elaborado pela Infinity Asset considera três possíveis cenários para a taxa Selic após a decisão de hoje.

No caso de um aumento de 1 ponto percentual (indo para 11,75%), considerado improvável pela gestora, o juro acima da inflação subiria para 7,10%; com um aumento de 1,25 ponto (indo para 12,00%), o juro real subiria para 7,34%; e com um aumento de 1,50 ponto (indo para 12,25%), considerado o cenário mais provável pela gestora, o juro real iria para 7,39%.

Em todos os casos, o Brasil se mantém em segundo lugar de fato e primeiro lugar "de direito", logo atrás da Rússia. Confira o ranking na íntegra:

Ranking mundial de juros reais de março de 2022

  1. Rússia: 30,07%
  2. Brasil: 7,10%, 7,34% ou 7,39%
  3. Colômbia: 3,65%
  4. Chile: 3,64%
  5. México: 2,62%
  6. Turquia: 1,44%
  7. Hungria: 1,22%
  8. Indonésia: 1,00%
  9. África do Sul: 0,46%
  10. China: -0,01%
  11. Malásia: -0,05%
  12. Filipinas: -0,14%
  13. Hong Kong: -0,74%
  14. Índia: -0,90%
  15. Japão: -0,95%
  16. Suíça: -0,98%
  17. Israel: -1,40%
  18. Tailândia: -1,49%
  19. Nova Zelândia: -1,76%
  20. República Checa: -1,76%
  21. Coreia do Sul: -1,79%
  22. Reino Unido: -1,86%
  23. Polônia: -1,89%
  24. Suécia: -2,14%
  25. Cingapura: -2,20%
  26. Dinamarca: -2,30%
  27. Austrália: -2,34%
  28. Grécia: -2,62%
  29. Áustria: -3,19%
  30. Portugal: -3,38%
  31. Taiwan: -3,48%
  32. Canadá: -2,31%
  33. França: -3,84%
  34. Estados Unidos: -4,28%
  35. Alemanha: -4,85%
  36. Holanda: -5,03%
  37. Espanha: -5,12%
  38. Itália: -5,35%
  39. Bélgica: -5,48%
  40. Argentina: -15,20%

O que os juros reais elevados representam para o investidor

Juros reais altos representam uma diferença positiva grande entre a taxa básica de juros do país e sua inflação projetada. O retorno real de um ativo - ou seja, seu retorno acima da inflação - é o que dita a capacidade daquele ativo de tornar seu investidor mais rico de fato.

Repare que algumas taxas do ranking são negativas. Isso significa que, naqueles países, a inflação supera a taxa de juros, seja porque os juros estão muito baixos (caso dos Estados Unidos, por exemplo), seja porque a inflação está assustadoramente alta, ainda que a taxa de juros também esteja (caso da Argentina).

No ranking da Infinity, o cálculo de juros reais leva em conta a taxa de juros referencial do dia da elaboração do ranking no seu vencimento mais líquido, dentro de um ano, e o indicador de inflação oficial projetada para os próximos 12 meses, conforme divulgado pela autoridade monetária de cada país.

No Brasil, portanto, considera-se a taxa do Depósito Interbancário (DI) de um ano (vencimento em março de 2023, neste ranking), e o IPCA para 12 meses do último Boletim Focus do Banco Central (que foi de 5,69%, no caso).

Renda fixa com retorno de 1% ao mês

Assim, o que esse juro real elevado significa para o investidor? Significa que há boas oportunidades de retorno na renda fixa, cuja rentabilidade costuma estar, em maior ou menor grau, atrelada à taxa de juros do país.

Além disso, significa que está dando para preservar o capital e de fato ficar mais rico investindo em renda fixa, pois a pré-condição para enriquecer é, no fim das contas, conseguir ganhar acima da inflação.

Com a Selic em dois dígitos e ainda em processo de alta, as aplicações pós-fixadas (atreladas à Selic e ao CDI) voltaram a pagar o tão sonhado 1% ao mês de que o investidor brasileiro tanto gosta. São casos como o título público Tesouro Selic, negociado no Tesouro Direto, e dos CDBs, LCIs e LCAs que pagam um percentual do CDI.

Já a inflação elevada e ainda pressionada pela guerra na Ucrânia faz com que despontem as aplicações indexadas à inflação, que têm pago taxas prefixadas gordas, mais a variação de um também gordo IPCA.

No Tesouro Direto, os títulos Tesouro IPCA+, também conhecidos como NTN-Bs, estão pagando entre 5,70% e 5,91% ao ano mais IPCA, remunerações historicamente elevadas. Já nos bancos médios, é possível encontrar CDBs, LCIs e LCAs indexados ao IPCA com remunerações ainda maiores para prazos equivalentes, e tudo com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Nesta outra matéria, eu falo mais sobre o título do Tesouro Direto ideal para ganhar dinheiro e ainda proteger o dinheiro da inflação, neste momento. E aqui eu listo alguns investimentos atrelados à inflação para enfrentar a época de preços elevados.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

FII DO MÊS

Fundos de papel retornam ao topo da preferência dos analistas; veja quais são os FIIs favoritos para julho

6 de julho de 2022

Em meio ao temor de recessão global, as corretoras consultadas pelo Seu DInheiro voltaram-se novamente para a proteção do papel

ESQUENTA DOS MERCADOS

Bolsas estrangeiras patinam à espera da ata do Fed e dos dados de desemprego nos Estados Unidos

6 de julho de 2022

Investidores preparam-se para a divulgação da ata do Fed na tentativa de prever os próximos passos da política monetária norte-americana

Especiais SD

Onde investir no 2º semestre: Renda fixa, nós gostamos de você! Com juros altos, ativos mais rentáveis do ano continuam atraentes

6 de julho de 2022

No difícil primeiro semestre de 2022, ativos de renda fixa foram os únicos a se salvarem, especialmente aqueles que se beneficiam da alta dos juros; para o resto do ano, esses investimentos permanecem interessantes, e investidor não precisa correr muito risco para ganhar dinheiro

NOITE CRIPTO

Parece, mas não vai: bitcoin segue preso ao patamar de US$ 20 mil; saiba o que está no caminho do BTC

5 de julho de 2022

Investidores devem ficar atentos à divulgação da ata da reunião do junho do Federal Reserve, prevista para amanhã — documento tem potencial para aumentar a volatilidade do mercado

AGORA É PRA VALER

Petrobras (PETR4) conclui a venda de participação na Deten Química — veja quanto entrou no caixa da estatal

5 de julho de 2022

O negócio, que tinha sido anunciado em abril, encerra a presença da petroleira na fabricante das principais matérias-primas para o segmento de limpeza doméstica e comercial no Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies