O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-30T10:43:01-03:00
Estadão Conteúdo
Mudando o foco

Em deserto de IPOs, bolsa retoma movimento com leilões de privatização

Os leilões federais e estaduais para concessão de áreas públicas preenchem parte do vazio deixado pela ausência dos IPOs na bolsa

30 de abril de 2022
10:42 - atualizado às 10:43
Fachada da sede da B3 (B3SA3), em São Paulo. A temporada de resultados do terceiro trimestre começa no dia 22; o calendário de balanços do Seu Dinheiro está nesta matéria
Imagem: Divulgação

Nos primeiros meses de 2022, o sino que marca a chegada de um novo negócio ao mercado de ações se manteve silencioso, diante do cenário de volatilidade por causa da guerra entre Ucrânia e Rússia e da proximidade das eleições. O que compensou parte desse "deserto de IPOs" para a bolsa brasileira, a B3, foram os leilões de ativos públicos.
Nada menos do que 15 eventos do tipo foram realizados no tradicional espaço da antiga Bovespa, no centro de São Paulo, nos três primeiros meses deste ano.

A expectativa é de que esses 15 leilões feitos na B3 gerem R$ 8,8 bilhões em investimentos privados, em dez Estados brasileiros, com a privatização de serviços públicos como saneamento e iluminação, entre outros.

O movimento de licitações de ativos públicos é bem superior ao visto no ano passado: em 2021, os três primeiros meses do ano tiveram dois leilões; no mesmo período de 2020, houve apenas um evento.

A Bolsa atua como assessora de licitações há 30 anos, desde a época da desestatização de companhias como a Usiminas e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). O segmento representa um alento em um momento ruim para as estreias de negócios na Bolsa, mas os leilões não chegam, nem de longe, a compensar as receitas que a B3 teria com uma oferta de ações.

Esse tipo de leilão representa apenas uma fração do negócio total da B3, embora a empresa esteja começando a planejar formas de ampliar esse faturamento.

No balanço do quatro trimestre de 2021, as receitas com esse serviço não são abertas, pois ficam dentro da linha "outros", que correspondeu a R$ 37,3 milhões no período, representando apenas 1,5% do faturamento total da B3 no período, que somou R$ 2,4 bilhões.

Apesar de ser pouco relevante, a linha "outros" do balanço da Bolsa cresceu 24,8% nos últimos três meses do ano passado, considerada a comparação com 2020.

Leilões e bolsa: espaço para crescer

O superintendente de processos licitatórios da B3, Guilherme Peixoto Barboza, diz que a antiga Bovespa se envolveu nos leilões justamente porque algumas das empresas estatizadas no passado detinham ações negociadas no mercado. A atual B3, vale lembrar, é resultado da união das antigas Bovespa, Bolsa do Rio, BM&F e Cetip.

"Hoje essa atividade (de leilões de ativos públicos) está mais recorrente. Com isso, a área de assessoria da B3, que temos desde 2017, passou a ter essa prestação mais difundida. Antes fazíamos para o governo federal e alguns Estados. Agora, passamos a atender até mesmo os municípios", explica Barboza, que em dia de leilão é responsável por bater o martelo e anunciar o vencedor do ativo em disputa.

Segundo o executivo da B3, há espaço para o setor crescer dentro da Bolsa brasileira. Hoje, a área atende apenas o setor público, mas já estão em negociações leilões envolvendo o setor privado. Uma das possibilidades é a venda de créditos de carbono; outra linha possível é a de créditos tributários. "Temos algumas discussões, temos condições de fazer novos projetos neste ano", comenta Barboza.

B3: custódia

O trabalho da Bolsa de assessorar licitações começa bem antes do dia do leilão em si. Quando o governo federal lança um edital para uma licitação de uma rodovia, por exemplo, há uma data estabelecida para que os interessados entreguem toda a documentação. Toda essa papelada, muitas vezes trazida por advogados nas clássicas malas pretas de viagem, é entregue à B3, que fica responsável por analisar tudo e validar ou não a participação do proponente.

A B3 também faz a custódia das garantias preparadas pelos participantes do leilão, como seguro garantia ou títulos do tesouro. "A B3 é a gestora da garantia dada pelo proponente até a assinatura do contrato", explica.

Mas e se, quando o mercado voltar à normalidade, houver uma oferta de ações no mesmo dia de uma licitação? Segundo a B3, a chance de "conflito" é pequena, já que as estreias na Bolsa geralmente ocorrem pela manhã, enquanto os leilões são feitos à tarde.

No podcast Touros e Ursos desta semana, a equipe do Seu Dinheiro comenta a aquisição do Twitter por Elon Musk — e as consequências desse movimento para a rede social e para o bilionário. É só dar play!

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

CHARLIE BROWN DEU A LETRA

Na mão grande: Putin confisca e subsidiária do Google (GOGL34) na Rússia beira a falência; entenda a história

Governo russo confia na censura e na propaganda para moldar a opinião pública — táticas que lançaram as empresas de tecnologia em uma luta complicada. Ao mesmo tempo, o Kremlin tem procurado impedir que as big techs deixem o país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies