🔴 +30 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – ACESSE GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
ÚLTIMA REUNIÃO DO ANO

Copom cumpre o esperado e mantém a Selic em 13,75% ao ano — mas há preocupação com o cenário fiscal

Como já era esperado pelo mercado, a Selic se manteve estável em 13,75% ao ano, mas o BC deixou um recado para os riscos no radar

Jasmine Olga
Jasmine Olga
7 de dezembro de 2022
18:32 - atualizado às 21:47
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central; o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne a cada 45 dias para definir a taxa básica de juros da economia, a Selic
Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

A última reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central teve um roteiro previsível para o mercado financeiro — a estabilidade da taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano e um tom mais duro do BC brasileiro com relação ao risco fiscal futuro, o que levou a uma revisão das expectativas de inflação.

A decisão, divulgada há pouco, foi unânime. Essa foi a terceira reunião consecutiva em que o Copom decidiu pela manutenção da taxa básica de juros no patamar atual. Você pode conferir o comunicado completo aqui.

O ciclo de alta da Selic chegou ao fim em setembro, após um ano e meio de ajuste na taxa básica de juros — bem antes do movimento visto em economias mais desenvolvidas, como Estados Unidos e União Europeia. Em 2022 foram cinco elevações — de 1,5 p.p. em fevereiro, três de 1,0 p.p. em março, maio e junho e uma alta final de 0,5 p.p. em agosto. 

O encerramento do aperto monetário coincide com o arrefecimento visto no principal indicador de inflação do país — o Índice de Preços no Consumidor Amplo (IPCA) está acumulado em 6,47% nos últimos 12 meses, longe do pico de 12,13% visto em abril. 

Apesar disso, no comunicado, o BC apontou que, embora tenha se registrado queda recente em itens afetados por medidas tributárias, a inflação ao consumidor segue elevada, e a subjacente está acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta de inflação.

O que aconteceu desde a última reunião

Essa foi a primeira reunião do Comitê de Política Monetária desde a definição da eleição presidencial, com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no fim de outubro. 

De lá para cá, as perspectivas do mercado com relação ao risco fiscal se deterioraram de forma expressiva — os investidores deixaram de projetar um corte nos juros já no primeiro semestre de 2023, pelo contrário. Os temores levaram a curva de juros a precificar um novo aumento na Selic, acima da casa dos 14% ao ano. 

O “x” da questão para os investidores foram os planos do governo eleito para financiar uma elevação nos gastos públicos de forma a honrar algumas das promessas prioritárias feitas por Lula — como a reestruturação do Bolsa Família e a elevação do benefício que vinha sendo pago. 

Desde a primeira semana do governo de transição, a equipe de Lula deixou claro que iria tentar ampliar o teto de gastos por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), mas até que se tivesse uma ideia concreta sobre qual seria o tamanho do cheque, o mercado financeiro temeu pelo pior. 

O teto de gastos, que precisou ser contornado nos últimos anos por conta das despesas geradas pela pandemia do coronavírus, parecer ter sido oficialmente aposentado, sem uma nova âncora fiscal dando garantias de que as contas públicas ficarão sob controle pelos próximos anos — principalmente quando não se sabe quem será o responsável por conduzir o Ministério da Economia no terceiro mandato de Lula. 

A tensão que reinou ao longo de novembro ainda deixa resquícios no ar, mas os últimos dias trouxeram algum alívio. O texto que foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) foi reduzido em R$ 30 bilhões, com o custo total ficando em R$ 168 bilhões por dois anos — um prazo menor do que o inicialmente requisitado. 

Além disso, os senadores decidiram que uma nova âncora fiscal deve ser apresentada por meio de lei complementar até agosto do próximo ano. 

  • Quer ter acesso a títulos de renda fixa ‘premium’? Você pode receber as melhores ofertas diariamente, direto no seu WhatsApp, assim que elas ficarem disponíveis. É totalmente gratuito. CADASTRE-SE AQUI

O texto agora está sendo analisado pelo Congresso e precisa ser aprovado nas duas casas legislativas em dois turnos. Nesta quarta-feira (07), a pauta está sendo discutida no Senado e deve ser votada ainda hoje. 

Ao longo do último mês, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, chegou a comentar a reação negativa do mercado aos ruídos políticos. Campos Neto lembrou que o equilíbrio fiscal é primordial para a boa resposta da política monetária e condução da inflação em direção à meta, mas apontou que pode ser cedo para determinar de que forma o novo governo deve conduzir as contas públicas.  

O recado do Copom

Devido ao grande grau de incerteza visto nos mercados no último mês, principalmente a volatilidade da curva de juros, todos esperavam um recado mais duro do BC sobre a situação fiscal — e não foram decepcionados.

Ao citar os riscos que podem pressionar ainda mais os indicadores de inflação, os diretores do Copom salientaram a forte incerteza sobre o futuro arcabouço fiscal do país e estímulos fiscais que possam estimular a demanda agregada. De acordo com o comunicado, "a conjuntura, particularmente incerta no âmbito fiscal, requer serenidade na avaliação dos riscos".

"O Comitê acompanhará com especial atenção os desenvolvimentos futuros da política fiscal e, em particular, seus efeitos nos preços de ativos e expectativas de inflação, com potenciais impactos sobre a dinâmica da inflação prospectiva".

Mostrando como a movimentação recente preocupa, houve uma revisão para cima das projeções de inflação — 6% em 2022, 5% em 2023 e 3% em 2024. No boletim Focus, esses mesmos vencimentos apresentam expectativa de 5,9%, 5,1% e 3,5%, respectivamente.

A primeira percepção do mercado parece ser a de que os dirigentes do BC devem esperar sinais mais concretos para sinalizar uma mensagem mais contundente sobre a trajetória fiscal, mas o texto do comunicado se mostrou marginalmente mais duro do que os últimos.

O comunicado também trouxe um reforço de que o horizonte relevante para a política monetária é de 18 meses (seis trimestres). Ou seja, 2023 e 2024.

Entre os outros riscos destacados pelo BC estão uma persistência das pressões inflacionárias globais, enquanto uma queda adicional das commodities internacionais e uma desaceleração mundial maior do que a esperada compõem os riscos de baixa.

Compartilhe

CONCESSÃO DE 30 ANOS

Sem concorrentes, consórcio de brasileiros e chineses vence leilão de trem que ligará São Paulo a Campinas

29 de fevereiro de 2024 - 18:16

O grupo terá que investir cerca de R$ 12,4 bilhões para criar uma linha que conecte os munícipios Jundiaí, Louveira, Vinhedo e Valinhos, além de uma opção expressa para quem vai da capital a Campinas

GRANDES FORTUNAS NA MIRA

Como Haddad quer convencer o G20 a lançar uma proposta “ambiciosa” para taxar super-ricos ao redor do mundo

29 de fevereiro de 2024 - 14:16

Vale destacar que o trabalho do grupo que reúne as maiores economias mundiais estão sob presidência brasileira

VAI QUE…

Por que o Brasil cresceu pouco nas últimas décadas? Geraldo Alckmin tem uma resposta — e uma receita para reverter esse cenário

29 de fevereiro de 2024 - 12:07

Participação do PIB do Brasil na economia mundial vem caindo e deve alcançar apenas 2,3% em 2024, segundo FMI

LOTERIAS

Lotofácil faz 3 novos milionários da noite para o dia. Será que foi você?

29 de fevereiro de 2024 - 5:56

Fábrica de milionários da Lotofácil opera com capacidade total; Mega-Sena acumulada corre hoje e pode pagar R$ 135 milhões

O TAL DO HEDGE

Como o governo quer aumentar a oferta de proteção contra a queda do real para os investidores de longo prazo

28 de fevereiro de 2024 - 18:22

Segundo o secretário do Tesouro, o objetivo é criar uma linha que estimule as instituições financeiras a oferecem mais produtos para proteção cambial

VEJA QUEM TEM DIREITO

Lote da “malha fina”: Receita paga amanhã restituição de Imposto de Renda para quem acertou as contas com o Fisco

28 de fevereiro de 2024 - 17:03

O valor total das restituições ultrapassa os R$ 304 milhões e será destinado a contribuintes com prioridade legal, além de quem utilizou a declaração pré-preenchida ou optou pelo depósito via Pix

CHEGOU A NOSSA VEZ?

O país do futuro: 7 razões pelas quais o BTG Pactual (BPAC11) considera que o potencial do Brasil está prestes a se realizar

28 de fevereiro de 2024 - 13:05

Há obstáculos pelo caminho, mas analistas do BTG veem o Brasil bem posicionado para aproveitar a oportunidade de chegar ao futuro

LOTERIAS

Mega-Sena acumula de novo e fortuna em jogo sobe ainda mais; Lotofácil tem 2 ganhadores em SP

28 de fevereiro de 2024 - 5:48

Lotofácil garante a alegria dos apostadores das loterias da Caixa; Mega-Sena só saiu duas vezes até agora em 2024

NOVA PLATAFORMA

Governo vai permitir que trabalhador tome empréstimo consignado sem passar pelo patrão; veja como vai funcionar o FGTS digital

27 de fevereiro de 2024 - 19:48

A nova plataforma substituirá o antigo sistema da Caixa e incluirá um rubrica para que os trabalhadores tomem crédito diretamente com os bancos

NOVA TENTATIVA

Governo não desiste de acabar com o saque-aniversário do FGTS e cogita Medida Provisória

27 de fevereiro de 2024 - 16:58

Projeto que propõe o fim do saque-aniversário do FGTS deve ir ao Congresso em março, segundo o ministro do Trabalho, Luiz Marinho

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies