A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-12T20:15:56-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
NOITE CRIPTO

A inflação vem aí: Bitcoin (BTC) opera na casa dos US$ 19 mil sob tensão de dado nos EUA; saiba por que isso importa

A expectativa em torno do número é saber se ele vai confirmar que a inflação, que atingiu o maior nível em 40 anos nos EUA, ainda não atingiu o pico

12 de julho de 2022
20:15
criptomoedas
Imagem: Pexels/Shutterstock | Montagem: Cláudia Helena Loureiro -

O bitcoin (BTC) entrou na noite desta terça-feira (12) operando em queda, na casa dos US$ 19 mil, no momento em que o tom de cautela impera entre os ativos de risco, entre eles as ações e as criptomoedas.

E tudo por que a inflação vem aí. Na quarta-feira (13) pela manhã, os investidores devem acompanhar com atenção o índice de preços ao consumidor norte-americano (CPI, na sigla em inglês) de junho.

A expectativa em torno do número é saber se ele vai confirmar que a inflação, que atingiu o maior nível em 40 anos nos EUA, ainda não atingiu o pico.

Se isso acontecer, as chances das ações e das criptomoedas como o bitcoin sentirem o peso do dado é grande.

Por volta de 20h15, o bitcoin operavam em queda de 2,75%, cotado a US$ 19.406,72. Confira a cotação de algumas das principais criptomoedas do mundo:

NomePreço24h %7d %
Bitcoin (BTC)US$ 19.406,72-2,75%-4,67%
Ethereum (ETH)US$ 1.044,61-4,83%-8,85%
Tether (USDT)US$ 0,9993+0,01%+0,02%
USD Coin (USDC)US$ 1,000,00%+0,02%
BNB (BNB)US$ 222,44-1,49%-4,39%
Fonte: coinmarketcap.com

E por que a inflação importa para o bitcoin?

O questionamento que os investidores mais se fazem é se as criptomoedas são uma tese resistente à crise — o “não” está claro, tendo em vista a queda de mais de 70% desde as máximas históricas.

O dinheiro que costumamos usar no dia a dia, emitido pelo Banco Central, tem a emissão infinita. Isso significa que não precisa existir um lastro correspondente para o papel que nós chamamos de real por aqui, por exemplo — a mesma regra se aplica ao dólar e ao euro. 

No caso do bitcoin, existe um número limitado de tokens (criptomoedas) BTC: cerca de 21 milhões.

Ou seja, em aproximadamente 119 anos, o último bitcoin da rede será descoberto pelos mineradores de cripto e não haverá mais BTCs para serem colocados em rede.

Assim, o bitcoin pode ser considerado um ativo escasso e deflacionário devido a sua alta valorização, diferentemente das chamadas moedas fiduciárias (fiat, emitidas pelo Banco Central).

Entenda aqui:

Mas as criptomoedas de modo geral — o bitcoin inclusive — têm se comportado muito mais como ações de tecnologia do que propriamente como um mercado à parte.

Falando com sinceridade, o mercado de criptomoedas ainda não adquiriu sua própria dinâmica e acaba reagindo pelas mesmas métricas que movimentam o setor tech.

Por isso, a inflação dos EUA tem influência — ainda que indireta — nas cotações das criptomoedas, derrubando os preços.

E tem mais!

Além de toda essa dinâmica, tem um outro fator que não pode ser ignorando: inflação fora de controle é sinônimo de aperto monetário.

O Federal Reserve (Fed) já cansou de dizer que não medirá esforços para conter o aumento dos preços nos EUA e, para isso, vem sendo agressivo no aumento da taxa de juros — a ferramenta primária de qualquer BC no controle da inflação.

Juro alto nos EUA, fuga de investidor de ativos de risco como as criptomoedas. Por isso, se o CPI de junho vier pior do que o Fed e o mercado esperavam, o bitcoin e outros ativos digitais devem enfrentar uma nova rodada de quedas.

Veja também: O bitcoin não morreu — as cinco criptomoedas para o segundo semestre

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magalu (MGLU3) dispara, BC amigo das criptomoedas e outros destaques do dia

12 de agosto de 2022 - 19:07

O mercado financeiro começou a semana olhando aterrorizado para os céus. Já era esperado que os dias fossem marcados pelo avistamento de dragões no ar, mas não se sabia ao certo o tamanho da encrenca que precisaria ser enfrentada.  Com traumas dos episódios recentes, quando a cada mês a ameaça se mostrava maior e mais […]

FECHAMENTO DO DI

Alívio com inflação leva Ibovespa a subir 6% na semana; Magazine Luiza (MGLU3), Hapvida (HAPV3) e Via (VIIA3) disparam após balanço

12 de agosto de 2022 - 18:41

Os indicadores melhores do que o esperado deram um respiro para o Ibovespa nesta semana; dólar caiu quase 2%

SEMANA EM CRIPTO

Ethereum (ETH) rouba a cena e dispara 14%, mas bitcoin (BTC) encerra semana acima dos US$ 24 mil; saiba o que esperar das criptomoedas

12 de agosto de 2022 - 17:56

O otimismo com a atualização do éter, as sanções ao Tornado Cash e o real digital são alguns dos destaque da semana

FEBRABAN TECH 2022

Setor financeiro melhora planos para o metaverso e já fala em criptomoedas como ‘espinha dorsal’ do processo — mas isso vai levar algum tempo; entenda

12 de agosto de 2022 - 17:40

O Febraban Tech 2022 foi realizado entre os dias 9 e 11 de agosto, em São Paulo; confira alguns destaques

COM PASSAGENS DE SAÍDA

Cinco empresas chinesas vão retirar seus ADRs da Bolsa de Nova York — saiba por quê

12 de agosto de 2022 - 17:02

As estatais anunciaram planos de retirada voluntária de seus ADRs ainda neste mês; a decisão acontece em meio à desacordo entre os órgãos reguladores da China e dos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies