⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2022-09-16T07:55:48-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Ricardo Gozzi
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais caminham para fechar semana no vermelho e Ibovespa acompanha queda

Os investidores aguardam a ‘Super Quarta’ na semana que vem, com perspectiva de que os Bancos Centrais elevem os juros ainda mais

16 de setembro de 2022
7:44 - atualizado às 7:55
mercado financeiro ibovespa
Confira o que movimenta a bolsa, o dólar e o Ibovespa hoje.

A semana encaminha-se para o fim e os investidores parecem ter jogado a toalha. Pelo menos por hoje. O sinal vermelho nas bolsas estrangeiras impõe-se como um dos obstáculos para que o Ibovespa se recupere nesta sexta-feira das perdas acumuladas na semana. Mas não é único.

Em Wall Street, os índices futuros apontam para mais uma abertura em queda, com o Nasdaq caminhando para sua pior semana desde junho deste ano.

Mas não é só nos Estados Unidos que o clima nos mercados financeiros amanhece em meio a chuvas e trovoadas.

Os principais índices de ações da Europa abriram em queda. Por lá, os investidores estão preocupados com os riscos crescentes de uma recessão em meio ao aumento das taxas de juro e à persistente volatilidade no mercado de energia.

Como se isso não bastasse, a libra esterlina flerta com sua mais baixa cotação em relação ao dólar desde 1985 e o euro opera abaixo da paridade com a moeda norte-americana.

Para piorar, é improvável que a pressão sobre os ativos de risco diminua antes do meio da próxima semana, quando ocorrerá a chamada Super Quarta.

A Super Quarta é a forma como os investidores locais se referem à coincidência de datas das reuniões de política monetária do Banco Central do Brasil e do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Apesar de os mais recentes números da inflação nos Estados Unidos continuarem apontando para uma desaceleração na alta dos preços, analistas consideram que o Fed vai manter uma postura agressiva no aperto monetário em andamento por lá.

Por aqui, a bolsa brasileira deve seguir colada no exterior e dificilmente conseguirá apontar para uma direção contrária dada a falta de indicadores locais e corrida eleitora.

No pregão da última quinta-feira (15), o Ibovespa encerrou o dia em queda de 0,54%, aos 109.953 pontos. O dólar à vista avançou 1,18%, a R$ 5,2391. 

Confira o que movimenta a bolsa, o dólar e o Ibovespa nesta sexta-feira (16):

Destaque nas bolsas do exterior

Chama a atenção o recuo de mais de 15% das ações da FedEx no pré-mercado norte-americano.

A queda acentuada do papel é uma reação ao fato de a empresa de remessas ter reportado números trimestres abaixo das expectativas dos analistas e retirado as projeções para os resultados de 2022.

A FedEx anunciou ainda que irá implementar iniciativas de corte de custos para lidar com a queda nos volumes de remessas globais. Tudo porque “as tendências macroeconômicas pioraram significativamente”.

Um empurrãozinho da China

O destaque da manhã vai para o desempenho econômico da China, que reage aos estímulos do governo de Pequim para limitar os efeitos da política de “covid zero” no país.

A produção industrial na China superou as previsões dos analistas, com crescimento de 4,2% em agosto, na base anual — contra as estimativas de avanço de 4%.

Já as vendas no varejo avançaram 5,4% na comparação anual, também acima das estimativas de 4%. 

O forte desempenho da economia chinesa pode animar a expectativa para países emergentes — entre eles, o Brasil. 

Ibovespa, inflação e juros

Por aqui, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, andou jogando água no chope dos investidores.

Ele tem advertido que, apesar da desaceleração da alta dos preços — e das leituras mensais de deflação do IPCA —, a batalha contra o dragão da inflação não está ganha. Diante disso, cada vez mais analistas agora consideram que o BC deve levar a taxa Selic para além dos atuais 13,75% por ano.

Alguns analistas entendem que os juros podem chegar aos 14% ao ano ao final do ciclo. Dessa forma, a próxima Super Quarta terá uma importância fundamental. 

Corrida eleitoral

Os investidores também devem repercutir o cenário de estabilidade da nova rodada do Datafolha. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manteve os 45% de intenção de voto da pesquisa anterior.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) oscilou um ponto para baixo, para 33%.

A pouco mais de duas semanas do primeiro turno das eleições presidenciais, a expectativa é de que os apoiadores de Lula passem a pregar com cada vez mais veemência o voto útil no ex-presidente.

Já os bolsonaristas buscam reanimar suas bases depois da a intenção de voto no atual presidente e candidato à reeleição aparentemente ter chegado ao teto.

Bolsa hoje: agenda do dia

  • Zona do Euro: CPI e Núcleo do CPI (6h)
  • Rússia: Decisão de política monetária (7h30)
  • FGV: IGP-10 de setembro (8h)
  • CNI: Atualização da capacidade instalada em agosto (10h)
  • Estados Unidos: Poços e plataformas de petróleo em atividade na semana (14h)

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

DESTAQUES DA BOLSA

Ações da MRV (MRVE3) despencam após suspensão da capitalização da Resia; veja os novos planos da construtora para a subsidiária norte-americana

7 de outubro de 2022 - 13:36

De acordo com a companhia, a operação só será retomada quando o cenário macroeconômico dos EUA estiver novamente favorável ao mercado de capitais

O caminho mais seguro

Por que você ainda deve investir em Tesouro Selic, mesmo que os juros tenham parado de subir

7 de outubro de 2022 - 13:19

Para o Itaú BBA, Selic pode permanecer alta por mais tempo do que o mercado espera, e investidor deve manter 60% da sua carteira de títulos públicos em Tesouro Selic

ELEIÇÕES 2022

Simone, Ciro “envergonhado” e até FHC: aonde esses apoios podem levar um eventual governo Lula

7 de outubro de 2022 - 13:15

O petista se movimenta de modo a angariar o máximo apoio possível e confirmar, no fim de outubro, um favoritismo que lhe é atribuído desde sua ressurreição para a política

ELEIÇÕES 2022

Zema, Moro, Garcia e Dallagnol: como esses apoios podem ajudar Bolsonaro no segundo turno?

7 de outubro de 2022 - 13:07

Presidente vem reforçando seu time para a fase final das eleições com nomes da direita da política brasileira; confira os apoios que podem fazer a diferença na reeleição de Bolsonaro

NÃO VAI COLAPSAR?

Ressuscitou? Credit Suisse tenta tranquilizar investidores sobre risco de calote e ações avançam em NY

7 de outubro de 2022 - 12:49

Entre as soluções anunciadas, a instituição financeira recomprará bilhões em dívidas e venderá um famoso hotel de quase 200 anos de história

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies