O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-08T17:05:19-03:00
Guilherme Valle
FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar volta a recuar e vale R$ 4,70, no ano desvalorização é de mais de 15%. Euro também cai e é negociado a R$ 5,11; confira o que movimentou o câmbio nesta sexta-feira

Com IPCA de março acima das expectativas, investidores começam a rever suas apostas para a Selic

8 de abril de 2022
17:05
dólar e euro
A sexta-feira foi de muita volatilidade para o dólar - Imagem: Shutterstock

O dólar teve uma sessão marcada pela volatilidade mas interrompeu a sequência de altas e voltou a recuar nesta sexta-feira (08). 

A moeda norte-americana agora é negociada a R$ 4,7089, desvalorização de 0,67%. O euro também recuou 0,68% e vale R$ 5,1196. Na semana, o dólar subiu 0,89%, ao passo que o euro registrou avanço de 1,26%.

Por aqui

O dia ficou marcado pela divulgação do IPCA de março, que fechou o mês com avanço de 1,62%, acima da mediana das expectativas que estavam em 1,35%. No acumulado de 12 meses a inflação atingiu 11,3%.

O resultado marca a maior taxa de inflação registrada no mês de março desde 1994 e coloca dúvidas na cabeça dos investidores, que pareciam estar considerando que a próxima alta na Selic seria a última do ciclo de aperto. Com esse novo cenário batendo à porta, os juros tiveram um dia de forte alta.

O euro registrou máxima de R$ 5,1897 e mínima de R$ 5,1160. O dólar, por sua vez, alternou momentos de alta e de queda e operou no intervalo entre R$ 4,7010 e R$ 4,7939.

Por lá

O tom da ata do Federal Reserve e dos mais recentes discursos de dirigentes da entidade continua a causar impactos nos mercados do mundo todo. As bolsas de NY tiveram um dia volátil mas acabaram conseguindo registrar alta ao final do dia.

Contudo, os treasuries, títulos da dívida norte-americana, passaram o dia inteiro operando no território da alta, sinalizando que o apetite ao risco vem se reduzindo conforme ficam mais claros os remédios que o Federal Reserve pretende usar contra a inflação no país.

O DXY, índice que mede a força do dólar em relação aos seus pares, chegou a romper os 100 pontos, um patamar que não era visto desde junho de 2020, demonstrando que o dólar ganha força frente moedas como euro, yen e libra. 

Acompanhe a nossa cobertura completa de mercados para acompanhar o desempenho de bolsa, dólar e juros hoje. Confira também o fechamento dos principais contratos de DI:

CÓDIGONOME ULT  FEC 
DI1F23DI jan/2312,96%12,74%
DI1F25DI Jan/2511,78%11,49%
DI1F26DI Jan/2611,52%11,29%
DI1F27DI Jan/2711,48%11,25%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies