Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais... - Seu Dinheiro
Menu
2021-01-18T08:44:26-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

17 de janeiro de 2021
20:00 - atualizado às 8:44
vacina bolsa coronavírus
Imagem: Shutterstock

O otimismo que guiou a bolsa brasileira (e as globais) nas últimas semanas parece ter chegado ao fim. A situação do coronavírus nos quatro cantos do mundo acende um alerta amarelo sobre a capacidade de recuperação da economia global e preocupa o mercado.

Na semana passada, a bolsa brasileira sofreu consideravelmente com a falta de horizonte para a vacinação e outros ruídos políticos que chegaram de Brasília.

Além disso, as coisas no exterior não andaram como o planejado.

Joe Biden finalmente apresentou o seu pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão, abaixo do esperado pelo mercado. A expectativa pelos estímulos guiou as bolsas globais até o topo na primeira semana de 2021, mas agora, eles são razão para a cautela que toma conta do mercado. É que existe um temor de que o Congresso americano possa desidratar o projeto. Esse provavelmente é um dos temas que deve seguir em alta nos próximos dias.

Na sexta-feira (15), o Ibovespa fechou o dia com um recuo de 2,54%, aos 120.348,80 pontos, acumulando uma queda de 3,8% na semana. Já o dólar teve um avanço 1,81%, a R$ 5,3042. A divisa acumula uma baixa de 2,07% na semana. 

Fique de olho

IBC-Br

Na agenda econômica local, o indicador mais importante é o IBC-Br, Índice de Atividade Econômica do Banco Central.

O indicador do BC é conhecido como "a prévia do PIB" e ajuda o Comitê de Política Monetária (Copom) a definir a trajetória da Selic. Além disso, é um bom termômetro da atividade da economia.

A mediana dos analistas consultados pelo Projeções Broadcast é de alta de 0,5% para o índice. O intervalo de estimativas vai de alta de 0,20% a 1,50%. Em outubro, o índice foi de 0,86%.

Dia D

Com o quadro atual da pandemia se mostrando insustentável, os investidores esperam ansiosos pelo início da vacinação do país e monitoram o desenrolar da situação. A expectativa é que ela comece ainda nesta semana, após a aprovação da Anvisa para uso emergencial das vacinas de Oxford e a CoronaVac.

O assunto ainda promete ser raiz para embates e ruídos político.

É hora de Copom

Nesta semana, além do IBC-Br, os investidores também ficam atentos à reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que deve decidir sobre o futuro da Selic.

O Banco Central está pressionado, principalmente após o indicador da inflação oficial mostrar que o IPCA subiu 4,5%, acima da meta, que era de 4%.

Nesta semana que passou, o mercado ficou apreensivo com a ideia de que uma alta da Selic já aconteceria na próxima reunião. Restou ao diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Bruno Serra, acalmar os nervos.

Serra disse que uma possível alta dos juros está no horizonte, mas isso irá depender do rumo da política fiscal do país. Se você espera uma mudança já na quarta-feira, vá com calma. Serra afirmou que a próxima redução não deve acontecer já na próxima reunião. É provável que mudanças só ocorram após a votação do Orçamento de 2021.

É possível que o BC abandone o "forward guidance", a prescrição futura sobre o que deve acontecer com a política monetária do país, já nas próximas reuniões.

Temporada de balanços... Nos EUA

Nos Estados Unidos, estamos entrando na segunda semana da temporada de balanços. Confira as principais empresas que divulgam o seu balanço nos próximos dias:

Balanços

  • Terça-feira (19): Bank of American, Netflix e Goldman Sachs;
  • Quarta-feira (20): Procter & Gamble, Morgan Stanley e United Airlines;
  • Quinta-feira (21): Intel e IBM.

Biden nos holofotes

Depois de quatro anos, Donald Trump deixará a presidência dos Estados Unidos. A posse do presidente Joe Biden acontece na próxima quarta-feira (20).

Vale a pena ficar atento ao desenrolar dos eventos. Donald Trump prometeu que não irá ao evento e há suspeita de que seus apoiadores possam aproveitar o momento para realizar um tumulto semelhante ao que aconteceu duas semanas atrás, com a invasão do Capitólio.

Além disso, fica no radar o desenrolar do processo de impeachment de Trump. A pauta foi aprovada na Câmara e se encontra no Senado.

Agenda

Segunda-feira (18):

  • EUA: bolsas americanas fechadas para celebração do feriado do dia de Martin Luther King
  • Europa: Encontro do Eurogrupo
  • Brasil: IBC-Br de novembro (9h); Boletim Focus (8h25)
  • China: Investimento Estrangeiro Direto

Terça-feira (19):

  • Europa: Transações correntes; Percepção econômica ZEW (7h)
  • EUA: Fluxo líquido de Capital (18h)
  • China: Taxa Preferencial de Empréstimo

Quarta-feira (20):

  • Europa: Inflação (7h)
  • EUA: Estoques de Petróleo Bruto; posse do presidente eleito Joe Biden
  • Brasil: Decisão de Política Monetária (18h30)

Quinta-feira (21):

  • Europa: Decisão da taxa de juros (9h45); confiança do consumidor (12h)
  • EUA: Pedidos de seguro-desemprego (10h30); atividade industrial (10h30)

Sexta-feira (22):

  • Europa: PMI Industrial, composto e de serviços (6h)
  • Brasil: Receita tributária Federal (10h30)
  • EUA: PMI Industrial, composto e de serviços (11h45)
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Vêm proventos por aí

B3 anuncia quase R$ 2 bi em dividendos, além de recompra e desdobramento de ações

Conselho de administração da companhia aprovou pagamento de dividendos do quarto trimestre e dividendos extraordinários referentes a 2020

Cenário pandêmico

B3 lucra R$ 4,2 bilhões em 2020, alta de 53%, com volatilidade dos mercados, ofertas de ações e juros baixos no Brasil

Cenário pandêmico acabou beneficiando os resultados da companhia, resultando em volatilidade e juros baixos que impulsionaram investidores e empresas a recorrerem ao mercado de capitais

O melhor do seu dinheiro

A semana que vem, enfim, chegou

Depois de uma série de adiamentos, a PEC Emergencial enfim foi aprovada em dois turnos pelo Senado. A medida permitirá o retorno do auxílio emergencial, que ficará limitado ao teto de R$ 44 bilhões, que quase foi derrubado, mas acabou ficando. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. O avanço foi comemorado pelo […]

FECHAMENTO

Aprovação da PEC emergencial garante recuperação do Ibovespa enquanto NY amarga perdas

A fala de Powell fez o Ibovespa reduzir os ganhos, mas ainda assim o principal índice da bolsa avançou 1,35%; dólar teve queda de 0,11%, a R$ 5,6582

Petróleo

Evitar volatilidade nos preços serve a consumidores e produtores, afirma ministro árabe na Opep+

Quanto aos elementos que vêm sendo observados na demanda para as decisões do grupo, o saudita apontou o retorno da mobilidade como uma prioridade.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies