💸 Você pode receber R$ 120 para investir; veja como solicitar o depósito aqui

Cotações por TradingView
2021-05-01T13:13:48-03:00
Estadão Conteúdo
Disputa acirrada

Vale suspende eleição de Conselho por divergências entre acionistas; votação será retomada no dia 3

Processo eleitoral na Vale em 2021 é emblemático por se tratar da escolha do primeiro conselho após o fim do acordo de acionistas vigente desde a sua privatização, em 1997

1 de maio de 2021
13:13
roberto castello branco, ex-presidente da Petrobras
A principal divergência envolveu a contagem de votos destinados ao ex-presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, apoiado por gestoras e fundos de investimento. - Imagem: Agência Brasil

Diante de uma assembleia marcada por longas interrupções e muitos questionamentos de acionistas, a Vale decidiu suspender a eleição do Conselho de Administração na reunião desta sexta-feira, 30. A escolha do novo board foi adiada para a segunda-feira, dia 3 de maio.

A principal divergência envolveu a contagem de votos destinados ao ex-presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, apoiado por gestoras e fundos de investimento. "Para assegurar a solidez da votação e do regime de voto múltiplo, a companhia vai suspender a assembleia a esse item e outros relacionados para maiores apurações", disse o presidente da mesa, Luiz Antonio Sampaio.

A assembleia geral ordinária (AGO) levou seis horas. Só a discussão sobre a escolha do novo conselho tomou em torno de quatro horas e meia, com três interrupções, sendo a última delas por cerca de duas horas e meia.

Primeiro, a assembleia parou para que acionistas que não haviam votado pelo Boletim de Voto a Distância (BVD) preenchessem a planilha enviada pela companhia por e-mail para computar seus votos ao conselho de administração. Depois, para corrigir um erro apontado por participantes da reunião e que acabou levando à suspensão da eleição.

Após reclamações de acionistas e dos candidatos Marcelo Gasparino e Mauro Cunha, indicados por minoritários, a Vale apresentou o mapa sintético com os votos dados via BVD e dos detentores de ADRs, certificados de ações da companhia emitidos no mercado americano. Inicialmente, ele trazia apenas os votos enviados pelo boletim.

O cômputo é essencial para que os minoritários definam sua estratégia de voto para eleger ao menos parte de seus quatro indicados. O resultado indicava Castello Branco na penúltima colocação entre os 16 candidatos ao colegiado, atrás apenas do japonês Ken Yasuhara.

O representante do grupo Capital, Rodrigo de Mesquita Pereira, afirmou que os votos de ADRs do grupo Capital no candidato não foram devidamente computados. A Capital é acionista relevante da Vale, com um total de 11,3% do capital social.

Pelo mapa divulgado somando votos via ADRs e BVD, em princípio seriam eleitos três dos quatro nomes alternativos indicados por minoritários. A exceção seria Castello Branco. Assim, entrariam entre os eleitos Gasparino, Cunha e a conselheira do Grupo Soma, Rachel Maia. Entre os 12 nomes indicados da Vale, ficariam de fora Fernando Buso (Bradespar), José Maurício Coelho (Previ) e Yasuhara (ex-Mitsui).

Diante das divergências, entretanto, o resultado segue totalmente em aberto. É preciso também computar os votos dados durante a AGO. De acordo com o presidente da mesa, os votos conferidos a Castello Branco foram informados pelo Citi, instituição depositária dos ADRs.

Sampaio disse que a Vale só poderia trabalhar com a informação oficialmente recebida e que a mesma só poderia ser retificada pelo próprio banco. A reunião voltou a ser congelada por quase duas horas para que os acionistas enviassem suas planilhas de voto, mas na volta foi anunciado o adiamento.

Minoritários vs. acionistas de referência

O processo eleitoral na Vale em 2021 é emblemático por se tratar da escolha do primeiro conselho após o fim do acordo de acionistas vigente desde a sua privatização, em 1997. A disputa vem sendo marcada por uma forte oposição entre minoritários e acionistas de referência como Previ, Bradespar e Mitsui, que até novembro faziam parte do bloco de controle da companhia.

Donos de 21% do capital da Vale, eles apoiaram (e tiveram executivos entre) os indicados pela empresa. A mineradora, entretanto, tem outros acionistas de referência de peso, como BlackRock (5,29%) e o grupo Capital, com um total de 11,3%. Os fundos da Capital fazem parte dos que solicitaram o voto múltiplo e apoiaram outras candidaturas.

Outras matérias foram aprovadas

Apesar da turbulência, a AGO da Vale aprovou outras matérias. Foram aprovadas as contas da companhia, a destinação do resultado do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2020, o número de membros do conselho de administração, conforme proposta da administração, em 13 membros titulares e 1 suplente.

Também foi homologada a reeleição de Lucio Azevedo como representante dos empregados da companhia. A eleição para o 13º assento no colegiado se dá em separado.

Além disso, os acionistas aprovaram o pacote de remuneração dos administradores. A empresa passa a incluir 55% de indicadores não financeiros entre as metas coletivas. Os incentivos de longo prazo passam a ser compostos também por metas ESG (20%), não só de retorno ao acionista.

Houve um aumento de 44,3% no valor reservado para o pagamento dos principais executivos em 2021. A diretoria receberá um total de R$ 238,7 milhões, incluídos encargos sociais. Para o conselho fiscal da Vale, foram eleitos Cristina Fontes Doherty, Marcelo Moraes, Marcus Severini e Raphael Manhães Martins, além de três suplentes.

As matérias votadas na Assembleia Geral Extraordinária (AGE), realizada em seguida, foram todas aprovadas. A votação incluiu as incorporações, sem aumento de capital e sem emissão de novas ações, da CPFL e da Valesul pela Vale, além da incorporação do Acervo Cindido MBR pela Vale e do plano de remuneração baseado em ações.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Arriba!

Nubank começa a oferecer conta rendeira no México e anuncia capitalização de US$ 330 milhões na operação no país

6 de dezembro de 2022 - 11:09

Estratégia do Nubank no México segue o mesmo roteiro que foi empregado no Brasil: primeiro lançou cartão de crédito e, depois, conta rendeira

MARKET MAKERS

O preço importa: em momentos de incerteza, como saber se o pessimismo já está precificado — e um exemplo prático disso

6 de dezembro de 2022 - 10:05

Meu trabalho como analista de ações é entender o quanto desse cenário pessimista já está incorporado no preço das ações

REESTRUTURAÇÃO

Eletrobras (ELET3) define condições para incorporar ações PNA e subsidiárias

6 de dezembro de 2022 - 9:44

A ex-estatal convocou uma assembleia de acionistas para o dia 5 de janeiro para discutir as operações; veja os detalhes das operações

DE OLHO NAS REDES

Lula pode até tentar, mas não deve conseguir “enquadrar” o Banco do Brasil — para o Goldman Sachs, ele está blindado e ações podem subir 40%

6 de dezembro de 2022 - 8:28

O presidente eleito já deixou claro que não está feliz com o lucro do Banco do Brasil, mas é improvável que ele consiga mudara estrutura; entenda

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Day trade na B3: Oportunidade de lucro acima de 5% com ações da Metalúrgica Gerdau (GOAU4); veja a recomendação

6 de dezembro de 2022 - 8:14

Após o fechamento do último pregão, identifiquei uma oportunidade de compra dos papéis da Metalúrgica Gerdau (GOAU4)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies