Menu
2021-04-26T23:55:21-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
demanda em alta

Vale tem lucro de US$ 5,5 bilhões no 1º trimestre, salto de 2.220%

Resultado reflete o aumento na produção do minério de ferro e a alta no preço da commodity no mercado global, com avanço de 81,4% da receita

26 de abril de 2021
20:08 - atualizado às 23:55
Navio da Vale
Imagem: Agência Vale

A Vale registrou um lucro líquido de US$ 5,546 bilhões no primeiro trimestre de 2021, segundo balanço da empresa divulgado nesta segunda-feira (26).

O resultado é abaixo do esperado pelo mercado — que projetava lucro de US$ 6,1 bilhões, segundo dados da Bloomberg —, mas 2.220% superior ao mesmo período do ano passado, quando a mineradora teve lucro líquido de US$ 239 milhões. O desempenho também supera o do quarto trimestre, de lucro de US$ 739 milhões.

A alta do lucro da Vale reflete o aumento na produção do minério de ferro e o avanço no preço da commodity no mercado global, que impulsionaram as receitas em 81,4% na base anual, totalizando US$ 12,645 bilhões.

Em relação ao resultado dos três últimos meses de 2020, há o reconhecimento de gastos com o rompimento da barragem em Brumadinho (MG) e a diferença entre encargos de impairment [redução do valor recuperável de um ativo] em negócios de Níquel e Carvão.

No primeiro trimestre deste ano, custos e despesas da empresa totalizaram US$ 4,989 bilhões. O Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da Vale chegou a US$ 8,350 bilhões.

"Estou confiante de que nossos resultados financeiros positivos refletem nossa consistência no cumprimento de nossas promessas de redução de riscos da Vale".

Eduardo Bartolomeo, Diretor-Presidente da Vale.

Brumadinho

A Vale continua a desembolsar parte dos recursos gerados para cumprir os compromissos assumidos com o rompimento da barragem em Brumadinho, em 2019, que matou 270 pessoas.

No primeiro trimestre, a empresa registrou US$ 269 milhões relativos ao rompimento da barragem, "incluindo o Acordo Global (US$ 12 milhões), o programa de descaracterização (US$ 84 milhões), outras provisões de reparação (US$ 58 milhões) e despesas incorridas (US$ 115 milhões)".

O valor total das provisões está atualmente em US$ 6,0 bilhões, devido principalmente aos pagamentos feitos durante o trimestre no valor de US$ 154 milhões, e ao impacto da depreciação do real, disse a empresa.

Os pagamentos relacionados ao Acordo Global para a Reparação de Brumadinho devem começar no segundo trimestre. A Vale espera desembolsar R$ 1,5 bilhão em 2021 com relação ao Acordo, incluindo US$ 1,2 bilhão em obrigações de pagamento direto.

Dívida e investimento

Ainda segundo o balanço da mineradora, a dívida líquida da empresa totalizou US$ 2,136 bilhões negativo no primeiro trimestre, com a dívida líquida expandida em US$ 10,712 bilhões.

"A dívida líquida expandida deve tender, ao nível de referência de longo prazo de US$ 10 bilhões à medida que continuamos a gerar caixa, cumprir nossas obrigações e compromissos, distribuir dividendos sólidos e recomprar nossas ações", disse a companhia.

O investimento total no primeiro trimestre foi de US$ 1,009 bilhão, ficando US$ 435 milhões abaixo do três últimos meses do ano passado. A empresa diz a sazonalidade explica a diferença entre os valores.

O balanço da Vale é divulgado uma semana após dados operacionais que apontaram uma alta de 14,2% na produção de finos de minério de ferro no trimestre, totalizando 68,0 milhões de toneladas — com um prêmio de US$ 8,3 por tonelada sobre o preço de referência no mercado.

Parte da tese de investimento da Vale parte do pressuposto de que o minério produzido pela companhia tem qualidade superior ao de outras empresas, por isso a mineradora consegue emplacar preços maiores que a média em meio a uma recuperação de outras economias.

A ação 'defensiva'

Maior produtora mundial de minério de ferro e pelotas, matérias-primas essenciais para a fabricação de aço, a Vale foi desde o início da pandemia apontada como uma opção "defensiva" para investidores na bolsa.

A companhia se beneficiaria de uma recuperação do continente asiático, enquanto empresas mais expostas ao ocidente, em diferentes setores, ainda teriam dificuldade para retomar à demanda pré-crise.

No ano passado, a Vale registrou US$ 4,9 bilhões de lucro, ante um prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019. Nos últimos 12 meses, as ações da empresa subiram 160%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies