Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-05T11:10:21-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Entrevista exclusiva

A Ser Educacional já enxerga o futuro do ensino — e tem um plano para chegar lá

Jânyo Diniz, presidente da Ser Educacional, diz que o grupo estuda mais aquisições e aposta num ecossistema de ensino digital

28 de junho de 2021
5:09 - atualizado às 11:10
Jânyo Diniz, presidente da Ser Educacional
Jânyo Diniz, presidente da Ser Educacional - Imagem: Ser Educacional

Pouco antes de Jânyo Diniz aparecer na sala de conferência, eu enfrentava problemas típicos dos tempos de home office. A internet estava instável no escritório e eu fui para sala; uma vez lá, meus cães insistiam em pular no meu colo — eles queriam porque queriam participar da entrevista com o presidente da Ser Educacional.

Ossos do ofício, por assim dizer. O "novo normal" embaralhou tudo — casa, trabalho e escola estão no mesmo lugar; pais, filhos e pets dividem o mesmo espaço; e a vida, mais do que nunca, é intermediada por telas.

Só que, com a vacinação ganhando escala no país, uma dúvida começa a surgir no horizonte: o "velho normal" voltará a existir, ou um "novíssimo normal" emergirá, incorporando elementos da rotina da pandemia?

"O ensino vai ser híbrido e à distância", crava Diniz, em entrevista ao Seu Dinheiro — e sem cães aparecendo no vídeo. "Quando olhamos para o futuro, vemos um uso intensivo de tecnologia [na educação], um ecossistema com trilhas de aprendizado".

Ou seja: para o executivo, cursos 100% presenciais serão coisa do passado. Flexibilidade será a palavra de ordem no ensino superior, com os alunos livres para escolher como e quando estudar — e com incentivos para ir além de uma simples graduação.

A Ser Educacional, naturalmente, se prepara para a visão de futuro do seu presidente: os investimentos em digitalização são prioridade no grupo, de modo a aperfeiçoar as plataformas de ensino. E, para concluir essa tarefa, a companhia está de olho em novas oportunidades no mercado.

"Temos espaço para cerca de R$ 500 milhões em aquisições", diz Rodrigo Alves, diretor de relação com investidores da Ser Educacional, também presente à conferência. Na mira, estão as chamadas edtechs — startups que aliam tecnologia e educação —, além de instituições de ensino no campo da saúde e grupos focados em EAD.

Mudança cultural

Jânyo Diniz avalia que a pandemia acelerou alguns processos que já estavam em andamento: a adoção do EAD em massa não fazia parte dos planos da Ser Educacional já em 2020, embora o ensino a distância já estivesse ganhando importância no grupo.

Em 2017, por exemplo, os cursos in loco representavam mais de 90% da base de alunos da Ser; em 2020, a proporção já era mais equilibrada: 72% na modalidade híbrida/presencial e 28% no digital. No primeiro trimestre deste ano, a diferença caiu ainda mais: 62% a 38%.

A maior presença do ensino totalmente digital no mix, por outro lado, traz uma consequência: o tíquete médio fica menor. Cursos de EAD costumam ser mais baratos que os presenciais ou híbridos — o tíquete da Ser caiu de R$ 716 em 2017 para R$ 570 em 2020.

Ainda assim, a Ser conseguiu mostrar uma estabilidade na linha de receita líquida, com o crescimento da base de alunos compensando as mensalidades mais baratas.

Ser Educacional resultados

Diniz pondera, no entanto, que a mudança mais significativa no setor de educação ocorreu nos aspectos culturais.

Depois de quase um ano e meio de pandemia, o executivo afirma que boa parte do preconceito em relação ao ensino a distância caiu por terra. A modalidade, hoje, é mais bem aceita por pais e alunos; o mercado de trabalho é mais receptivo aos profissionais com formação digital.

"A mudança de cultura faz com que as pessoas tenham uma tendência maior a aceitar o ensino digital. O presencial puro deixa de existir, qualquer instituição ou curso vai ter um componente a distância", diz Diniz.

Essa migração não consiste na simples troca da lousa pelo monitor. O executivo ressalta que o uso da tecnologia serve para ampliar o leque dos alunos: conteúdos extra, professores de outras localidades e aulas gravadas são algumas das possibilidades.

Graduações que exigem aulas práticas continuarão com elementos presenciais, enquanto outras poderão ser 100% digitais — nesses casos, o aluno tem a opção de assistir as aulas in loco, se preferir. A continuidade dos estudos, com cursos livres e de atualização, também é facilitada e incentivada.

O ecossistema da Ser Educacional

Sendo assim, a companhia aposta todas as fichas no aperfeiçoamento de seu ecossistema de ensino. Nesse contexto, foi lançada no começo deste ano a Ubíqua, a nova matriz curricular híbrida que disponibiliza conteúdos digitais e tecnologias que complementam o aprendizado.

Outro braço importante é o GoKursos, uma espécie de marketplace de ensino com cursos diversos, todos estruturados pela companhia — e com assinaturas mensais que vão de R$ 29,90 a R$ 89,90. "Temos a expectativa de desenvolver conteúdo e fazer aquisições estratégicas para fortalecer o ecossistema, diz Diniz.

Dito tudo isso, há uma barreira importante para os planos: a limitação tecnológica no lado dos alunos.

Os problemas que eu enfrentei antes da conversa com Jânyo Diniz foram pequenos e facilmente solucionados: fui para outro cômodo da casa, contei com a boa vontade dos cães e pronto — fiz uma hora de entrevista sem maiores dificuldades.

Infelizmente, nem todos possuem as mesmas condições: internet instável, computadores antigos, empregos incompatíveis com o ensino digital — há uma gama de empecilhos que podem afastar os alunos, apesar das mensalidades mais baratas.

O presidente da Ser Educacional reconhece que, de fato, a barreira tecnológica e a desigualdade nas condições de acesso entre os alunos é uma questão importante a ser discutida. E, tendo esse contexto em mente, a empresa tem como meta ampliar a opção de cursos, com cada vez mais flexibilidade e variedade de duração.

A ampliação desse leque é fundamental para os planos da Ser: para o executivo, a volatilidade do mercado de trabalho tornará inviável que uma pessoa faça apenas um curso de graduação durante a vida.

E, considerando que muitas funções novas não exigem um diploma específico, os cursos livres e de atualização profissional — justamente os oferecidos no GoKursos — terão uma demanda elevada.

É o que chamamos de massificação customizada da educação, feita para atender às necessidades de forma cirúrgica. É um grande Lego.

Jânyo Diniz, presidente da Ser Educacional

As aquisições para o fortalecimento do ecossistema já começaram: em dezembro, a Ser Educacional comprou a Beduka, uma edtech que auxilia os usuários a escolherem carreiras e cursos — uma espécie de teste vocacional mais sofisticado.

E, para Diniz, falta ainda construir a última perna do tripé: a de encaminhamento profissional. "Queremos colocar uma plataforma de empregabilidade dentro do ecossistema".

GoKursos Jânyo Diniz

Ser Educacional, pandemia e aquisições

O plano da Ser foi acelerado com a pandemia, uma vez que a criação de plataformas massivas de ensino a distância foi imperativa. Ao mesmo tempo, os grupos de educação precisaram se adaptar à pressão econômica e ao aumento na evasão de alunos.

Mas, ainda no ano passado, um filão começou a se mostrar promissor: o dos cursos cuja percepção de valor é maior. Boas avaliações pelo MEC, instalações modernas para aulas práticas, ferramentas de ensino avançadas — tudo isso eleva o tíquete médio, mas também cria um vínculo mais forte com os alunos, que não interrompem os estudos.

Nesse sentido, a Ser Educacional pisou no acelerador e fez diversas aquisições ao longo de 2020, quase todas com esse racional em mente. Cursos bem conceituados e com tíquetes mais altos, como os de medicina e saúde, eram o alvo a ser atingido.

E a empresa de Jânyo Diniz buscou as oportunidades existentes no mercado. Veja abaixo a lista de aquisições feitas pela Ser Educacional desde o ano passado:

AtivoLocalDataPreço (R$ mi)
Faculdade Educacional da LapaParaná31/mai/21280
Faculdade Internacional da Paraíba (FPB) e Centro Universitário dos Guararapes (UniFG)*Paraíba e Pernambuco28/dez/20180
Centro Universitário São Francisco de Barreiras (Unifasb)Bahia20/dez/20210
Portal Beduka (edutech)-18/dez/20-
Sociedade Educacional de RondôniaRondônia14/dez/20120
Faculdade de Juazeiro do NorteCeará18/set/2024
Faculdade de Ciências Biomédicas de CacoalRondônia06/ago/20150

*Opções de compra fechadas; a operação ainda não foi concluída

Todas as aquisições de 2020, com exceção da Beduka, têm algumas características em comum: concentram-se nas regiões Norte e Nordeste, áreas em que a Ser tem grande presença; e oferecem cursos de medicina ou saúde, com tíquetes mais elevados.

"A Laureate era atrativa pelo portfólio de medicina muito forte, quase 800 vagas", diz Diniz — a Ser chegou a fechar acordo para comprar o grupo de americano, mas foi superada pela Ânima.

Ainda assim, a Ser Educacional recebeu pagamentos referentes à quebra do contrato e assinou acordos judiciais com a Ânima, passando a deter opções de compra de algumas faculdades da Laureate — a Ser exerceu o direito de aquisição da FPB e da UniFG, mas a operação ainda não foi concluída.

A compra da Fael, em maio deste ano, já teve outro racional: o grupo paranaense tem 90 mil alunos, possui expertise avançada em ensino digital e conta com mais de 600 polos parceiros ativos. Trata-se de uma instituição complementar ao portfólio da Ser, tanto pela exposição às regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, quanto pelo modelo de atuação via polos.

Com o negócio com a Fael, a Ser chega a aproximadamente 175 mil alunos em cursos digitais e mais de 300 mil no total. Mas, e agora? Quais os próximos passos?

Bem, a companhia deu um passo importante para continuar com as compras: obteve um financiamento de R$ 200 milhões junto à International Finance Corporation (IFC) — o prazo de pagamento, de sete anos, é mais alongado que a média.

Segundo Jânyo Diniz, muitas opções de compra estão sendo analisadas pela Ser Educacional. "Estamos de olho em coisas maiores, transformacionais. Analisamos especialmente as oportunidades em saúde, edtechs e EAD". E a empresa tem poder de fogo, com os R$ 500 milhões citados pelo diretor de RI.

Futuro digital

Pouco a pouco, o clima de excepcionalidade gerado pela pandemia vai ficando para trás no setor de educação superior, com os grandes grupos já pensando num retorno à normalidade e planejando o futuro — que, para Diniz, terá cursos híbridos e 100% digitais coexistindo.

"Somos sociáveis por natureza, sentimos necessidade de interação humana. Uma parte dos alunos vai querer fazer disciplinas presenciais, outros vão preferir tudo a distância", avalia o presidente da Ser Educacional.

Cursos híbridos, por sua natureza, têm tíquetes médios maiores: a possibilidade de frequentar as salas de aula ou a necessidade de uso de instalações físicas, como laboratórios, exigem uma estrutura maior por parte das instituições.

Outros, cuja estrutura de ensino é essencialmente teórica, poderão ser feitos 100% pelas plataformas digitais, o que barateia as mensalidades e facilita o acesso ao ensino.

Por fim, a oferta de cursos livres, que dão continuidade ao processo de formação e preparação profissional, são a aposta da Ser Educacional — um processo de educação contínua e perene.

Ou, nas palavras do presidente da companhia:

O lifelong learning passa a existir, as pessoas passam a estudar. Não dá mais para fazer um curso para a vida toda. Mudou tudo.

Jânyo Diniz, presidente da Ser Educacional
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Leão faminto

Carga pesada: Impostômetro atinge a marca de R$ 1,5 trilhão

Monitoramento da Associação Comercial de São Paulo mostra que, no ano passado, marca foi atingida somente no dia 28 de setembro

Muita calma nessa hora

Tem Vale Gás? Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Manifestação vem depois que o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que a estatal tem R$ 3 bilhões em reservas para custear ajuda

Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies