Menu
2021-01-22T17:46:11-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
“HBRE3”

Segmento imobiliário da B3 vai ganhar mais um nome, a HBR Realty

Do mesmo fundador da Helbor, companhia chega à bolsa após levantar R$ 729,6 milhões em oferta restrita de ações

22 de janeiro de 2021
11:42 - atualizado às 17:46
hbr shopping patteo
Imagem: Divulgação

Vem mais empresa para a bolsa. A novata da vez é a HBR Realty, uma empresa do ramo imobiliário que atua no segmento de desenvolvimento e administração de propriedades. Ela chega ao mercado após levantar R$ 729,6 milhões.

As ações da empresa estreiam na terça-feira (26) com o símbolo “HBRE3”. Ela é a 163ª empresa listada no Novo Mercado, segmento com os mais elevados padrões de governança corporativa da B3.

A companhia emitiu um total de 38,2 milhões de ações ordinárias, ao preço unitário de R$ 19,10. A oferta não foi acrescida com os 9,55 milhões papéis do lote suplementar.

A HBR optou por abrir seu capital através de uma oferta restrita. Neste caso, a operação é destinada apenas a investidores profissionais, aqueles que possuem um patrimônio mínimo investido de R$ 10 milhões. E ela também é restrita a um número limitado de investidores – um total de 75, sendo que apenas 50 podem subscrever os papéis.

Este tipo de operação é um pouco mais flexível que um IPO normal. Não há necessidade de elaborar prospecto e a oferta não precisa ser registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O objetivo é agilizar e diminuir os custos de entrada no mercado acionário.

A abertura do capital da HBR foi coordenada por Bradesco BBI, BTG Pactual, Itaú BBA, Santander e pela Genial Investimentos.

A empresa pretende utilizar os recursos para investimento em novos projetos em desenvolvimento e em projetos já desenvolvidos, para exploração comercial, de acordo com as plataformas principais de atuação.

Quem é a HBR Realty?

A HBR Realty foi fundada por Hélio Borenstein, um imigrante russo que veio da Ucrânia, em 1917. Ele saiu de seu país natal devido à 1ª Guerra Mundial e à Revolução Russa, desembarcando de navio no Brasil e se estabelecendo em Mogi das Cruzes, São Paulo. Borenstein também é fundador da Helbor (HBOR3), mas as duas empresas não têm relação.

Segundo o relatório com os resultados de 2019, a HBR Realty contava com um portfólio de 29 ativos que representam 209,7 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL, medida que mostra as áreas disponíveis para aluguel). A estratégia da HBR é voltada para o desenvolvimento de propriedades urbanas por meio de quatro plataformas:

  • ComVem, plataforma dedicada ao desenvolvimento e administração de centros de conveniência;
  • HBR 3A, negócio voltado ao desenvolvimento e administração de edifícios corporativos de alto padrão na cidade de São Paulo;
  • HBR Malls, plataforma dedicada a aquisição, desenvolvimento e administração de shopping centers (ela é dona de quatro shoppings, como o Mogi Shopping e o Shopping Patteo Urupema, ambos em Mogi das Cruzes) e;
  • HBR Opportunities, que reúne ativos de várias classes, como hotéis e estacionamentos.

A companhia fechou 2019 com um lucro líquido de R$ 194 milhões, um aumento de 64,5% em relação a 2018. A receita líquida cresceu 18,6%, a R$ 68 milhões, enquanto o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 325,5 milhões, graças aos efeitos de itens não recorrentes. Excluindo isso, o Ebitda somou R$ 44,9 milhões, com a margem ajustada alcançando 66%.

Ela registrou uma geração de caixa de R$ 224 milhões. A relação entre a dívida líquida e seu patrimônio foi de 43%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies