2021-10-14T12:21:05-03:00
Estadão Conteúdo
Estatal na mira

‘Tenho vontade de privatizar a Petrobras (PETR4)’, declara Bolsonaro em meio a críticas sobre alta dos combustíveis

Em resposta às pressões sobre os últimos aumentos da gasolina, álcool e diesel, o presidente também sugeriu que “seria bom se todo mundo ajudasse a economizar”

14 de outubro de 2021
12:21
Petrobras
Ao apontar limitações ao seu cargo no Executivo, o presidente afirmou que não consegue direcionar o preço do combustível. - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Pressionado para apresentar uma solução contra a escalada do preço dos combustíveis, o presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a criticar nesta quinta-feira (14) a política de preços da Petrobras (PETR4). Bolsonaro declarou que seu desejo é privatizar a estatal.

Ao apontar limitações ao seu cargo no Executivo, o presidente afirmou que não consegue direcionar o preço do combustível, já que incorreria em crime de responsabilidade, mas se queixou novamente que, em caso de aumento dos preços, a culpa sempre cai no seu colo.

Para frear a alta dos preços, ele também disse que "seria bom se todo mundo ajudasse a economizar combustível". "É muito fácil, 'aumentou a gasolina, culpa do Bolsonaro'. Já tenho vontade de privatizar a Petrobras. Tenho vontade, vou ver com a equipe econômica o que a gente pode fazer", disse o presidente em entrevista à Rádio Novas de Paz de Pernambuco.

Na entrevista, Bolsonaro ainda recorreu à população e sugeriu que seria bom "se todos ajudassem a economizar combustível". De acordo com o presidente, como o Brasil precisa importar o combustível, "aí você iria obrigar os caras a rever o que está acontecendo, ajudaria bastante".

A novela do ICMS

ara lidar com o problema da crise hídrica no País, o presidente já havia pedido a seus apoiadores que desligassem um ponto de luz em suas casas para poupar energia elétrica.

Diante da pressões sobre o aumento da inflação no País, Bolsonaro voltou a responsabilizar os governadores por parte do alto preço do gás de cozinha e dos combustíveis. "Essas verdades é que doem", afirmou. Mesmo com fortes críticas, porém, Bolsonaro reconheceu que os chefes do executivo nos estados não podem zerar o ICMS.

O presidente também comentou sobre o projeto aprovado na quarta na Câmara que muda a regra de ICMS sobre combustíveis e estabelece um valor fixo por litro para o imposto. "Não era o que eu queria", disse em relação às alterações do projeto apresentado pelo Executivo, "mas vai ajudar", ponderou.

Ele ainda cumprimentou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), por ter conseguido "aprovar o que foi possível". O projeto agora será analisado pelo Senado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS