Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-07T15:04:51-03:00
Estadão Conteúdo
país em crise

Novo auxílio injeta no varejo oito vezes menos que valor verificado em 2020, diz CNC

Dos R$ 44,86 bilhões previstos para serem liberados à população mais vulnerável este ano, R$ 12,75 bilhões serão gastos pelas famílias no varejo

7 de abril de 2021
15:04
auxílio emergencial
Imagem: Shutterstock

A reedição do auxílio emergencial ajudará menos as vendas do comércio varejista em 2021. Dos R$ 44,86 bilhões previstos para serem liberados à população mais vulnerável este ano, R$ 12,75 bilhões serão gastos pelas famílias no varejo, calcula a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

No ano passado, os valores disponibilizados pelo governo para pagamento do auxílio somaram R$ 322 bilhões, sendo que R$ 103,8 bilhões foram gastos no comércio varejista.

"Ou seja, o impacto mensal sobre o varejo em 2021, embora positivo, deverá ser cerca de 8 vezes menor do que em 2020", ressaltou o economista Fabio Bentes no relatório da CNC.

O levantamento da CNC considera que 9% dos recursos disponibilizados pelo governo não sejam sacados este ano, assim como no ano passado. A população também destinará uma fatia menor dos recursos recebidos para a aquisição de bens.

Em 2020, 35,4% dos recursos sacados chegaram ao varejo, enquanto o restante foi destinado ao consumo de serviços, pagamento de dívidas ou poupança.

Em 2021, a previsão da entidade é que as famílias destinem 31,2% dos recursos sacados para o consumo no comércio varejista, sobrando mais economias para pagamento de dívidas e poupança, por exemplo.

"Estatísticas do Banco Central mostram que o comprometimento da renda das famílias, que já se situava em nível recorde em dezembro de 2020 (28,4% da renda das famílias), aumentou ao longo do primeiro trimestre de 2021, período no qual o auxílio não estava mais disponível para a população. A CNC estima que essa proporção tenha atingido 30,3% da renda familiar em março de 2021. Assim, a tendência é que, mesmo proporcionalmente, mais recursos tenham outra destinação que não o consumo de bens", justificou Fabio Bentes.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

OCCUPY B3

MTST ocupa sede da B3 em protesto contra o governo e a desigualdade social

Militantes do movimento por moradia entraram no saguão da bolsa de valores em ato contra as altas no desemprego e na inflação

Balança, mas (ainda) não cai

Qual o destino da Evergrande? Veja quatro possíveis cenários para a crise da gigante chinesa

As ações da Evergrande subiram mais de 17% na bolsa de valores de Hong Kong após um acordo com credores. A situação, porém, está longe de ser resolvida. Saiba o que esperar

mercado cripto

Bitcoin e criptomoedas: XP e Rico lançam dois fundos, com investimento a partir de R$ 100

Com gestão passiva, produtos são voltados ao público geral, com taxa de administração de 0,5% ao ano, sem proteção cambial ou taxa de performance

Destaques da bolsa

Cyrela (CYRE3): ‘Sem razões para ânimo’ com o setor, Credit Suisse rebaixa recomendação para construtora e ações têm queda firme

Banco suíço, que rebaixou recomendação de “compra” para “neutra”, vê um cenário difícil para as construtoras nos próximos meses por causa da alta da inflação e da taxa básica de juros

Novos tempos

De volta ao escritório: Bradesco anuncia retorno ao trabalho presencial a partir de outubro

A retomada gradual está prevista para ocorrer a partir do dia 4 de outubro e vai seguir todos os protocolos sanitários, de acordo com o banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies